COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

FP Português 6/2013 (2)

FP.pt 6/2013 (2)                                                                                                          1 Maggio 2013

Maria, embaixadora do diálogo inter-religioso

Hendro Munsterman

Maria é uma figura espiritual a qual muitos cristãos fazem referência. Miriam também é uma personagem-chave na religião muçulmana. Sem esquecer que Maria era judia.

A análise é do teólogo alemão Hendro Munsterman, professor da Universidade Católica de Lyon, em artigo publicado na revista francesa Témoignage Chrétien, 11-08-2011.

Eis o texto.

Este ano, o dia 15 de agosto caiu no meio do Ramadã. Tradicionalmente, duas semanas antes dessa festa cristã que celebra a Assunção da Virgem Maria, os coptas do Egito jejuam. Os fiéis cristãos se unem aos jovens muçulmanos. Porque Maria, que tem um papel importante na Bíblia e no cristianismo, é igualmente importante no Alcorão e no Islã. É precisamente por essa razão que, em 2010, o Líbano havia decretado que o dia 25 de março, festa da Anunciação, fosse um dia festivo para celebrar o vínculo entre as duas religiões.

Para os cristãos, a presença de Maria (Miriam) no texto corânico é muitas vezes uma surpresa. Ali se encontram paralelos mais ou menos diretos com o texto bíblico, a Anunciação, por exemplo. Mas também se encontram informações não bíblicas. São informações que podem ser inspiradas pelos evangelhos apócrifos (Proto-Evangelho de Tiago, Pseudo-Mateus etc.) e, acima de tudo, por discussões entre judeus e cristãos da época, ou entre diversas seitas cristãs (nestorianos, monofisitas, jacobinos etc.).

As semelhanças às vezes são surpreendentes: no Alcorão, Miriam é louvada como “pura” e é chamada de “aquela que permaneceu virgem”, “aquela que permaneceu fiel a Deus”, “a mãe virginal de Isa”. Mas também há diferenças, como o belo relato do nascimento milagroso do seu filho Isa (Jesus). De fato, na sura 19, que é denominada de “Sura Miriam”, o nascimento ocorre sob uma palmeira, enquanto Miriam está sozinha. José não aparece no relato. Enquanto os textos bíblicos lhe dão um lugar, mesmo que muito discreto, ele não é citado no Alcorão, dando a impressão de que se trata de uma família monoparental.

A maior diferença entre Miriam e Maria está ligada à que existe entre Isa e Jesus. Na Bíblia, assim como na teologia cristã, tudo o que os cristãos afirmam a propósito de Maria tem uma razão e uma função cristológica. É Jesus de Nazaré, confessado como Cristo e Filho de Deus, que está no centro das atenções. A Bíblia fala, portanto, muitas vezes, da “mãe de Jesus” ou da “sua mãe”: Maria é apresentada através do seu filho.

No Alcorão, as coisas não podem ser assim: Isa é um profeta, certamente, também muito grande, mas não “Filho de Deus”, “Verbo feito carne”, “Messias”. Miriam, por isso, não é “a mãe do meu Senhor”, como Isabel a chama no Evangelho segundo Lucas. Ela tem uma identidade mais autônoma com relação ao seu filho. O Alcorão não a chama de “a mãe de Isa”, mas, ao contrário, por 22 vezes, Isa é chamado de “o filho de Maria”. Uma espécie de feminismo “ante litteram”, dado que sabemos que, naquele tempo, havia o hábito de definir a identidade de um menino a partir do pai.

Também podemos nos surpreender com uma dupla desproporção no paralelo: enquanto o Alcorão dá muito mais informações do que a Bíblia sobre a vida de Maria, a veneração da mãe de Isa permaneceu muito mais discreta do que o culto de Maria desenvolvido no cristianismo.

Para os muçulmanos, Miriam certamente é virgem e mãe, mas, acima de tudo, é “aya”, sinal de Alá, uma palavra usada na tradição do Islã para designar as maravilhas da criação. Consideradas como sinais que convidam a crer, essas maravilhas geralmente não são seres humanos. Salvo Miriam, que, ao se submeter à vontade de Deus, tornou-se um exemplo para todos os muçulmanos.

Desde o tempo dos hadith, existe um debate dentro do Islã sobre Miriam: ela é a mais perfeita muçulmana entre as mulheres? Ela se encontra em concorrência com a filha do profeta Maomé, Fátima, que, dentre outras coisas, deu o seu nome à cidadezinha de Portugal conhecida por ser um dos santuários marianos católicos mais visitados depois dos acontecimentos de 1917. No fim, Fátima é a o mais venerada no Islã: é chamada de “mãe das dores”, “a pura”, “Mulher do povo do céu” e também “a maior Maria” – títulos que têm ressonâncias com aqueles que os católicos dedicam a Maria.

Portanto, cristãos e muçulmanos veem em Maria um exemplo feminino de fé, assim como para ambas as tradições Abraão é um exemplo de fé no masculino. Mas, para os cristãos, ela é mais do que isso: a sua participação na encarnação encontrou a sua expressão teológica no título de Theotokos, “aquela que gerou Deus” (mal traduzido no Ocidente como “Mãe de Deus”). Esse evento essencial da fé cristã é, sem dúvida, a razão da maior importância da veneração de Maria no cristianismo do que no Islã.

Há um outro paralelo entre as duas tradições referente a Maria. Por muito tempo, e muitas vezes ainda agora, cristãos e muçulmanos (deliberadamente) ignoraram um elemento-chave da identidade de Miriam/Maria: o fato de que ela era judia! É verdade que, na antiga literatura rabínica, encontram-se algumas raras passagens mais ou menos difamatórias sobre Maria (“essa mulher se afastou do seu marido”), sem dúvida alimentadas pelas polêmicas judaico-cristãs.

Mais recentemente, alguns pensadores judeus tentaram dar um lugar para Maria/Miriam. Por exemplo, David Flusser vê na Mater Dolorosa a representante de todas as mulheres judias que tiveram que ver seus filhos sofrerem e morrerem durante as perseguições. Hoje, Miriam/Maria é uma ponte entre cristãos e muçulmanos, e nós não podemos mais ignorar que, antes de “nos pertencer”, o seu lugar estava no seio do povo judeu, a quem Deus se revelou em primeiro lugar.

http://www.ihu.unisinos.br/noticias/46570-maria-embaixadora-do-dialogo-inter-religioso

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 30/04/2013 da in Artigo mensal, PORTUGUÊS, Vergine Maria con tag .

  • 341.701 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 749 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: