COMBONIANUM – Formazione e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

Viver como crentes no mundo em mudança

Livro


Viver como crentes no mundo em mudança

Maria Clara Bingemer

Do volume agora editado em Portugal, apresentamos um excerto, intitulado “Desafios atuais à existência crente”.

Viver como crentes no mundo em mudançaDiante da situação em que se encontra o catolicismo hoje, alguns desafios devem ser enfrentados a fim de que ele reencontre o seu lugar na área pública da sociedade e possa cumprir a sua missão de ser um caminho para se viver a boa-nova do Evangelho e do Reino de Deus pregado por Jesus.

Um primeiro desafio seria recuperar uma docta ignorantia ou agnosia ao falar de Deus e dos seus mistérios. A linguagem arrogante de quem pretende deter o monopólio e a exclusividade do discurso não condiz bem com o discipulado cristão.

Em seguida, viria a necessidade urgente de reconfigurar uma mística da profanidade, mostrando que não há que sair da realidade para encontrar a Deus. Ressituar o sagrado, a experiência de Deus no coração do mundo e do humano, mostrando que tudo não é Deus, mas tudo fala de Deus, é urgente para que os nossos contemporâneos possam experimentar esse Deus que lhes vem ao encontro, desde o coração do mundo.

Não se pode esquecer igualmente a necessidade de valorizar certos sujeitos e atores da comunidade eclesial que sempre foram e continuam a ser secundários. O laicado deve realmente ser formado e aceder à maturidade da fé para que possa ser sujeito pleno de missão e testemunha. Assim também, dentro do laicado, a mulher – sempre leiga, mesmo se for religiosa –, já que não tem acesso aos ministérios ordenados, deve ser revalorizada a fim de poder dar toda a preciosa contribuição a partir da sua identidade, para além do que já faz em termos de serviço humilde e não reconhecido.

Há urgência em redescobrir os sentidos, o corpóreo, a dimensão das emoções na experiência espiritual cristã. O risco da frigidez não ronda apenas a sociedade secular, mas entrou também, perigosamente, nas Igrejas. A experiência de fé não está movendo o afetivo ou, quando o faz, é de maneira banalizadora, infantil ou desordenada. Aí também haveria um desafio importante, para recuperar a importância da corporeidade, da sensibilidade e da afetividade.

Encontramo-nos num momento privilegiado para migrar de uma individualização da fé a uma personalização desta mesma, reconfigurando o sujeito dessa mesma fé. A fé tem um novo sujeito dotado de uma nova consciência religiosa que é importante assimilar e integrar ao conjunto do tecido eclesial. No fundo, tratar-se-ia de dar de novo ao amor a primordialidade da cidadania dentro da comunidade que pretende e se dispõe a viver o facto cristão.

De tudo o que por nós foi dito até agora, e que apenas roça muito leve e subtilmente o problema, na sua grandeza incomensurável, permanece uma convicção profunda e central: a experiência mística cristã é experiência de alteridade. Uma alteridade em que antropologia e teologia estão unidas indissociavelmente.

Não se trata, pura e simplesmente, de uma experiência do transcendente ou algo que desloque o ser humano do chão da sua realidade em direção a um plano sobrenatural ou a um nirvana situado alhures, num espaço que não se sabe bem qual é, aonde se vai em busca de sensações e esperando pelo cessar de todas as preocupações ligadas à realidade e à espessura da humanidade.

A experiência mística, no Cristianismo, é a experiência de um Deus encarnado. Fora deste dado central e absolutamente necessário, não há Cristianismo. Não havendo encarnação, não há a possibilidade de Deus assumir todas as coisas por dentro e viver a história passo a passo, por assim dizer, «na contramão» da sua eternidade. Não havendo encarnação, não há cruz, não há redenção, não há salvação. Não há, portanto, aliança entre a carne e o Espírito.

Certamente é esta a contribuição maior que a mística cristã tem para dar hoje, em tempos de ressacralização, busca de transcendência e novos paradigmas inclusive para a espiritualidade. Nada do que é humano é estranho à mística cristã, e toda a nova descoberta e toda a nova ênfase, em termos de humanidade, vêm não a ameaçar a mística cristã, mas, pelo contrário, a alimentá-la, a nutri-la, a fazê-la mais de acordo ao sonho de Deus Pai, Filho e Espírito Santo, que a tudo e a todos deseja cristificar e santificar pela sua práxis santificadora que preside a história e trabalha por dentro a carne do mundo.

Pelo contrário, toda a tentativa de escapar disso é tentação que descaracteriza a mística cristã na sua pessoalidade, na sua configuração trinitária, na sua dinâmica histórica e encarnatória.

Confessar com a boca e o coração que o Verbo se fez carne e o Espírito foi derramado sobre toda carne implica buscar a experiência e a união com o Deus, que assim determina comunicar-se com a humanidade, através desta carne na qual é possível experimentá-lo. E essa carne é a carne da «outra» que mostra uma maneira própria e diferente de ser humano; é a carne do outro que sente e nomeia Deus de «outro» modo; é a carne do «outro» que sofre opressão e injustiça e cujo rosto revela o Deus que se constituiu desde sempre em seu defensor e advogado. Integrar a carne do outro na experiência mais inefável do amor divino é o grande desafio que, hoje como sempre, está posto à mística cristã.

Desde que, pela encarnação de Jesus Cristo, foi feita uma aliança indissolúvel entre o Espírito e a Carne, todos os caminhos do Espírito passam necessariamente pela carne, ou seja, pela Alteridade Encarnada, único locus onde é possível encontrar e experimentar a Alteridade do Verbo Encarnado.

Maria Clara Bingemer In Viver como crentes no mundo em mudança Publicado em 09.10.2014

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 26/10/2014 da in Atualidade eclesial, PORTUGUÊS con tag , , , .

  • 304.785 visite
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 697 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: