COMBONIANUM – Formazione e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

“Viver, amar, morrer”

Livro


“Viver, amar, morrer – Contigo até ao fim”

Em julho de 2008 morria em Madrid a médica oncologista África Sendino, na sequência de um cancro da mama. Desde que conheceu o diagnóstico foi escrevendo um diário, que mais tarde confiaria ao capelão do hospital, o padre e escritor Pablo D’Ors, para que lhe desse um estilo narrativo (“Viver, amar, morrer”, Pablo D’Ors, Paulinas Editora). Eis alguns estratos do livro.

viver_amar_morrerO que a própria Sendino quis que oferecesse em seu nome ao mundo foi uma espécie de testemunho, o mais fidedigno possível, da sua vivência da doença. E todos somos obrigados a respeitar as últimas vontades dos nossos mortos. E gostaria de começar, fazendo-o com esta afirmação: se é verdade que os últimos dias e até as últimas horas na vida de uma pessoa simbolizam bem o que essa pessoa foi ou quis ser, então devo pensar que Sendino era o que no catolicismo se entende por santo.

Talvez convenha saber que trabalho como capelão de um hospital, há já alguns anos, e que, como não podia deixar de ser, nessa instituição de saúde, tive a oportunidade de atender muitos doentes e moribundos. Mas nenhum como Sendino. A morte de Sendino destaca-se no meu coração sobre todas as outras.

«Quero deixar claro que o facto de a doença pressupor um período de perdas não sentencia irremediavelmente que o facto seja um período de perda de mim mesma. Não, de modo nenhum! Mesmo sendo dolorosa a comprovação do fracasso do tratamento para erradicar um tumor, experimentei que a minha recaída tinha algumas vantagens como, por exemplo, já não me esperariam tantas novidades, excetuando, naturalmente, a perspetiva de um desenlace final. Então, a morte apresentou-se como uma convidada para a festa.» Esta página do seu diário – talvez uma das mais intensas – foi para mim muito reveladora: Sendino começa a falar da morte, chama-a pelo seu nome e dá-lhe as boas-vindas; Sendino não se esquiva ao rosto da morte, como faz a maioria dos doentes, com disfarces e trapaças. Como capelão de um hospital, comprovei que são muitos os que dizem que, quando chegar a hora de estar doentes, quererão saber toda a verdade; mas também comprovei que são poucos os que, chegada essa hora, querem efetivamente saber tudo. A personalidade que não está preparada para encaixar a notícia da sua morte costuma proteger-se através da ocultação. Sendino não precisou desta estratégia. Recebeu a notícia do seu falecimento iminente, da sua possibilidade, com coragem e elegância. Dentro do seu coração travava-se uma batalha; mas, como um bom estratega, ela dispunha os seus soldados para o ataque e para a defesa.

«Deus não nos oferece a doença como castigo, mas como caminho. E porque nesse caminho estou a aprender intensíssimas lições do que se pressupõe que Deus compõe como argumento da minha biografia. Por fim, compreendo que a Providência divina não é uma simples formulação, mas uma realidade quotidiana que me aguarda no rosto dos meus amigos. E vejo, como num espetáculo grandioso, até onde pode chegar a bondade de quem me rodeia

«Desde o princípio da minha enfermidade compreendi que a minha forma de encará-la não era o resultado de uma grande fortaleza psicológica, mas um dom estritamente sobrenatural. Desde esse primeiro momento, soube que só tinha um desejo: fazer esta minha peregrinação do melhor modo possível.» «Os enfermos são um tesouro para a Igreja.»

Sobre a oração, respondeu-me duas coisas que me comoveram muito. A primeira: que nunca tinha rogado pela sua cura. «Quem sou eu – disse-me –, para pedir algo assim?» Fiquei mudo, estupefacto: era a primeira vez que encontrava um doente crente que não tinha rezado pela sua recuperação. A segunda, talvez ainda mais impressionante e comovedora: que quando alguém lhe dizia que orava pela sua saúde, ela aplicava secretamente o que no seu foro íntimo ela designava por desvio de oração. “Assim como há alguns aparelhos telefónicos que podem ser programados para que as chamadas feitas para eles toquem em outros – explicou-me –, assim também eu programo o meu coração – disse também – e o meu próprio coração foi encolhendo enquanto escutava. – “Deste modo, todas as orações que me têm por meta redundam em benefício de outros enfermos e Deus as leva em conta a favor deles.” Neste sentido, confessou-me que, muito amiúde, tinha «desviado» a oração para uma tal Keti (que, aliás, nem sequer conhecia).

«A Liturgia das Horas assegurou-me a melhor e mais equilibrada nutrição espiritual. É possível que os salmos não ofereçam o que apeteceria mais a cada alma em cada momento; mas a maior parte das vezes oferecem, misteriosamente, aquilo de que mais se precisa. Estou muito agradecida ao saltério; porque, ao rezá-lo, é como se a minha enfermidade adquirisse imediatamente uma ressonância universal. Nós, os que sofremos, deveríamos irmanar-nos. Se o mundo soubesse da enorme força espiritual que se congrega numa clínica! Ao ver o segundo nódulo como um inimigo que me arreganhava os dentes – metálicos e afiados –, achei muito consolo nas palavras – “Felizes os que em ti encontram a sua força” – do Salmo 84 [84(83),6]. Então, tive de repetir a mim mesma a minha convicção mais firme: que as minhas misérias não me afastam de Deus, mas me devolvem a Ele.»

A doença…, uma graça? Sendino soube pessoalmente que não é possível viver humanamente sem conhecer a dor na sua própria carne. Sabia que longe do sofrimento e da dor não há humanidade. Que uma doença não se compreende nem se vive, em toda a sua radicalidade, enquanto não se agradece. Que o seu cancro era uma estranha bênção quase incompreensível, mas que como cristã e como médica ela estava na melhor das condições para entendê-la e vivê-la.

«O meu maior medo? Que a intensidade do meu sofrimento me tente a não louvar a Deus e a não dar graças ao seu nome. Só peço uma coisa: que a minha enfermidade não me afaste dele; pois, se o fizesse, para quê e a quem serviria?» Guardei silêncio. Não tinha nada a acrescentar. «Aceito ser um despojo – continuou ela, por fim. – Quero gastar-me e desgastar-me a cumprir a sua vontade.»

Duas atitudes pesaram muito em Sendino e nisso, ao menos nisso, compartilhou a experiência da maioria dos enfermos. Que, pela sua progressiva invalidez, a sua dependência dos outros fosse cada vez maior, deixando de ser autossuficiente e dando demasiado trabalho às enfermeiras e demais pessoal de saúde. («Não há nada que eu deteste tanto como dar que fazer aos outros.») Por isso, Sendino fazia o impossível para se tornar menos gravosa; e nunca pedia nada que não pudesse realizar por si mesma. A segunda atitude – e isto doeu-lhe ainda mais – foi a de, em certa ocasião, os seus irmãos terem decidido uma reunião familiar, sem contar com ela, nem sequer a terem informado. «Como se eu já não contasse – disse-me. – Como se eu já estivesse morta.» Sendino tinha os olhos cheios de lágrimas, quando me relatou esta pena. Tinha compreendido que a enfermidade não implica somente dor física, mas também um progressivo desaparecimento do horizonte dos outros, mesmo dos seres mais queridos. Desaparecer progressivamente do horizonte dos outros, Morremos para este mundo muito antes de o nosso coração deixar de bater.

Devo dizer que Sendino nunca se rendeu à sua doença, que sempre lutou contra ela, porque isso – a luta – era o que ela entendia como dever. Contudo, não o fez por se ter agarrado avidamente à vida, como vi muitos outros doentes fazer, mas porque não queria partir deste mundo sem ter dado a última coisa que podia dar. Pois, se ainda não está claro, Sendino era o que comummente se entende por uma lutadora. Uma lutadora de lutas sem quartel que estava disposta a sacar das armas, quando o Senhor em quem cria lhe dissesse que tinha chegado a sua hora. Por mais dolorosas que fossem todas as perdas que sofria, Sendino sabia que a sua identidade mais profunda não se cifrava na liberdade de movimento, que não radicava na simples autonomia – como tantos dizem – e que, ainda mais, é na experiência da dependência radical dos outros que o ser humano está nas melhores condições para se compreender a si próprio.

Sendino era uma lição viva de Evangelho para quem entrasse no seu quarto com o coração aberto. É que, naquele quarto, respirava-se uma atmosfera sagrada. Não cheirava a igreja (quer dizer, a incenso ou a cera), mas a santidade; e a santidade é – ao menos tal como a vi nela – elegante e discreta, terna e firme, silenciosa, necessária…

«Sou médica – lembro eu agora o que Sendino me disse numa das últimas tardes em que esteve lúcida. – Meti as mãos na massa do sofrimento com a nobre intenção de aliviá-lo. E, se tive o privilégio de tocar em tanta dor de outros corpos, como não hei de permitir que outros toquem no meu? Graças a esta enfermidade que sofro, compreendi que compartilhar a dor não significa simplesmente assumir a dor alheia, mas também repartir a minha. Tenho sofrimento; de acordo. Posso compartilhá-lo ou guardá-lo para mim. Decidi entregá-lo. E, ao dizê-lo, compreendi que é assim que se alivia e que para isso – para entregá-lo – se existe

Como capelão hospitalar, aprendi que nós, os seres humanos, passamos a vida a fugir do sofrimento (também eu, sobretudo eu), e que, só quando não fugimos do sofrimento é que nos realizamos como homens. Quando eu entrava no quarto de Sendino, tinha a impressão de que ela me increpava com um «Olha para mim, não tenhas medo!».

Confesso que me assustam os lutos prolongados a que algumas viúvas parecem tão dedicadas; o que me assusta mais é a espantosa brevidade com que hoje se costuma viver os lutos: a rapidez com que metemos os mortos nos seus caixões e a rapidez com que todos voltamos aos nossos afazeres quotidianos, como se nada tivesse acontecido. De vez em quando, um pensamento para o morto, sim, mas só um. Ou dois, mas só dois. E, às vezes, pensamentos que nem sequer atingem a categoria de pensamento, pois são rajadas ou imagens devoradas por outras imagens que mal têm tempo de deixar em nós essa borra de tristeza que nos tornaria mais humanos.

«Olha para mim!» – dizia-me Sendino sem palavras, quando eu entrava no seu quarto. «Olhai para ela!» – digo eu, agora, a quem leu estas poucas páginas.

http://www.snpcultura.org

 

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 23/11/2014 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , , , , .

  • 304.244 visite
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 586 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: