COMBONIANUM – Formazione e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

A árvore da vida /6

A árvore da vida – 6
Reflexões sobre o Gênesis por Luigino Bruni


E Noé reconstruiu o arco-íris
O mal não triunfa quando existe a arca do justo

Refugiaram-se na arca, também, duas personagens muito especiais. Entre os que pediram asilo a Noé estava o Engano; foi-lhe recusado porque não tinha companheira: é que na arca só entravam animais aos pares. Então ele pôs-se à procura de uma consorte e encontrou a Desventura, a qual se uniu a ele com a condição de se apropriar daquilo que ele viesse a ganhar. E assim os dois foram admitidos na arca. Quando saíram, o Engano deu-se conta de que tudo quanto conseguia juntar logo desaparecia, e foi pedir explicação à sua companheira. Mas ela retorquiu: “não tínhamos nós combinado que tudo o que tu ganhasses seria meu?”. Assim o Engano ficou de mãos vazias. (Midrash aos Salmos, in As lendas dos Hebreus).

L’albero della vita (6) arcobaleno-nel-deserto-del-gobi

A primeira grande obra, o primeiro feito, de que nos fala o Génesis não é a Torre de Babel; é uma grande arca de salvação e de aliança, construída por um «homem justo» (6,9). As raízes da dignidade e do valor civil e ético de toda a técnica, economia e construção humana têm fundamento na justiça de Noé.

O nome Noé significa “repouso”; ele é o herdeiro de Set (o novo Abel). A sua história é uma das mais belas, populares e extensas do livro do Génesis (ocupa nada menos que seis capítulos: do 5º ao 10º). Surge quando a humanidade – já fora do Éden – se tinha afastado da vocação original do Adam e os filhos de Caim e de Lameque se tinham imposto aos de Set. Deus (YHWH) «viu que a maldade dos homens crescia cada vez mais no mundo e que as suas intenções e planos eram sempre maus» (6,5). Assim «sentiu pena de ter criado a humanidade e ficou muito triste» (6,6).

Deus manda então o «dilúvio» (6,17). Misteriosamente, com os seres humanos são destruídos também animais e plantas, associados à triste sorte dos homens. Como se, perante a corrupção humana, o Criador não consiga já “ver” bela e boa a sua obra, como se a terra não pudesse ser “bela e boa” se aquela coisa “muito bela e muito boa” (o Adam) se corromper, se perder, se extraviar da sua vocação. Assim, também a criação morre, para renascer na esperança e na espera de um novo Adam que volte a ser digno de a cultivar e dela cuidar, numa lei de reciprocidade. É assim que Noé recebe a ordem de fazer entrar na arca da Aliança – esta palavra, arca (teba), vamos reencontrá-la na “cesta” em que foi salvo Moisés: de novo aliança, de novo salvação das “águas” – um casal de cada espécie de animais, pássaros, répteis, além de ele mesmo, sua mulher, os três filhos e respetivas mulheres; a salvação da arca é também para os seus construtores. É belo e importante que sejam um corvo e depois uma pomba – que docilmente poisa no braço de Noé – os primeiros aliados do ser humano na nova terra; aí se estabelece a aliança, não só com a família e a descendência de Noé, mas também com «todos os seres vivos que estão convosco, aves, animais domésticos e selvagens, os que agora saíram da arca e todos os que existirem na terra» (9,10). Num contexto de perversão e de corrupção, a última palavra não é da morte: no centro da cena está um justo, «a única pessoa honesta» da terra (7,1). E é com este justo que Deus firma um pacto, uma «Aliança» (6,18), palavra que com Noé entra no mundo e dele não mais sairá.

A história de Noé é a primeira gramática de uma vocação autêntica: vemos uma pessoa que recebe um chamamento; há depois uma resposta; seguidamente uma arca; e, por fim, um não-herói. O chamamento é dirigido a um “tu”, a um nome. Este “tu” é um justo; por isso, responde. Quando chega o chamamento – sobretudo o decisivo, da vida – o justo responde; e responde quaisquer que sejam o contexto e a idade: aos 20, aos 50, mas também aos 80; e até aos 600 anos (os «anos» que tinha Noé: 7,6). Noé não responde com a palavra; não fala com Deus; «caminhava» com Ele (6,9). É frequente isto: os justos simplesmente caminham, não falam; fazem, amam, dão a vida; e a sua palavra torna-se a sua obra; “falam” construindo uma arca de salvação. A vocação não é qualquer coisa psicológica, não é um sentir; é um ser, uma construção de salvação.

Assim, o primeiro sinal da justiça de Noé é responder à vocação. Mas o segundo sinal é que é mesmo decisivo: a construção de uma arca, que dá conteúdo e verdade àquele chamamento pessoal. Numa vocação, quando não se sente também o chamamento a construir uma arca, é sempre preciso interrogar-se sobre a autenticidade do chamamento: sem uma tarefa de “construção”, a vocação reduz-se a mera experiência de “consumo”; por isso não salva ninguém, nem sequer quem é chamado. Por detrás de “chamamentos sem arca de salvação” sempre se esconderam muitos autoenganos e – não raro – neuroses. As comunidades humanas, as empresas, o mundo, salvam-se cada dia de situações degradadas, estragadas, de crises radicais, porque existem pessoas que sentem um chamamento de salvação e lhe respondem. Porque existe pelo menos uma pessoa assim. Uma única pessoa pode ser suficiente para uma história de salvação. As salvações chegam porque alguém sente um chamamento a salvar-se e salvar e, sobretudo, porque constrói uma arca. Cria uma obra de arte, faz nascer uma cooperativa, uma empresa, um sindicato, uma associação, um movimento político. Forma e protege uma família, um filho, uma profissão; consegue levar às costas durante longo tempo uma cruz fecunda.

Em todas as histórias de salvação individuais e coletivas há um “justo” e há “uma arca”. Um dos espetáculos espirituais, morais e estéticos mais espantosos da terra é a presença de pessoas que receberam uma vocação e de obras que nascem dessas vocações (por vezes aparentemente “mudas”). A terra está cheia de gente que constrói “arcas” para salvar a sua geração. Essas obras, essas arcas, distinguem-se nitidamente das outras obras – grandes ou pequenas – que povoam, também elas, a terra e a economia. A conclusão da narrativa de Noé revela um sinal distintivo das arcas de salvação: terminada a sua tarefa, Noé volta a ser um homem comum. Ao contrário de Gilgamesh  e dos protagonistas das muitas narrativas sumérias e acádicas  do dilúvio, Noé não é herói ou semideus: é simplesmente homem, um homem comum; mas um homem justo. Realizada a sua obra, o Génesis apresenta-o como agricultor: planta a primeira vinha da terra; embriaga-se com o vinho dela (a ambivalência do vinho e da vida); despe-se na tenda (9,20-21) e Cam, um dos seus filhos, ri-se dele (9,22). Noé é pois, também, o paradigma de todos os portadores de carismas autênticos, dos que constroem uma arca e não se sentem heróis, mas um simples “lápis” (Madre Teresa) e sabem ver quando a tarefa acabou.

Mais tarde ou mais cedo, ao longo da vida, muitos justos ouvem o chamamento a construir uma arca de salvação, para si e para muitos. Este chamamento chega de várias formas; mas se a vida cresce e amadurece na justiça, um dia acontece o encontro crucial: quando o “justo” se dá conta de que, se não construir uma arca não salva a sua gente, nem se salva a si mesmo. Outras vezes – casos não menos relevantes – há alguém que se torna justo precisamente porque, num momento decisivo da sua vida reconhece uma voz que o chama, responde, constrói uma arca, e essa construção torna-se a salvação do seu construtor (e depois de muitos). É a arca que Noé “constrói. Outras vezes ainda, procura-se uma arca para se salvar e salvar outros mas não se ouve (ou não se reconhece) nenhuma voz que chama; inicia-se a construção de alguma coisa, quase sempre interpelados pela dor do mundo, sem perceber claramente o sentido daquela obra. Mas trabalha-se e aguarda-se uma voz. Por vezes esta voz-sentido chega durante a construção; outras vezes continua-se a trabalhar a vida toda esperando por ela. Neste caso a arca é voz e chamamento e este Noé “sem voz” não é por isso menos justo. Pode haver – e há – arcas sem chamamento; mas não deverá haver chamamentos sem arca.

A história de Noé conclui-se dentro de um horizonte cósmico, numa festa da terra: «Hei de colocar o meu arco-íris nas nuvens e esse será o sinal de aliança entre mim e a terra» (9,13). Sempre que um justo constrói uma arca renova-se aquela primeira aliança. Salvamo-nos de novo, salva-se connosco o mundo. Noé, o justo, continua a viver no meio de nós; toda a terra está em festa, é-nos dado um novo arco-íris.

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire  em 23/03/2014

http://www.edc-online.org

 

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 09/12/2014 da in A árvore da vida, Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 298.685 visite
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 576 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
p.mjoao@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: