COMBONIANUM – Formazione e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

A árvore da vida (9)

A árvore da vida (9)
Reflexões sobre o Gênesis por Luigino Bruni


Agar e as suas muitas irmãs

Hagar und El RoiO primeiro anjo da Bíblia foi enviado para consolar uma escrava-mãe – Agar – que a sua patroa tinha posto fora de casa. Perante a sua esterilidade e a crise da Promessa, Sarai procura uma solução por sua conta: «Disse a Abrão: ‘YHWH não me deu possibilidade de ter filhos. Mas talvez a minha escrava te possa dar algum filho por mim» (16,2). E assim Sarai “deu a sua escrava Agar a Abrão como segunda mulher” (16,3).

Perto da velhice, Sarai já não consegue acreditar que o chamamento é verdadeiro e encontra uma escapatória prevista na lei (figurava também no código babilónico de Hammurabi), mas diferente da Promessa. No entanto, Agar «ao saber que estava grávida, começou a olhar com desprezo a sua senhora» (16,4). Alguma coisa não correu bem nesta solução que parecia simples: o menino que nasceu não será o “filho de Sarai”; continuará a ser o filho de Agar (e de Abraão). Todo o filho é dom e mistério; e cumprimento de uma promessa. «Sarai começou a humilhá-la de tal maneira que ela teve que fugir» (16,6).

Agar correu para o deserto, e foi nesse lugar sempre denso de grandes símbolos que se realizou uma anunciação: «Hei de tornar os teus descendentes tão numerosos que ninguém os poderá contar». «Vais dar à luz um filho; hás-de chamar-lhe Ismael, porque YHWH prestou atenção ao teu sofrimento» (16,10-11). Agar voltou para casa de Abrão e as humilhações continuaram. E quando Sarai (que entretanto se tornara Sara) dará à luz Isaac do seu ventre já ressequido, voltará a dizer ao marido: «Tens de mandar embora essa escrava e o seu filho». Abraão segue a proposta de Sara, o que o deixou «muito desgostoso» (21,11).

Depois desta segunda expulsão, Agar não regressa, sai de cena, mas não saiu do livro da vida onde as muitas Agar continuam a chorar em voz alta, a ser postas fora mas a falar com Deus. «Mandou-a embora. Ela pôs-se a caminho mas perdeu-se no deserto de Bercheba. A água que trazia no odre acabou-se-lhe. Agar deixou o menino debaixo de um arbusto e foi sentar-se a uma certa distância porque não queria ver morrer o filho. Sentada no chão ela chorava em altos gritos» (21,14-16). Neste pranto desesperado podemos reconhecer todos os prantos das servas da terra, de ontem e de hoje; todas as mulheres humilhadas por outros homens e mulheres poderosos; os prantos e os silêncios das vítimas, de todos os migrantes e refugiados através de desertos e mares. Mas naquele deserto Agar encontra de novo YHWH: «Deus ouviu o menino a chorar e o anjo do Senhor chamou do céu por Agar e disse-lhe: ‘Que tens, Agar? Não tenhas medo, porque Deus ouviu a voz do menino, aí onde ele está» (21, 17).

Estes capítulos cheios de beleza, de humanidade, de dor, fazem chegar até nós muitas mensagens. A primeira é sobre conflitos e vias de solução. Sara nunca reconhece Agar como um “tu”: no texto não a chama nunca pelo nome, mas sempre e só «escrava»; apenas YHWH a chama Agar. Sem o reconhecimento do outro não se ultrapassa bem nenhum conflito. O estatuto de Sara – matriarca e patroa – leva a melhor sobre aquela solidariedade entre mulheres que tantas vezes se manifestou e manifesta, para além dos estatutos.

O conflito interrompe-se (mas não se resolve) usando o poder puro e duro, com a expulsão da mais débil que se torna vítima. A não solução de Sara é ainda muito frequente nas nossas instituições e empresas. Mas não é a única via de que falam estes episódios do Génesis. Quando chegou a Caanan, regressando do Egito, Abrão entrou em conflito com o seu sobrinho Lot: «Não podiam habitar juntos, porque não havia espaço suficiente para a riqueza que cada um deles já tinha» (13,6). Os bens e a abundância, quer dizer, o objeto da promessa de YHWH, transformam-se em motivo de um conflito familiar. Mas Abraão encontra uma solução: «Não devem existir desentendimentos entre nós… porque somos da mesma família. Peço-te que te separes de mim. Se fores para a esquerda, eu vou para a direita e se fores para a direita, eu vou para a esquerda»(13,8-10). Aqui, Abrão evita o conflito por meio de uma ação generosa: deixa que Lot escolha a terra melhor (13,10). Não é raro que sejam precisamente os dons recebidos com a vocação (a tarefa, a terra, os êxitos, o talento …) a tornarem-se motivo de conflito e de rivalidade com outros companheiros de viagem. E quando o território (a empresa, o projeto, a comunidade …) é pequeno demais para a abundância de bens e talentos, a salvação pode vir de uma separação, do seguir caminhos diferentes.

Mas as perguntas difíceis, paradoxais e trágicas destas grandes narrações não ficam por aqui. Sara significa princesa. Pelo contrário, o nome de Agar evoca o movimento de migrar. Agar é egípcia, porventura (segundo alguns midrash) filha do faraó; e o Egito não é apenas imagem de exílio e escravidão; é também o lugar para onde Sarai emigrou com Abrão no tempo da seca na terra prometida e onde foi entregue ao harém do faraó o qual, descoberto o engano (não era irmã mas mulher de Abrão) a afastou (12,19). Também Sarai fora então migrante, escrava, vítima, afastada. Por seu lado, Agar é escrava e vítima, mas recebe o primeiro anjo; e, como os grandes reis e profetas, fala com Deus, é-lhe anunciada uma grande descendência. Sara e Agar, então, trocam de papéis, uma dissolve-se na outra. As vítimas e os escravos ainda existem, como ainda existem patrões e poderosos, mas estes estupendos capítulos do Génesis querem dizer-nos algo de mais profundo.

Na comédia-tragédia da vida, as máscaras que as personagens utilizam são sempre mais do que uma, e cada pessoa esconde mais do que uma personagem. Mas principalmente o episódio de Agar diz que para entendermos alguma coisa do mistério da Bíblia e da vida é indispensável ler a história da salvação a partir da perspetiva de Sara e de Isaac, mas também da de Agar e Ismael. Apenas no seu conjunto elas se abrem, e nos pode ser dada “a inteligência das escrituras”.

O Génesis e, em certo sentido a Bíblia toda, é então atravessado pela tensão radical entre lei e profecia, obrigações e liberdade, instituição e carisma. São reconhecidas as leis-instituições da primogenitura e do patriarcado e sobre elas constitui-se o povo e a Lei; ao mesmo tempo elas são redimensionadas, atenuadas, por vezes viradas do avesso com preferências por não primogénitos (Abel, Jacob, José, David…), com escravas que falam com Deus, um patriarca que obedece à sua mulher. A trama horizontal dos patriarcas e reis entrelaça-se com a teia vertical dos desprezados, de ontem, de hoje, de sempre. É pelos seus espaços vazios que passa a “nave” da história, formando o tecido da vida. O livro da história pode ser lido na perspetiva dos pais e dos herdeiros, mas tudo ganha maior verdade e beleza se tentarmos posicionar-nos também do lado dos vencidos, se olharmos com atenção e pietas também os estreitos caminhos interrompidos.

O exercício necessário para reconhecer este enredo inextricável e vital Sarai-Agar e Isaac-Ismael, não deve porém impedir-nos de realizar um exercício espiritual ainda mais importante: tentar fazer uma escolha e decidir a qual perspetiva queremos dar o primeiro lugar. Não é nunca indiferente se o primeiro olhar sobre as vidas e as cidades é o de Agar ou o de Sara. Se os olhos de Agar forem os primeiros a ver, poder-se-á compreender que o olhar mais fecundo sobre o mundo não é o das princesas e dos poderosos, mas o que parte das periferias bíblicas e existenciais. Onde habitam Agar, Noémi, Dinàh, Maria e tantas suas irmãs, de ontem, de hoje, de sempre.

Luigino Bruni, In Avvenire Tradução: José Alberto BF. Revisão: P. António Bacelar

http://www.snpcultura.org/agar_e_as_suas_muitas_irmas.html

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 19/12/2014 da in A árvore da vida, Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 304.742 visite
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 697 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: