COMBONIANUM – Formazione Permanente

UNO SGUARDO MISSIONARIO SUL MONDO E LA CHIESA Missionari Comboniani – Formazione Permanente – Comboni Missionaries – Ongoing Formation

A árvore da vida /11

A árvore da vida /11
Reflexões sobre o Gênesis por Luigino Bruni


Ninguém é dono da Promessa

Quem segue o chamamento é um «estrangeiro residente»

Mais tarde entendi – e ainda não deixei de o entender e o aprender – que somente no pleno ser-neste-mundo da vida se aprende a acreditar.” (Dietrich Bonhoeffer, Resistência e Submissão)

sarah_burialA primeira vez que a palavra “mercado” aparece no Génesis (23,16) é a propósito da compra e venda de uma sepultura, sinal da Terra prometida. O primeiro pedaço de terra de Canaã a tornar-se propriedade de Abraão é um terreno que ele compra para sepultar sua mulher Sara. Deus tinha-lhe prometido a «propriedade» (ahuzzà: 17,8) da terra prometida, mas a única terra que consegue em «propriedade» (ahuzzà: 23,4) é uma sepultura.

Sucede muitas vezes a quem segue uma voz e sinceramente se põe a caminho que a terra prometida a veja ao longe, a habite, ame mas não se torne seu proprietário. Sara morre na terra de Canaã; mas morre ainda como estrangeira e hóspede. «Estrangeiro (ger) e peregrino (tosab) sou entre vós» (23,4), dirá Abraão aos hititas no início da negociação do terreno para sepultar a sua mulher – nesse mesmo lugar, o terreno e a gruta de Macpela, serão sepultados também Isaac, Rebeca, Lia e Jacob/Jacó. Assim, esta primeira propriedade sepulcral diz-nos muito sobre a vocação de Abraão; mas também sobre a aventura de quem tenta seguir na vida uma voz, um chamamento: o sentir-se estranho, caminhar em terras cuja propriedade não detém, a tenda móvel do arameu errante, são parte essencial da condição de quem responde ou tenta fazê-lo.

Se Sara e Abraão foram proprietários apenas de uma sepultura, então a terra prometida deverá ser habitada, amada, melhorada mas não possuída. Esta narrativa não diz apenas a importância da sepultura dos corpos naquela cultura (e na antiguidade em geral – basta pensar no mito grego de Antígona); sublinha também que atravessar terras prometidas sem as possuir é expressão alta de gratuidade, a natureza mais verdadeira de qualquer vocação. Comprando a terra aos Hititas para a sepultura de Sara, Abraão transforma aquele território num “lugar” que no tempo se tornará lugar sagrado; mas a mensagem mais profunda que o episódio da sepultura de Sara encerra é a de não fazer da terra prometida uma propriedade ou um lugar; ela permanece sempre diante de nós.

É, depois, muito interessante e revelador de toda uma cultura do antigo Médio Oriente e das suas práticas contratuais (cujos vestígios não desapareceram de todo nos souks de Damasco ou Teerão)  o processo de contratação entre Abraão e o proprietário do campo. O preço de venda emerge como um pormenor quase marginal no âmbito de uma conversação em que se alternam generosas ofertas, elogios e o reconhecimento da dignidade e honra da outra parte: «Ouve-nos, meu senhor; príncipe poderoso és no meio de nós; enterra a tua morta na mais escolhida de nossas sepulturas; nenhum de nós te vedará a sua sepultura, para enterrar a tua morta» (23,6). E Abraão replica: «Se é de vossa vontade que eu sepulte a minha morta… falai por mim a Efrom, filho de Zoar. Que ele me dê a cova de Macpela… que ma dê pelo devido preço…» (23, 8-9). Efrom parece estar disposto a doar-lhe o terreno gratuitamente: «Não, meu senhor, ouve-me: O campo te dou, também te dou a cova que nele está, diante dos olhos dos filhos do meu povo ta dou; sepulta a tua morta» (23,11). Então Abraão «inclinou-se diante do povo daquela terra», e disse: «… Ouve-me, peço-te. O preço do campo o darei; toma-o de mim…» (23,13). Apenas neste ponto do diálogo surge o preço: «Meu senhor, ouve-me, a terra é de quatrocentos siclos de prata; que é isto entre mim e ti?» (23,15). Abraão pesou os «quatrocentos siclos de prata, corrente entre mercadores» (23,16), e desta maneira «o campo e a gruta que nele havia passaram da posse dos hititas para a posse de Abraão» (23,20). Um siclo (shekel) era uma medida de peso, com cerca de 11 gramas. Um preço alto, comparado com o que pagou Jeremias por um campo (17 siclos de prata: Jer. 32,9), ou com as trinta moedas de prata pagas pela traição de Judas (que poderiam ser denários romanos [3,9 gramas] ou também siclos, naquele período muito mais usados em Jerusalém que os denários).

Este diálogo “económico” entre Abraão e Efrom, mesmo com a sua complexidade de símbolos, alguns dos quais muito distantes já de nós, mostra também que as trocas económicas são encontros entre pessoas, e são encontros autenticamente humanos quando os não privamos de todas as dimensões do humano, em especial da palavra. «A primeira mercadoria que se troca no mercado é a palavra», disse-me uma vez um amigo africano; na sua terra existem e resistem ainda mercados não invadidos pela lógica do nosso capitalismo individualista-financeiro que está transformando o mundo num hipermercado sem pessoas, sem encontros, sem palavras, sem honra e sem reconhecimento do rosto do outro. Precisamos de “honrar” as dívidas, mas antes disso, nos mercados, podem e devem honrar-se as pessoas; de contrário, a vida económica fica triste, e nós tristes com ela. Mas aquele antigo encontro comercial de Abraão e Efrom mostra também que um contrato com pagamento do «preço devido», pode ser – e normalmente é – um instrumento mais idóneo do que o dom para obter coisas importantes de pessoas com quem não temos ainda um relacionamento de dons recíprocos. O dom é bom e, relacional e moralmente superior aos contratos, só se existirem boas razões para o oferecer e para o receber, como nos recorda também Isaías: «Aquele que procede com justiça e fala verdade, que recusa benefícios adquiridos pela violência, o que afasta os que o querem subornar (sacode as mãos para não aceitar presentes)» (33,15). Não havendo boas razões para a gratuidade, os dons são os «presentes» de que fala Isaías, isto é, regalias, os dons sem gratuidade do rei-faraó.

Desde jogos de azar à exploração da terra, o mundo está cheio de lucros «adquiridos com violência» que depois se tornam «presentes». As organizações sem fins lucrativos deveriam recusar, «sacudir as mãos»; mas estas ‘sacudidelas’ são ainda muito raras. Por isso, mesmo para a compra da primeira nesga de terreno-garantia de terra prometida, um contrato pode ser o instrumento adequado, para sepultar com dignidade uma mulher. Ao longo da história, as nossas experiências económicas e sociais mais inovadoras e amigas dos pobres foram sempre – e o são hoje também – um misto de dom e contrato, de gratuidade e obrigatoriedade, de regras monásticas e graça, obrigações e liberdade; contratos que servem dons e dons que servem contratos.

Mas o Génesis sugere ainda que, tal como o dom, o contrato é profundamente ambivalente (não se deve esquecer a ambivalência como indispensável chave de leitura para penetrar nos textos bíblicos – e na vida). Na verdade, três capítulos mais à frente (26, 29-34), descobrimos que o segundo “contrato” de compra e venda do Génesis é aquele em que Jacob/Jacó adquire a primogenitura a Esaú, em troca de um «prato de lentilhas». Mesmo na compra e venda lentilhas-primogenitura a Bíblia considera legítimo o contrato (a primogenitura não voltará a Esaú); mas há aqui uma explícita condenação moral por motivo do preço demasiado baixo: «Esaú comeu e bebeu e depois foi-se embora, sem atribuir nenhuma importância aos direitos de filho mais velho» (26, 34). Abraão apreciara o campo onde iria sepultar a sua esposa e pagou por ele alto preço; contentando-se com muito pouco, Esaú mostrou quão pouco tinha o seu status em consideração. Os preços deveriam indicar valores. Quando o não fazem então são preços falsos; hoje, tal como ontem.

Sempre no mundo se sofreu por causa de preços altos de mais que excluíram da posse de bens consideráveis multidões de pobres. Mas o nosso capitalismo de hoje sofre também por causa de preços baixos demais: matérias-primas ou alimentos pagos a preço inferior ao valor de um «prato de lentilhas», preços que não exprimem valor nem valores, pois são fruto de especulação e de uma visão egoísta e míope que no cálculo da sua formação não consideram o uso futuro dos recursos, pelos nossos filhos e netos; é um futuro que o capitalismo vigente considera valer menos que «um prato de lentilhas».

No termo da estupenda aventura de Abraão, o pai de todos – história que, quando a revivi, me envolveu de amor – a última palavra deve ser para quantos, emigrantes como Abraão e Sara, morreram e morrem em terra estrangeira, mas não têm “siclos de prata” para comprar uma sepultura para as esposas. Foi também para eles que Abraão comprou a sepultura de Macpela, garantia de uma terra sem patrões, a terra prometida.

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 27/04/2014

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

w

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 26/12/2014 da in A árvore da vida, Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , , , , .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 1.562 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione Permanente on WordPress.com
dicembre: 2014
L M M G V S D
« Nov   Gen »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

  • 199,969 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Tag

1-2 Samuele Africa Afrique Ambiente Amore Anthony Bloom Arabia Saudita Arte sacra Bibbia Bible Biblia Boko Haram Book of Genesis Cardinal Newman Carême Chiamate in attesa Chiesa China Chrétiens persécutés Cibo Cina Contemplazione Cristianos perseguidos Cuaresma Curia romana Dal rigattiere di parole Dialogo Diritti umani Economia Enzo Bianchi Eucaristia Europa Famiglia Família Fede France Gabrielle Bossis Genesi Gianfranco Ravasi Giovani Giubileo Gregory of Narek Guerra Guglielmo di Saint-Thierry Gênesis Henri Nouwen Iglesia India Iraq ISIS Islam Jacob José Tolentino Mendonça Kenya La bisaccia del mendicante La Cuaresma con Maurice Zundel La preghiera giorno dopo giorno Laudato si' Le Carême avec Maurice Zundel Lectio Lent LENT with Gregory of Narek Libro del Génesis Magnificat Martin Lutero martiri Matrimonio Maurice Zundel Migranti Misericordia Mission Missione Natale Natale (C) Nigeria P. Cantalamessa Pace Padri del Deserto Pakistan Paolo VI Papa Francesco Papa Francisco Pape François Pedofilia Perdono Persecuted Christians Persecution of Christians Persecuzione dei cristiani Pittura Politica Pope Francis Poveri Povertà Prayers Profughi Quaresima (C) Quaresima con i Padri del Deserto Quaresma Quaresma com Henri Nouwen Raniero Cantalamessa RDC Regola di Vita Rifugiati Sconfinamenti della Missione Silvano Fausti Simone Weil Sinodo Siria Sud Sudan Terrorismo Terrorismo islamico Testimonianza Thomas Merton Tolentino Mendonça Turchia Uganda Vatican Vaticano Venerdì Santo Virgin Mary

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: