COMBONIANUM – Formazione e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

A árvore da vida /15

Reflexões sobre o Gênesis por Luigino Bruni

O perdão é luta abençoada

blessing

Jacob/Jacó descobre um novo nome
e descobre-se como irmão

Naquele dia a alvorada foi mais breve que o normal: o sol surgiu duas horas antes do tempo … E aquele sol prematuramente nascido apresentava uma força admirável: brilhou com o mesmo esplendor que tivera nos seis dias da criação e que voltará a exibir no fim dos tempos”. (Midrash maior do Génesis, LXVIII).

Na Bíblia – diferentemente do que acontece na civilização do consumo – os nomes de pessoas (e lugares) são uma coisa séria. São sempre escolhidos para indicar, simbolicamente, uma vocação ou um destino. E quando, num evento ou encontro extraordinário, o primeiro nome é substituído, o nome passa a ser também um chamamento para uma missão especial e universal. É assim com Sarai e Abrão: depois da Aliança tornam-se Sara e Abraão; e, após a sua luta noturna, Jacob/Jacó passará a ser Israel.

Reconciliado já com Labão, Jacob/Jacó sabe que irá ter o encontro mais difícil: o que o espera com Esaú, o irmão que tinha enganado. Mas ele não sabia que antes de poder reencontrar Esaú, um outro encontro extraordinário o esperava na ribeira de Jaboque  (afluente do Jordão). Depois de vinte anos de exílio, Jacob/Jacó tem medo de voltar à terra do irmão. A benção roubada vinte anos atrás acompanhou-o durante o exílio; teme que Esaú não tenha esquecido o engano. Começa por anunciar a sua chegada: “Jacob/Jacó enviou mensageiros a Esaú” (32,4). Veio a saber, porém, que o irmão avançava para ele com quatrocentos homens e “Jacob/Jacó ficou cheio de medo e muito preocupado” (32,8). Teme Esaú; procurando a reconciliação, envia abundantes presentes ao irmão, para o precederem e prepararem o grande encontro: “duzentas cabras, vinte bodes … dez bois, vinte burras …” (32,15). Esperando: “Se eu mandar à minha frente os presentes para acalmar a sua irritação, quando eu próprio me encontrar com ele talvez ele me faça bom acolhimento” (32,21). São práticas antiquíssimas: as comunidades encontraram-se e reencontraram-se usando presentes como primeiras palavras. A preparação do encontro entre Jacob/Jacó e Esaú é uma das mais antigas histórias que mostram o laço profundo que existe entre o dom e o per-dom. Jacob/Jacó envia dons a Esaú para lhe pedir o dom do perdão. Todo o verdadeiro perdão não é nunca um ato unilateral mas encontro de dons.

Porém, entre a preparação e o encontro com Esaú o escritor sagrado introduz uma nítida descontinuidade narrativa: conduz-nos ao atravessamento noturno de uma ribeira para nos fazer viver um dos episódios mais extraordinários da Bíblia: Jacob/Jacó, o ‘abençoado por engano’, torna-se o ‘abençoado pela luta’. Jacob/Jacó chega a este encontro noturno com uma grande, complexa, dolorosa bagagem humano-divina. Naquele vau, além dos rebanhos, dos bens, da família, Jacob/Jacó leva também a primogenitura, o prato de lentilhas, o furto da benção, as mentiras que disse ao velho pai Isaac (e a JHWH), os enganos que fez e recebeu de Labão; dores que nele coexistem com o sonho da ‘escada’ e do paraíso, os anjos, a promessa, o chamamento, a Aliança renovada. Acompanhemos então Jacob/Jacó até ao Jaboque, sigamo-lo naquela noite como se fosse a primeira vez que lemos este episódio (só a primeira leitura da Bíblia é fecunda) e combatamos a seu lado.

Durante essa noite, Jacob/Jacó levantou-se para atravessar a ribeira de Jaboque, levando consigo as suas duas mulheres, as duas escravas e os seus onze filhos. … Jacob/Jacó ficou para trás sozinho e um desconhecido pôs-se a lutar com ele até de madrugada” (32,23-25). Um homem (“ish”) enfrentou-o enquanto atravessava a vau. Desconhecemos o motivo deste facto que é apresentado como uma verdadeira emboscada. O homem parece ser um habitante da noite que deve terminar a luta “ao nascer da aurora”. O combate é longo e o misterioso homem não consegue levar a melhor sobre Jacob/Jacó – várias vezes o Génesis mostra Jacob/Jacó dotado de força extraordinária (cf. 29,10) – e, para o enfraquecer, feriu-o ‘abaixo da cintura’, na “cavidade da anca”, fazendo-a deslocar; mas não o venceu (32,26). O adversário pede a Jacob/Jacó: “Deixa-me ir embora que já é de manhã” (32,27). É nesta altura do diálogo-luta que Jacob/Jacó volta a ser mendigo de bençãos: “Não te deixo ir embora sem primeiro me abençoares” (32,27). O combatente pergunta: “Como te chamas?”. “Jacob/Jacó”. “Desde agora em diante o teu nome não será Jacob/Jacó, mas sim Israel, porque lutaste contra Deus e contra os homens e saíste vencedor” (32,29). Também Jacob/Jacó pergunta o nome ao lutador; como resposta obtém a benção que pedira: “‘Que interesse tens tu em saber qual é o meu nome? E abençoou-o” (32,30). Na verdade o nome do lutador misterioso já lhe fora revelado: “porque lutaste contra Deus e contra os homens”. O seu adversário era um homem, e era Elohim. Jacob/Jacó foi abençoado e ferido pela mesma (P)pessoa. Estamos perante uma grande metáfora da fé (a fé bíblica, não a dos vendedores de consumos emocionais e psíquicos): a fé é experiência que só ferindo nos abençoa. Ícone notável dos relacionamentos humanos verdadeiros, esta luta (o adversário era também um homem); nela a benção da alteridade é-nos dada quando nos expomos à possibilidade da ferida. Esta luta é ainda uma poderosa imagem das relações humanas na atual sociedade de mercado, nas empresas e organizações, onde se está a perder a benção do outro porque se tem medo da ferida que ele pode provocar. Entrou-se, assim, numa carestia de bençãos, de felicidade.

Coxeando, “Jacob/Jacó levantou os olhos e viu que Esaú estava a aproximar-se. … inclinou-se até ao chão sete vezes”. Mas “Esaú correu ao seu encontro e, atirando-se-lhe ao pescoço, abraçou-o e beijou-o e ambos choravam de alegria” (33,1;3-4). Pode recorrer-se a processos intermináveis, podem vencer-se inúmeras causas mas a verdadeira reconciliação apenas se obtém quando se consegue ‘chorar juntos’. Quem tenha sofrido uma ofensa grave, sobretudo se da parte de familiares ou pessoas amadas, sabe que aquela dor não poderá ser compensada por qualquer pena ou indemnização a receber: a única cura eficaz para tal ferida é a reconciliação, o abraço. Quando não se chega a ‘chorar juntos’, a desproporção entre o sofrimento e a compensação é grande demais; e as feridas mantêm-se abertas, não param de sangrar. As lágrimas derramadas por terem assassinado os nossos caros, pelas injustiças profundas de que se foi vítima, pelas calúnias, porque nos roubaram a benção, apenas poderão ser enxugadas se se misturarem num abraço com as lágrimas de quem as provocou. Bem sabemos, também, que tudo isto é muito difícil; mas sobretudo sabemos que não há outra alternativa para curar as feridas de relações primárias da nossa vida – os processos penais e civis deveriam favorecer a possibilidade destes abraços.

Uma pergunta – entre muitas mais – fica em aberto: porque é que Deus enfrentou e lutou com Jacob/Jacó se ele se encaminhava para recompor a fraternidade? Porque se intro-meteu entre Jacob/Jacó e a Sua promessa? Nesta luta podemos descobrir uma das leis mais profundas e menos exploradas da natureza humana. Num momento decisivo da vida, quem luta com o justo é a sua justiça; com o fundador é a sua obra; com o carismático é o seu carisma; com o poeta é a sua poesia; com o empresário é a sua empresa. E não por perversão ou por maldade intrínseca da vida ou quiçá de Deus, mas porque, quando alguém que recebeu uma vocação e a ela respondeu atinge o ápice moral da sua existência, inevitavelmente se depara com a ‘etapa do nome novo’. Tem que lutar com o que tinha sido a sua primeira missão e a sua benção para, depois da ferida da luta, poder receber outras mais verdadeiras. Jaboque e Jacob/Jacó são nomes que em hebraico têm pronúncia idêntica, quase anagrama um do outro. Durante tais combates, o principal adversário-lutador é precisamente o que de mais belo e maior a vida tem, aquilo que dentro não quer ‘morrer’; e luta e fere: deus contra deum. Mas só quando se passa este ‘vau’ se levanta verdadeiramente voo para o infinito: Raimundo Maximiliano Kolbe torna-se o Padre Kolb e o é para sempre.

No fim da luta, ‘Israel’ recebe a benção de ‘Jacob/Jacó’; – compreende-se e sente-se que a vida-missão de ontem não era um inimigo a combater, mas um amigo que nos abraça e abençoa; e que com aquela ferida nos abriu acesso à parte mais profunda e melhor de nós. Até àquele atravessamento noturno, a benção de Jacob/Jacó era a que tinha roubado ao irmão. Agora que recebeu uma nova benção que é só dele, que para sempre ficará inscrita na sua carne – de acordo com uma tradição rabínica Jacob/Jacó ficou coxo para o resto da vida – agora, pode também ele abençoar Esaú: “aceita, peço-te, a minha benção” (33,11). Fecha-se o círculo. Nós também, como Jacob/Jacó, somos mendigos de bençãos. Mas hoje corremos o risco de perder a capacidade espiritual de compreender que as grandes bençãos se escondem dentro das feridas feitas na carne das nossas relações. “Jacob/Jacó chegou são e salvo à cidade de Siquém, na terra de Canaã” (33,18).

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 25/05/2014

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 09/01/2015 da in A árvore da vida, Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 298.686 visite
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 576 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
p.mjoao@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: