COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

A árvore da vida /16

Reflexões sobre o Gênesis por Luigino Bruni.

Porque não acaba o mundo:

A violação de Dina. A vingança leva ao desastre, o agradecimento pacifica.

“Um deles, quando viu que estava curado, voltou, glorificando a Deus em voz alta. Ajoelhou-se aos pés de Jesus, curvando-se até ao chão em agradecimento. E este era samaritano. Então Jesus perguntou: «Não eram dez os que foram curados? Onde estão os outros nove?»“ (Evangelho de Lucas, 17,15-17)

A violação de DinaPerante a história de Dina há só que ficar em silêncio: “Dina, filha de Jacob/Jacó e Lia, saiu um dia do acampamento para ir visitar as mulheres daquela terra. Siquém, descendente de Hamor, o hiveu, chefe daquela terra, viu-a e levou-a consigo para dormir com ela, violentando-a” (34,1).

Ao reviver os tristes acontecimentos deste capítulo do Génesis dá vontade de passar à frente o capítulo inteiro e procurar outras histórias. Mas iremos atravessar também estas desoladoras páginas da condição humana. Também elas são frequentes e ordinárias na história; e, nas entrelinhas, podem esconder mensagens de vida. Grande parte do trabalho para descobrir algumas verdades da condição humana – qualquer que seja a perspetiva que se tenha – está em tentar conciliar Adam e Caim, Noé e Lameque, Sara e Agar; o abraço entre Esaú e Jacob/Jacó; Dina, os raptores e a vingança dos seus irmãos. Ao ler a Bíblia é frequente a tentação de olhar apenas para as páginas luminosas, deixando de lado as negras – tentação fatal! Quando se cai neste erro acaba-se por fazer leituras ideológicas; uma parte torna-se o todo, perdendo-se então de vista a mestiça realidade do humano, que é a mais verdadeira. O autêntico humanismo bíblico não é uma recolha de ‘best practices’; é um olhar de amor e salvação sobre a humanidade inteira. Para afirmar o primado do Adam sobre Caim e a vitória da bênção sobre o mal, não esconde a parte escura da condição humana. Afirma-o olhando bem de frente para a nossa alma e para o nosso corpo; mostra assim que o mal, apresentado na sua força devastadora, não é nem a última nem a primeira palavra nossa.

Dina, a única filha de Jacob/Jacó, deixou um dia o acampamento e as tendas da mãe “para ir visitar as meninas daquela terra”. Segundo a tradição, era muito jovem, talvez ainda menina (Génesis 30,21 e 31,41; o Livro dos Jubileus [30,2] indica 12 anos): foi à procura de amigas. Hoje também, em lugares de guerra e conflito, as crianças passam barricadas e fronteiras visíveis e invisíveis traçadas pelos adultos; ultrapassam-nas, imprudentes e curiosas da vida, à procura de companheiros, de brincadeiras e aventuras. Mas – ontem como hoje – a pureza dos meninos e meninas pode deparar-se com a maldade e os delitos dos adultos; e isso acontece com frequência. Sobretudo as meninas, as jovens, como Dina, são sempre vulneráveis e correm riscos nas suas brincadeiras ou quando a curiosidade as faz sair de casa. Há milénios que nos esforçamos, mas ainda não conseguimos que as brincadeiras e as saídas da tenda das meninas sejam como as dos seus irmãos rapazes: basta que haja um só Siquém na cidade, ou que essa possibilidade exista, para que uma menina não possa sair quando quiser “a procurar amigas” e para que as suas liberdades e oportunidades sejam menores que as dos irmãos. A civilização de um povo é também medida pela sua capacidade de criar condições culturais e institucionais que tornem as ‘caminhadas de Dina’ cada vez mais possíveis e seguras.

Depois do rapto e da violação, a comunidade dos hiveus (cananeus) pede a Jacob/Jacó e seus filhos que o violador Siquém possa casar com Dina (um “matrimónio reparador”) com a oferta de abundante dote e prenda de casamento: “podem pedir até uma quantia mais elevada do que é costume dar-se e presentes especiais” (34,12). Mas Simeão e Levi, dois dos irmãos de Dina, quando a negociação parecia já chegar a bom porto, “agarraram cada um uma espada, entraram tranquilamente na cidade e mataram todos os homens” (34,25). É frequente na literatura antiga encontrar a imagem da guerra desencadeada pelo rapto de uma mulher (Helena, as Sabinas, …). Mas neste caso a guerra e a violência substituem as alianças pacíficas e boas com os povos cananeus que por várias vezes encontrámos nos ciclos de Abraão e de Isaac. Jacob/Jacó, ele também homem da Aliança, das alianças e dos pactos – e que de forma misteriosa e ambígua permanece muito em segundo plano neste episódio de Dina –  diz aos filhos: “Vocês arruinaram-me. Fizeram com que os habitantes deste país passem a odiar-me” (35,30). Ele não pode aprovar aquela conclusão homicida que inesperadamente fez voltar o povo da promessa às violências anteriores ao arco-íris de Noé.

Com o regresso de Dina à sua família, o Génesis retoma a história de Jacob/Jacó, das suas epifanias e do seu caminho. De facto, Eloim voltou a falar-lhe: “Sai daqui, vai viver para Betel e constrói lá um altar ao Deus que te apareceu quando ias a fugir do teu irmão Esaú” (35,1). Em Betel, na fuga para casa de Labão, tinha recebido em sonho uma vocação pessoal (28,13), tinha visto a escada do céu; iniciara-se alí a sua verdadeira história. Jacob/Jacó-Israel regressa a Betel certamente mais rico do que quando lá tinha passado pela primeira vez: tem agora uma descendência numerosa, muitos bens, está reconciliado com Esaú; sobretudo tem um nome novo e a grande bênção do Jaboque. Surge então o seu reconhecimento pelas bênçãos recebidas ao longo de mais de vinte anos em que seguiu aquela primeira voz: “vamos sair daqui e dirigir-nos para Betel. Quero construir lá um altar ao Deus que me ajudou, quando eu estava em aflição, e que sempre me acompanhou por onde tenho andado” (35,3). A gratidão, qualquer verdadeira gratidão, é expressão de gratuidade  (têm a mesma raíz grega, charis). A mais preciosa é mesmo a gratidão que ‘se vira para trás’, não a que ‘olha para a frente’. Em muitos sentimentos e paixões humanos não é bom olhar para trás (como no caso da mulher de Lot que tê-lo feito foi transformada numa coluna de sal: 19,26). A gratidão é a exceção desta regra; é mais genuina e eficaz quando nasce de olhar de novo para trás, sem preocupação pelo futuro. Pode-se agradecer com ofertas e ‘altares’, um cliente ou fornecedor; como bons empresários, olhando para a frente, sabemos bem que agradecer é um ótimo investimento para o bom andamento das relações comerciais. Não há mal nenhum nisso, pelo contrário. Mas é diferente – mais elevado e mais puro – o agradecimento de quem o pronuncia como se o mundo terminasse com aquele ‘obrigado’. Esta gratidão que olha para trás é toda graça-gratuidade; por isso vale muitíssimo: a sua única razão de ser está toda ela no próprio relacionamento. Vivem-na, por exemplo, os que praticam a arte de ‘fechar os círculos dos relacionamentos’: após um encontro ou um evento (que não terá seguimento) escrevem às pessoas simplesmente para agradecer. Pela mesma razão a gratidão maior é a que se exprime para com os pobres e os pequenos, não para com os poderosos (que acham que nunca recebem agradecimentos bastantes). Pensando bem, é esta gratidão, sobretudo, que exprimimos quando vamos ao funeral de um amigo ou às bodas de ouro dos nossos pais. É a gratidão que exprimimos aos colegas nas festas de despedida quando se reformam (bastaria esta dimensão para as valorizar, nas empresas); mas também para com artistas e filósofos de outros tempos, ou os santos (a santidade pode também ser lida como grande expressão de gratidão coletiva: olhando para o que foi a vida de uma pessoa, todos são ajudados a olhar para a frente e para o alto). É esta a gratidão que declaramos – e reciprocamente nos declaramos – à nossa esposa no leito de morte, quando num instante e num ponto se concentram as dores e a beleza do universo. Esta ‘gratidão que olha para trás’ não informa todos os agradecimentos importantes da nossa vida; mas quando ela falta também os outros agradecimentos perdem profundidade e valor.

O regresso a Betel recorda ainda que, ao longo do caminho de uma vocação individual ou coletiva autêntica, é preciso de vez em quando repetir a ‘peregrinação de Jacob/Jacó’; pôr-se de novo a caminho para o lugar da primeira vocação. Tais peregrinações são sempre úteis, mas são indispensáveis para pessoas e comunidades nascidas da escuta de uma ‘voz’ e que acreditaram numa ‘promessa’; incluindo aquele especial tipo de comunidade que são as empresas. Repetir a ‘peregrinação’ de Jacob/Jacó é preciosíssimo em momentos de crise, quando se viveu um conflito ou uma ‘guerra’ recente. Partir em direção a um ‘altar’ torna-se um bom e eficaz meio para recomeçar, para reencontrar os fundamentos éticos e espirituais de um relacionamento, de uma comunidade, de nós mesmos. Partir juntos, recolhendo antes ou pelo caminho os motivos para agradecer e nos agradecermos. Depois da sua triste história Dina desaparece da Bíblia. Mas Dina está ainda viva em tantas mulheres, jovens e meninas (e meninos) raptadas e violentadas, ontem, hoje, amanhã, na Itália, na Índia, por todo o lado. Se a Bíblia quis apresentar-nos a única filha dos três patriarcas como uma menina raptada e abusada, é porque também esta dor absurda é vista por Deus, que continua a sofrer sempre que alguma das irmãs de Dina verte as mesmas lágrimas que para sempre recolhe no seu “odre” (Salmo 51). “Jacob/Jacó chegou com todos os seus … a Betel. Lá edificou um altar” (35,6).

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 01/06/2014

 

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 13/01/2015 da in A árvore da vida, Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 657.274 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 767 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stato una pubblicazione interna di condivisione sul carisma di Comboni. Assegnando questo nome al blog, ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e patrimonio carismatico.
Il sottotitolo Spiritualità e Missione vuole precisare l’obiettivo del blog: promuovere una spiritualità missionaria.

Combonianum was an internal publication of sharing on Comboni’s charism. By assigning this name to the blog, I wanted to revive this title, rich in history and charismatic heritage.
The subtitle
Spirituality and Mission wants to specify the goal of the blog: to promote a missionary spirituality.

Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
I miei interessi: tematiche missionarie, spiritualità (ho lavorato nella formazione) e temi biblici (ho fatto teologia biblica alla PUG di Roma)

I am a Comboni missionary with ALS. I opened and continue to curate this blog (through the eye pointer), animated by the desire to stay in touch with the life of the world and of the Church, and thus continue my small service to the mission.
My interests: missionary themes, spirituality (I was in charge of formation) and biblical themes (I studied biblical theology at the PUG in Rome)

Manuel João Pereira Correia combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: