COMBONIANUM – Formazione e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

A árvore da vida /19

Reflexões sobre o Gênesis por Luigino Bruni.

A Palavra transforma o mundo:

O valor do homem, a dignidade de cada mulher.

Prosseguiram viagem até Efrat, onde está sepultada Raquel. José correu para a sepultura da mãe e lançou-se em cima dela, abatido, mais de quanto se possa descrever: ‘Mãe, mãe, tu que me geraste, levanta-te, vá! Volta à vida para ver o teu infeliz filho vendido como escravo e abandonado … Acorda, mãe, vela pelo meu pai que neste dia está comigo com toda a alma e com todo o coração; fica a seu lado e conforta-o’” (Louis Ginzberg, As lendas dos hebreus).

19 Judá e Tamar

A palavra lucro (bèça) aparece pela primeira vez na Bíblia aquando da venda de um irmão: “Que lucro temos nós em matar o nosso irmão?” (37,26). Depois de terem lançado José na cisterna, os irmãos concordaram com Judá e “venderam-no por vinte moedas de prata” (37, 28) a uma caravana de mercadores.

Era o preço de um escravo ou de um par de sandálias, vinte vezes menos do que Abraão pagou aos Hititas pela sepultura de Sara. Foi assim que José, o irmão mais novo, foi vendido como escravo aos Ismaelitas, descendentes do filho de Abraão e Agar, o rapaz que Sara recusou e foi, ele também, exilado para o deserto. O dinheiro e o lucro apresentam-se estreitamente ligados à morte. Entram em cena como meio para evitá-la; mas na realidade continuam a estar muito perto dela. As grandes civilizações sabiam muito bem que o território do lucro, de um lado confina com o do amor e da vida, mas do outro confina com o território da morte e do pecado; e que as marcas de fronteira são móveis e os atravessamentos de um para outro lado muito fáceis e frequentes. A nossa civilização é que, pela primeira vez, no seu conjunto se esqueceu de que existe a fronteira sinistra da terra do lucro; esqueceu, então, que “a recompensa do justo é a vida; a paga do homem mau é o pecado” (Provérbios, 10,16). Ontem, como hoje, existiram mercadores que compram e vendem apenas “resinas, bálsamos e unguentos” (37,25); mas outros há, muitas vezes misturados nas mesmas praças, que para além de mercadorias compram e vendem ‘irmãos’, por vinte moedas ou menos.

Quando a caravana de comerciantes de mercadorias e meninos se voltou a pôr em marcha para o Egito, “os irmãos pegaram na capa de José, mataram um cabrito, mancharam-na com o sangue desse cabrito e enviaram-na ao pai. … Jacob reconheceu-a e exclamou: ‘é realmente a capa do meu filho! Foi uma fera que destroçou e devorou José!” (37,31-33). É uma das mais intensas passagens do Génesis: “Jacob rasgou as suas roupas, cobriu-se de tecido grosseiro em sinal de tristeza e guardou o luto durante muito tempo pelo filho. … E disse: ‘Quero continuar de luto até descer ao sepulcro [shèol] para ir ter com o meu filho’” (37,31-35). São versículos de imensa beleza e humanidade que tornam eterno e sagrado este tipo especial de dor; a dor de um pai que perde um filho. Diferentemente da orfandade e da viuvez, não existe uma palavra específica para definir essa situação, talvez por ela ser indizível. Que mais não seja para fazer justiça a estas dores sem nome, para de novo tornar imaculadas as vestes longas e multicolores dos filhos, o paraíso deve existir.

Seguidamente, “Judá separou-se dos seus irmãos” (38,1), e – talvez para estar longe da capa e do sangue – aventurou-se até à terra dos Cananeus onde, com a sua nora Tamar, se tornou protagonista de uma das mais belas histórias do Génesis. Tamar, cananeia, ficou viúva depois de ter casado com Er, o filho mais velho de Judá. Pela chamada lei do levirato, Judá pede ao seu segundo filho Onan para dar descendência a Tamar. Mas também Onan morreu, depois de se ter recusado a cumprir o seu dever para com Tamar (38,6-9). Insinua-se então em Judá o pensamento de que possa ser Tamar a causa da morte dos seus dois filhos (38,11). Em muitas culturas antigas – e ainda hoje em algumas regiões da Índia e da África assim é – era comum acreditar-se que as viúvas trazem má sorte e maldição; eram por isso discriminadas e maltratadas. Disse-lhe, então: “Volta para casa de teu pai como viúva, até que o meu filho Chela cresça” (38,11).

Passou o tempo, Chela cresceu, mas Judá não manteve a sua palavra e não respeitou a lei do levirato; Tamar continuou só e sem filhos. É então que se dá o golpe de cena. Tamar veio a saber que Judá, cuja tribo vivia longe, iria passar pela sua região. Tirou o traje de viúva (38,14), cobriu o rosto com um véu para não ser reconhecida pelo sogro, e ficou à espera dele numa encruzilhada do caminho. “Judá viu-a e pensou que se tratava de uma prostituta” (38,15); como preço prometeu a Tamar mandar-lhe um cabrito. Mas a nora para dar-se a Judá pediu uma garantia: “O teu anel de selar mais o cordão e o cajado que trazes na mão” (38,18), o ‘bilhete de identidade’ dos senhores daquela região. Tamar fica grávida. E quando Judá três meses mais tarde veio a saber que sua nora esperava uma criança (que na verdade viriam a ser dois gémeos, Peres e Zera: 38,29-30), condenou-a à morte. Enquanto a levavam à fogueira, Tamar leva a cabo o seu plano: “Eu estou grávida do homem a quem pertencem estas coisas [anel de selar, o cordão e o cajado]” (38,25). “Judá reconheceu que eram seus e disse: ‘Ela é que tem razão e não eu, pois eu devia ter-lhe dado o meu filho Chela em casamento e não o fiz’” (38,26). Com este último ato de responsabilidade Judá resgatou-se também a si mesmo: teria podido exercitar o poder de homem e chefe de clã para desmentir Tamar, uma mulher indefesa. Não o fez; pelo menos neste ato foi homem justo.

Termina assim a história de Tamar. A sua conclusão permite-nos compreender bem de que lado está o Génesis: da parte de Tamar, que nos é apresentada como figura positiva e justa (“Ela é que tem razão e não eu”), com traços semelhantes às grandes figuras femininas da Bíblia (Judite, Rute). Se suspendermos a leitura moralista destes episódios (e precisamos de o fazer sempre, se é que queremos ter alguma ‘inteligência das escrituras’), na história de Tamar podemos descobrir muitas mensagens de vida. Para começar, criticando Judá e aplaudindo Tamar, o Génesis recorda-nos que existem uma prudência errada e transgressões salvíficas. Por medo de que pudesse morrer também o terceiro filho (“o que Judá na realidade pensava era evitar que ele morresse também como os irmãos”: 38,11), Judá não serve a vida e nega a descendência à sua nora e à sua família. Esta prudência que não corre riscos é muitas vezes inimiga da vida e do futuro; não é virtude, mas sim vício e pecado. Na história de Judá e Tamar reaparece assim com força um contraponto que acompanha todo o concerto bíblico: a predileção e o resgate dos últimos e dos mais pequenos. Apenas pondo junto à ‘voz’ dos patriarcas, dos reis e da Lei, a ‘voz’ dos humildes, a bíblia pode ressoar em toda a sua beleza e salvação. A leitura mais profícua e verdadeira da Palavra de Deus, então, é a que nos leva a desmontar as ordens e hierarquias do nosso tempo humano; é a que exalta os humildes e humilha os poderosos, a que nos sacode e faz saltar até mesmo as nossas mais entranhadas convicções éticas sobre moralidade, pecado, culpa e inocência. Sem a presença da humanidade ferida e até pecadora, a Bíblia seria um livro que nenhuma utilidade teria para homens e mulheres reais. Mas neste episódio do Génesis podemos encontrar, escondida mas não invisível, ainda uma outra mensagem, esta dirigida sobretudo a homens e poderosos: ‘as mulheres que são procuradas nas ‘encruzilhadas dos caminhos’ e que, como aconteceu com Judá, ‘são vistas como prostitutas’ podem ser pessoas da vossa casa. E são-no realmente. Não as reconheceis, considerai-las estranhas e sem rosto, mas Elohim vê para além do véu; e há de chegar o dia de justiça no qual tereis que prestar contas dos ‘anéis de selar’ que lhes entregastes como garantia’.

É preciso estar grato ao autor destas narrativas e a quem, pagando caro preço, as conservou ao longo de milénios por terem tido a coragem de nos contar toda a humanidade nua e ferida, sem censuras e pudores. E se toda a humanidade é oferecida, então todo o ser humano poderá encontrar nestes textos uma via de resgate e de salvação; ontem, hoje e sempre.

Só assumindo esta lógica ‘virada do avesso’ não se fica estupefacto ao ler na genealogia de Jesus de Nazaré: “Abraão foi pai de Isaac, Isaac foi pai de Jacob, Jacob foi pai de Judá e seus irmãos. Judá foi pai de Peres e de Zera, sendo a mãe Tamar” (Mat. 1,2). É verdade: entre Abraão e Jesus está Tamar e está Judá. Na encruzilhada junto à fonte, então, Tamar não encontrou apenas o sogro; ela não sabia, mas o verdadeiro encontro era outro; e que para sempre a engastou, como pérola rara, na grande história da salvação.

Não se vende um irmão por vinte moedas; não se manda ao pai a capa comprida e multicolor do filho manchada com o sangue de um cabrito; não se humilha e abandona a nora-viúva. Mas enquanto houver alguém que continua a praticar estes delitos e a gerar vítimas, existirá no mundo pelo menos um ‘lugar’ (a Bíblia) onde podemos reconhecer-nos, sentir-nos acompanhados, amados, consolados, seguros pela mão, levantados do chão; mesmo nas situações mais dramáticas e escuras da existência, nossa e dos outros. E encontrar, depois, a força para recomeçar o caminho, para não morrer e não fazer morrer, para esperar verdadeiramente numa terra prometida, numa ressurreição, no paraíso de Abel, Ismael, Agar, Dina, José, e Tamar. “José tinha sido levado para o Egito. Potifar … tinha-o comprado aos ismaelitas” (39,1).

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 22/06/2014

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 23/01/2015 da in A árvore da vida, Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 298.686 visite
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 576 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
p.mjoao@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: