COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

O papa Francisco depois do “caso dos coelhos”

O papa Francisco depois do “caso dos coelhos”:
há motivos para o alvoroço entre os católicos?

Filhos

Para vários católicos, a imagem do papa Francisco sofreu certa “deflação” na semana passada. Foi a semana do “eu fiquei devastado com o que este papa disse”. Algumas pessoas “ficaram devastadas” porque o Santo Padre fez uma explícita e vigorosa defesa da doutrina da Igreja que rejeita a contracepção artificial. Aqui nos Estados Unidos, este foi o caso da popular escritora e colunista Margery Eagan, que escreveu no site Crux: “O papa Francisco fez com que eu me sentisse uma tola por ter esperado que, com ele, a Igreja fosse acabar com a proibição completamente indefensável da contracepção”.

Já para os cristãos que acreditam que é justamente o uso generalizado da contracepção artificial que é indefensável, o momento “fiquei devastado com o que este papa disse” veio um pouco mais tarde. Na entrevista coletiva durante o voo de volta de Manila, o papa pronunciou as palavras fatídicas: “Alguns acham que, para ser bons católicos, precisam ser como coelhos. Não! Paternidade responsável!”. E ele destacou um caso em particular. “Faz alguns meses, numa paróquia, eu repreendi uma mulher que estava grávida do oitavo filho, depois de passar por sete cesarianas. Mas você quer deixar os sete órfãos? Isso é tentar a Deus!”.

Para os católicos como eu, que compartilho com entusiasmo as novidades de cada viagem com os meus nove filhos (o último dos quais nasceu num contexto de muitas dificuldades médicas), essas palavras do papa foram bem difíceis de digerir. Vínhamos acompanhando encantados as palavras doces com que ele tem defendido o casamento tradicional e a abertura à vida, e, de repente, foi como se, no meio dessa doçura toda, fôssemos surpreendidos por uma mordida seca.

O conselho que eu dou aos meus filhos se aplica neste momento a mim mesmo: “Não se sinta machucado pela maneira de alguém dizer alguma coisa; entenda, por trás do tom, o conteúdo das palavras e veja se elas estão dizendo algo verdadeiro”. E o conteúdo das palavras do papa é verdadeiro. O planejamento familiar natural pode e deve ser usado para limitar o tamanho da família quando existe uma razão séria para isso. Mas o tom utilizado na declaração me pareceu equivocado. Os católicos do Ocidente relutam muito em ter filhos; a comparação com os coelhos pode piorar a situação.

Para seu grande crédito, o papa esclareceu a sua posição já na primeira oportunidade, elogiando as famílias numerosas. Mas o estrago estava feito. O “sentimento de encanto” tinha passado. E se o Facebook servir como indicativo, muitas famílias católicas numerosas estão bem menos encantadas com o papa Francisco depois do “caso dos coelhos”.

Acontece que isso, talvez, seja uma coisa boa! O próprio papa Francisco já falou do quanto se sente desconfortável com a visão idealizada que muita gente tem dele: “Se eu não estou enganado, Sigmund Freud disse que em toda idealização existe uma agressão”, declarou Francisco, explicando que representar o papa como uma espécie de super-homem ou um tipo de astro é irreal. “O papa é um homem que ri, que chora, que dorme serenamente e que tem amigos, como todo mundo. Uma pessoa normal”, disse ele. E isso também é verdade.

Na leitura do Evangelho deste último domingo, quando Jesus chama os primeiros apóstolos, incluindo Pedro, o primeiro papa, ele escolhe homens que são não “impressionantes” para os padrões do mundo. Deus sempre faz isso. Ele quer que não reste nenhuma dúvida sobre isso: Ele chama homens em conflito, como Moisés; homens assustados, como Jonas; homens inconstantes, como Pedro. São homens que nunca poderiam salvar o mundo. Só Deus pode. E salva. No entanto, Deus escolhe agir através de homens e mulheres normais, cheios de virtudes e defeitos.

Eu me lembro do papa João Paulo II quando se aproximava o Grande Jubileu do Ano 2000. Ele deixava em destaque o vigor e a força da fé. A grande mídia, naturalmente, escrevia artigos sobre o quanto o rebanho da Igreja era dividido e infiel e o quanto o papa, já idoso, estava frágil e fraco. E, nisto, a mídia estava absolutamente certa.

O Wall Street Journal levou em conta esse panorama ao publicar um artigo sobre quem poderia ser o próximo papa e afirmou algo muito correto: era necessário um homem com “uma personalidade capaz de conquistar a imaginação do mundo”. Na época, aquilo me pareceu muito estranho (e extremamente perigoso) como pré-requisito para o servo dos servos de Deus.

E, apesar de João Paulo II ser o grande responsável pela expectativa contemporânea de que todo papa tem que ser uma figura carismática e midiática, eu acho que ele também fez o melhor que pôde para aplicar um golpe mortal contra o culto de celebridade que se prestava ao papado. Por que, afinal, ele continuaria aparecendo em público durante tanto tempo depois de ter-se tornado um idoso frágil, inchado, curvado, que babava e sofria para balbuciar as palavras? Era a maneira dele de dizer: “Eu não sou o super-homem da Igreja; eu não tenho uma imagem cuidadosamente planejada e encenada. Eu sou apenas um padre polonês que não seria nada se não fosse pela graça de Deus”.

O papa Bento XVI disse a mesma coisa ao decidir se retirar mais cedo, especialmente da forma como o fez. Ele passou a mensagem de João Batista: “Ele deve crescer; eu, diminuir”. É a personalidade de Cristo quem tem de captar a imaginação do mundo, e não a do bispo de Roma.

Voltando ao assunto inicial, sim, eu fiquei desapontado com o “caso do coelho” do papa Francisco. Mas a “gafe” de Francisco só mostra que o papado é maior do que as sensibilidades de um único homem. É o papado que ressalta a verdade sobre a contracepção, apesar de um mundo hostil que zomba de nós por acreditarmos nessa verdade. Eu não sei se Jorge Bergoglio gosta de famílias numerosas ou não, mas sei que aquilo que o papa Francisco ensina sobre a família se baseia na Escritura e na Tradição.

Ao se dirigir às famílias numerosas cerca de um mês atrás, o Santo Padre disse: “Em um mundo muitas vezes marcado pelo egoísmo, a presença de famílias numerosas é uma esperança para a sociedade”.

Se, depois do “caso dos coelhos”, você acha que a imagem de Francisco sofreu um baque, paciência. O fato é que, através dele, Jesus Cristo ainda reina.

Dwight Longenecker

http://www.aleteia.org/pt/

 

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 28/01/2015 da in Atualidade eclesial, PORTUGUÊS con tag , , , .

  • 542.630 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 931 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stato una pubblicazione interna di condivisione sul carisma di Comboni. Assegnando questo nome al blog, ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e patrimonio carismatico.
Il sottotitolo Spiritualità e Missione vuole precisare l’obiettivo del blog: promuovere una spiritualità missionaria.

Combonianum was an internal publication of sharing on Comboni’s charism. By assigning this name to the blog, I wanted to revive this title, rich in history and charismatic heritage.
The subtitle
Spirituality and Mission wants to specify the goal of the blog: to promote a missionary spirituality.

Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
I miei interessi: tematiche missionarie, spiritualità (ho lavorato nella formazione) e temi biblici (ho fatto teologia biblica alla PUG di Roma)

I am a Comboni missionary with ALS. I opened and continue to curate this blog (through the eye pointer), animated by the desire to stay in touch with the life of the world and of the Church, and thus continue my small service to the mission.
My interests: missionary themes, spirituality (I was in charge of formation) and biblical themes (I studied biblical theology at the PUG in Rome)

Manuel João Pereira Correia combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: