COMBONIANUM – Formazione e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

A árvore da vida /25

Reflexões sobre o Gênesis por Luigino Bruni.

No final da noite e para além dela.
O dom do Génesis e um voto:
sonhar de novo Deus.

Assim lhes falou José e todos riram e choraram juntos e estenderam para ele as mãos e tocaram-no, e José também, estendendo as suas, os acariciou. E assim termina a linda história inventada por Deus de José e os seus irmãos.” (Thomas Mann, José e seus irmãos)

25 Morte-di-Giacobbe ”Em que é que se ocupam?”, perguntou o faraó aos irmãos de José. “Nós somos pastores de ovelhas”, responderam (47,3). A pergunta sobre a profissão é a primeira na vida de um adulto. Quando não se sabe responder a essa primeira pergunta, quem sofre é o nosso lugar no mundo e não apenas o posto de trabalho. A profissão é a sintaxe com que se compõe o nosso discurso social.

Por isso, quando a um jovem não se oferece uma profissão (que, antes de ser talento e trabalho, é um dom: a profissão aprende-se de alguém), ficam a faltar-lhe palavras para falar de si, aos outros e a si mesmo. A grave indigência de postos de trabalho da nossa época é também consequência de uma profunda crise de profissões. Os que foram criados pela cultura artesanal, marinheira e agrícola, de profissões, da fábrica e dos escritórios, estão a contrair-se rapidamente; muitos desapareceram. E, na presente carestia de promessas e de sonhos, nós não conseguimos criar quantos bastem.

Jacob viveu dezassete anos no Egito e chegou aos cento e quarenta e sete anos de idade” (47,28). Sentindo que a morte estava próxima, relê e recapitula a sua longa vida: “O Deus supremo apareceu-me em Luz, na terra de Canaã, e abençoou-me, dizendo: ‘Eu vou fazer com que a tua família cresça e se torne muito numerosa, …’. Quando eu voltava da Mesopotâmia, morreu a minha esposa Raquel, já na terra de Canaã … . Eu sepultei-a ali mesmo, junto ao caminho para Efrata, isto é, Belém” (48,3-7). A vocação, a voz e Raquel. A Aliança, a promessa, as lutas, os abraços, a fidelidade. Os habitantes desta história são as pessoas amadas, os lugares, Deus; todos sempre presentes, todos sempre protagonistas. Quando se tem a graça de estar consciente nos últimos preciosos momentos da vida (é uma graça autêntica), revivem em nós os rostos e os lugares dos amores e das dores, das boas escolhas que fizemos e dos encontros a que faltámos nas encruzilhadas decisivas; e não é raro que o último olhar para um rosto ou lugar seja o da plena reconciliação com a vida, com o qual se arranca a última bênção ao anjo da morte. Somos tempo e somos espaço, que no fim se dissolvem um no outro: Raquel e Belém, El Shaddày e Luz, Paola e o liceu G. Leopardi onde nos encontrámos: todos voltam a estar vivos e dizem connosco as nossas últimas-primeiras palavras.

Depois Jacob pôs as mãos na cabeça dos netos Manassés e Efraim e abençoou-os com palavras de céu (48,15-16). Chamou então os filhos e disse: “Venham ouvir, ó filhos de Jacob” (49,1-2). Pronuncia então para cada filho palavras últimas, “ao dar a cada um delas uma bênção particular” (49,28), sem esconder os erros e culpas (de Rúben, Levi e Simeão). Uma vez mais a bênção mais bela é a dada a José, como num salmo: “José é um potro selvagem, um potro junto de uma nascente; …. Os arqueiros irritam-no, atacam-no e apoquentam-no. Mas os seus arcos ficam hirtos …: bênçãos que descem dos céus, bênçãos que nascem das profundezas da terra, bênçãos dos seios e do ventre …” (49,22-26). Como última vontade pede aos filhos para ser sepultado na gruta de Macpela (49,31), que Abraão tinha comprado “como propriedade” aos hititas (49,30), com contrato formal (50,13), para dar sepultura a Sara. Quando acabou de falar aos filhos, “Jacob deitou-se de novo e expirou, indo juntar-se aos seus antepassados” (49,33). Morre no Egito, mas irá repousar na terra de Canaã.

A esplêndida morte de Jacob – nesta nossa época de inimizade com a morte, e por isso com o limite, precisamos de reler muitas vezes as belas mortes dos patriarcas para nos fazermos amar por elas – deu origem a uma nova crise na fraternidade: “Como o pai tinha morrido, os irmãos de José diziam entre si: ‘Quem sabe se José não está ressentido connosco e se vai vingar do mal que lhe fizemos?’” (50,15). Levados por este receio, fizeram chegar a José uma mensagem que continha (provavelmente) uma mentira: “O teu pai antes de morrer ordenou-nos que te disséssemos da sua parte: ‘Peço-te, por favor, que perdoes aos teus irmãos o seu crime e o seu pecado, pois eles trataram-te muito mal’” (50,16-17). Mas “ao ouvir estas palavras, José pôs-se a chorar”, e disse uma vez mais: “Pensaram em fazer-me mal e Deus permitiu, por saber que isso ia salvar a vida de muita gente”. “Não tenham medo” (50,19-21). Tal como no primeiro perdão, José usa as melhores palavras para qualquer reconciliação: “Não foram vocês; foi Deus”.

Na cura da fraternidade ferida e quando, como no caso de José e seus irmãos, o perdão não é esquecer o passado mas investir num novo relacionamento ‘ressuscitado’, não basta o perdão da vítima: é necessário que quem cometeu o delito acredite verdadeiramente no perdão recebido. Perante o primeiro perdão, os irmãos poderiam ter pensado: “Ele está a fazer isto por nós, ou pelo nosso pai?”. A morte de Jacob faz emergir a dúvida, que evolve para nova crise: mais uma mentira, novo pranto, novo perdão.

Não é raro que a morte de um dos pais provoque uma crise no relacionamento entre irmãos ou irmãs. E não apenas nem principalmente por razões de herança ou interesses. A morte do último dos pais, mesmo quando acontece em avançada idade sua e dos filhos e filhas, é sempre uma passagem decisiva no relacionamento entre irmãos ou irmãs. Regressa-se, realmente, de novo a uma situação de orfandade e experimenta-se que uma profunda raiz seca dentro de nós. O princípio de unidade da família – que era também um ‘lugar’, a casa mãe onde se reuniam, faziam festa, se reconciliavam – deixou de existir, ou existe de modo diferente; é necessário encontrar um novo e renovado. Se o relacionamento tinha anteriormente passado por feridas profundas, por vezes é necessário re-perdoar para dar a quem é perdoado o espaço e o tempo necessários para acolher o nosso perdão: “E assim José tranquilizou os seus irmãos, falando-lhes com toda a delicadeza” (50,21). O perdão não é um ato, é um processo: perdoa-se e volta-se a perdoar, duas vezes, sete, setenta vezes sete. ”José morreu aos cento e dez anos de idade. O seu corpo foi embalsamado e colocado numa urna que ficou no Egito”.

E assim, após vinte e cinco semanas, termina o comentário ao livro do Génesis. Iniciámos esta aventura da alma – dificílima e estupenda – à procura de novas palavras para a economia. Encontrámos muito mais que isso: viajando até ao ‘término da noite’ entrevimos a árvore da vida. Acordámos do sono, fomos chamados à existência no jardim da criação; maravilhados com o ser, falámos com Deus na brisa da tarde, e assistimos ao primeiro cruzar de olhares humanos, ‘olhos nos olhos’. Nos campos, fomos testemunhas do primeiro fratricídio-homicídio; chegou até nós o odor do sangue do primeiro homem-irmão assassinado. Vimos Lamec assassinar uma criança. O tempo parou, morremos também nós com todos os Abel e crianças mortos em todas as guerras do mundo e continuamos ainda hoje a morrer (foi doloroso comentar estes últimos capítulos, enquanto caíam mísseis sobre a ‘terra de Canaã’). Subimos a uma arca construída pelo único justo e fomos salvos: homens, mulheres, animais. Depois do dilúvio detivemo-nos em Babel: ali sentimos a tentação do comunitarismo; ultrapassámo-la e pusemo-nos a caminho, dispersando e salvando-nos ao longo da história. Assim chegámos a Ur dos Caldeus, onde encontrámos um arameu errante, cuja fé numa voz diversa e mais verdadeira o fez partir da terra dos deuses de madeira. Estimámo-lo e agradecemos-lhe por ter acreditado também por nós; e desejámos ser como ele.

Sorrimos por um filho que chegou na velhice; e depois fugimos, expulsos por Sara, para o deserto, juntamente com Agar e Ismael. Com Abraão e Isaac subimos ao monte Moria. Sobre esse monte, e em tantos outros lugares, perdemos e reencontrámos um filho; sobretudo, reencontrámos e escutámos de novo a primeira voz, e acreditámos de novo na sua promessa. Enamorámo-nos por Raquel junto ao poço; e com ela morremos, quando deu à luz Benomi. Atravessamos a vau uma torrente, quando regressávamos para ir ter com o irmão enganado, e ali fomos atacados, combatidos, feridos, abençoados; e com Jacob tornámo-nos Israel. Vimos o paraíso, sonhámos anjos e sonhámos Deus, o sonho dos sonhos. Por fim, com José, encontrámo-nos dentro de um poço-sepultura, de onde ressuscitámos para chegar ao Egito e nos tornarmos intérpretes de sonhos. Lá, na companhia de Thomas Mann, reaprendemos a fraternidade, compreendemos que a terra prometida é a terra de todos, descobrimos a importância dos sonhos. Antes e acima de tudo, fomos inundados, submersos, arrastados, amados por bênçãos, que foram bem mais numerosas que a muita ambiguidade e maldade que encontrámos também, sentindo-as vivas na carne. Bênçãos que, mil vezes e de mil modos, nos disseram que a última palavra sobre o mundo e sobre o homem não é a de Caim, ainda que seja a que mais se faz ouvir em toda a terra, ontem, hoje, talvez amanhã.

O Génesis deu-nos ouvidos para ouvir outras vozes, menos barulhentas mas mais verdadeiras; procurar captá-las na balbúrdia da história é a nossa primeira tarefa, se quisermos permanecer humanos, seres espirituais capazes de infinito. Mas, mais que qualquer outra coisa, deixou dentro de nós uma pergunta, que é também compromisso, grito, desejo: quando recomeçaremos a sonhar Deus?

por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 03/08/2014

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 14/02/2015 da in A árvore da vida, Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 298.686 visite
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 576 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
p.mjoao@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: