COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

Fernando Pessoa: Cantar a cantiga do Infinito numa capoeira e ouvir a voz de Deus num poço tapado.

Aos 80 anos da morte do poeta português Fernando Pessoa, ocorrida a 30 de novembro de 1935, a sua poesia revela-se cada vez mais um diagnóstico espiritual extraordinariamente conseguido da Modernidade.

fernando-pessoa

A essência da cultura moderna, com sabemos, contrariamente às previsões mais radicais, não determinou a ausência do sentimento religioso. O que define a Modernidade é, mais do que o vazio, a acumulação e o excesso.

As antigas esferas subsistem, o que funda a certeza ou a crença permanece. Mas sob um novo regime: o de uma radical autonomização, que confere à cultura e ao homem uma imagem estilhaçada. Somos hoje fragmentos de uma unidade perdida, dispersão incontrolável, orfandade e ilusão.

Ora, a heteronomia inventada por Pessoa (que era, ao mesmo tempo, a sua própria voz e muitas outras: Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis, Bernardo Soares, António Mora, etc.) traduz, neste sentido, não só uma estratégia de composição literária, mas também um movimento espiritual, para precisar o do homem que se descobre refém da extrema impotência de se conceber e exprimir como unidade.

Numa curiosa paráfrase do Salmo 22, o mesmo salmo que Jesus reza na cruz, Fernando Pessoa escreverá no “Livro do desassossego”: «Meu Deus, meu Deus, a quem assisto? Quantos sou? Quem é eu? O que é este intervalo que há entre mim e mim?».

Quando se procede ao mapeamento dos sinais do religioso cristão na obra de Fernando Pessoa (1888-1935) propõe-se como ineludível a célebre conclusão da poesia “Liberdade”: «Mais que isto/ É Jesus Cristo,/ Que não sabia nada de finanças/ Nem consta que tivesse biblioteca».

O autor tem razão: Jesus é um mestre oral, de maneira alguma teria uma biblioteca. Mas o que poucos sabem é que Fernando Pessoa possuía uma, singularmente rica, sobre Jesus e sobre a religião em geral, facto que testemunha a relevância que ele atribuía ao tema.

Nas estantes da sua biblioteca podem encontrar-se volumes de teologia do Antigo e do Novo Testamento, comentários aos Salmos e às Cartas de Paulo, uma grande variedade de títulos sobre o “Jesus histórico”, introduções aos Padres da Igreja, obras de Atanásio e de Clemente de Alexandria, manuais de liturgia e de piedade.

As referências a Jesus e ao cristianismo que parecem casuais na obra pessoana não são, por isso, traços ocasionais: são o reflexo de uma verdadeira paixão, intelectual e de vida.

Num editorial da revista “Orpheu”, de que Pessoa foi um dos codiretores, encontramos um texto muito curioso, que sai da sua pena em 1915. Lê-se, a dado passo: «O termo “modernista”, que por vezes é aplicado aos artistas da “Orpheu”, não pode, na realidade, ser-lhes aplicado, pelo facto de não ter outro significado senão o de designar – porque assim foi designada – a nova escola pragmática e exegética dos Evangelhos». Como se percebe, Fernando Pessoa seguia de perto o debate teológico do seu tempo.

Como cartografar, então, o complexo território do crer num autor unanimemente reconhecido como tão complexo e paradoxal? A resposta deverá ser procurada naquele templo de desassossego que foi verdadeiramente a sua alma, andando de pergunta em pergunta, de investigação em investigação, cantando «a cantiga do Infinito numa capoeira» (como lemos numa das suas líricas mais impressionantes, “Tabacaria”).

«Serei sempre o que esperou que lhe abrissem a porta ao pé de uma parede sem porta,/ E cantou a cantiga do Infinito numa capoeira,/ E ouviu a voz de Deus num poço tapado./ Crer em mim? Não, nem em nada./ Derrame-me a Natureza sobre a cabeça ardente/ O seu sol, a sua chuva, o vento que me acha o cabelo,/ E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha./ Escravos cardíacos das estrelas,/ Conquistámos todo o mundo antes de nos levantar da cama;/ Mas acordámos e ele é opaco,/ Levantámo-nos e ele é alheio,/ Saímos de casa e ele é a terra inteira,/ Mais o sistema solar e a Via Láctea e o Indefinido».

Atente-se bem: não foram «a cantiga do Infinito» ou «a voz de Deus» a calar. Ambas continuam a ressoar. O que radicalmente se alterou nesta contemporaneidade, da qual Pessoa é um protagonista mas também um sintoma, é o lugar da enunciação e da audição de Deus: uma «capoeira» e «um poço tapado», espaços irregulares, dilemáticos, improváveis, já em rotura com a geografia do sagrado que se esperaria.

E, ao mesmo tempo, espaços ardentemente humanos, capazes de dar a ver a ferida e a fragilidade, capazes de expor o mal-estar ontológico como um grito e uma irremovível prece.

José Tolentino Mendonça
In “Avvenire””
Trad.: Rui Jorge Martins
https://pastoraldacultura.wordpress.com/
Publicado em 02.12.2015

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 09/01/2016 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 366.946 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 780 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: