COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

“A lista do Padre Carreira”

Leitura: “A lista do Padre Carreira”

A lista do Padre Carreira

«Eu não me deitei e andei a noite toda, furando Roma, mudando caminhos, acordando padeiros para trazer sacos de farinha, no dia seguinte, fazer papas com manteiga. E tive de tratar da distribuição, de descarregar os mantimentos, de encorajar as freiras e ouvir as mulheres que não sabiam dos maridos e de alguns filhos.»

Este é um dos testemunhos diretos de Joaquim Carreira, padre português nascido em 1908 numa aldeia próxima de Fátima, que arriscou a vida para esconder e proteger centenas de judeus e dissidentes numa Roma ocupada pelos nazis. A sua base de ação foi o Pontifício Colégio Português, do qual se tornara reitor em 1941.

A história, de que apresentamos um excerto, é contada pelo jornalista António Marujo, de quem a editora Vogais lançou, recentemente, o livro “A lista do Padre Carreira – A história desconhecida do português que escondeu refugiados durante a Segunda Guerra Mundial”.

Remontando a 2012, a investigação do autor, duas vezes vencedor do Prémio Europeu de Jornalismo Religioso na Imprensa Não-Confessional, revela ao grande público a coragem de um sacerdote que a 15 de abril de 2015 foi tornado “Justo entre as Nações” pelo Yad Vashem, o Memorial do Holocausto de Jerusalém.


«Necessidade extraordinária de fazer o bem»
António Marujo
In “A lista do Padre Carreira”


«De uma bondade extrema, sempre a sorrir»

Em 1945, logo após o final da guerra, o padre Carreira assume ainda, por um ano letivo, o lugar de professor de português na Universidade de Roma. Em 1950, recebe o título de monsenhor. Dois anos depois, ainda antes de deixar o Colégio, começa a desempenhar o cargo de conselheiro eclesiástico da Embaixada Portuguesa junto da Santa Sé. Em 1958, passa a residir na casa Madonna di Fatima, onde ficará até morrer, 23 anos depois, em dezembro de 1981. Sepultado inicialmente em Roma, seria trasladado para Portugal em 2001.

«Morava connosco e durante toda a semana animava o centro de culto», conta a irmã Maria Isilda, que ali conheceu o padre Carreira. «Esta era uma zona nova, havia muitas crianças que nós preparávamos para a primeira comunhão.» Na casa das irmãs, além de celebrar missa e acompanhar as pessoas, monsenhor Carreira «dedicava-se muito ao confessionário». Mas, «sobretudo, acolhia muito bem toda a gente» e as pessoas «procuravam-no para conversar e partilhar as suas dificuldades ou convidar para celebrações e festas de família».

A irmã Maria do Céu, que também conheceu Joaquim Carreira, diz que ele era «uma pessoa de uma bondade extrema, sempre a sorrir, sempre feliz, que encantava as pessoas com a sua maneira de ser». A irmã Isilda acrescenta que ele era «um “grande devoto de Nossa Senhora de Fátima». Hoje, a casa onde viveu o padre Carreira pertence a outra congregação religiosa e o sítio onde era o seu quarto é agora uma sala de um jardim de infância. E, na capela, é possível ver ainda o mosaico que representa a aparição de Fátima.

«Ele contava pouco» do que tinham sido os tempos no colégio, diz a irmã Isilda, que se lembra, apesar disso, de referências aos refugiados. «Falava do sítio onde as pessoas estavam escondidas e da alimentação. Dizia que enfrentou riscos para acolher as pessoas, mas sentia uma grande alegria por tê-lo feito.»


«O medo era o mais difícil»

Esses pormenores serão confirmados pelo próprio Joaquim Carreira, dois meses antes de morrer. Primeiro numa conversa pessoal, depois, numa carta que escreve a Maria da Conceição Primitivo, ele descreve alguns dos sentimentos que o atravessaram naquele tempo. Sabida a reserva que ele tinha em falar sobre o assunto, essas serão das poucas vezes que ele recordará os meses de ocupação nazi de Roma e do acolhimento que fez aos refugiados (descontado, claro está, o relatório do ano letivo 1943-44).

Da conversa que teve com monsenhor Carreira em final de setembro/início de outubro de 1981, Conceição Primitivo descreve: «Ele contou com emoção o que se passara começando a desfiar o mais difícil da história: a questão das senhoras e das crianças de várias idades. O número era muito superior ao dos homens. Conduziu um grupo, depois de dividido, para não dar nas vistas, à Igreja de Santo António dos Portugueses, fazendo-lhe companhia alguns padres do Colégio. Pensou então em dirigir-se a três casas de religiosas, onde sentiu haver espaço e acolhimento. Dava-se bem com essas comunidades e, quando chegou, foi direto ao assunto, que as deixou muito apreensivas.»

Maria da Conceição não se recorda se o padre Carreira lhe referiu quais eram as casas em questão. Mas diz que, apesar dos receios iniciais, as freiras cederam aos apelos de compaixão do reitor. E o próprio contava: «Logo nessa noite se recolheram nas três casas, sem mantimentos para tanta gente. Suei, perdi peso e cabelo. As mães com filhos ficavam juntas no mesmo lugar. Era uma sinfonia de crianças a chorar.»

Num segundo momento, Joaquim Carreira ainda regressa ao Colégio Português para levar, para as primeiras necessidades, leite em pó, bolachas e arroz. Nas casas das freiras, as novas hóspedes deitaram-se no chão como puderam. «Eu não me deitei e andei a noite toda, furando Roma, mudando caminhos, acordando padeiros para trazer sacos de farinha, no dia seguinte, fazer papas com manteiga. E tive de tratar da distribuição, de descarregar os mantimentos, de encorajar as freiras e ouvir as mulheres que não sabiam dos maridos e de alguns filhos.»

Ao mesmo tempo, o padre Carreira tinha de continuar a assegurar a vida do Colégio o mais normalmente possível. «Gastei-me mais em saliva a rezar do que em gasolina no carrossel», contava ele à confidente. «Já resmungava com Deus: Ai, Senhor, em que sarilhos me enfiaste. Tinhas disto na tua cruz? Ai que vida. Ai que cruz. Não tenho filhos, mas tenho só sarilhos.»

O episódio das buscas nazis no Colégio também não foi fácil, na versão que o próprio contava a Maria da Conceição em 1981: «O Joaquim agarradinho ao sacrário desde que eles entraram até que saíram», dizia ele, na terceira pessoa. «Comecei a ficar dominado pelo medo de que atacassem as casas das freiras. Não conseguia dormir e fazer vida de estrada em ziguezague, dentro e fora de Roma. Graças à intervenção constante de Nossa Senhora, as religiosas não foram atacadas.»

Surgiram outras preocupações: várias crianças refugiadas nas casas das religiosas adoeceram. Joaquim Carreira levou-as a médicos amigos. Depois, era ele que explicava às mães a medicação. «Tudo se salvou graças ao Deus forte.»

Conceição Primitivo tem certeza do número referido pelo padre Carreira na ocasião: «Qualquer das três casas ficou com mais de meia centena, espalhadas pelos sótãos. Mas a preocupação com elas, que eram muitas mais que os homens, moíam-me todo. Cheguei a ter de fazer furos no cinto, para não perder as calças. Mas dizia: não volto a ter outra aventura assim, mas esta não a perdi. Obrigado ao céu inteiro.»

A carta, datada de 22 de outubro de 1981, escrita já em Lisboa, dois dias antes de regressar a Roma, responde aos reparos de Maria da Conceição, de que Joaquim Carreira andaria a trabalhar muito. «O muito trabalho, na maior parte da minha vida, foi o tempo de arranjar celeiro para Deus e meus irmãos. Quando recordo os saltos que deu este coração e as voltas do meu miolo cerebral ao meter dentro da casa que a Providência me entregou (o Colégio Português) tantos refugiados judeus, inclino a cabeça cheia de respeito pelo dom da vida que me foi concedido guardar aquela pobre gente. Deus estava lá. E com a sorte de me abrir caminhos para arrumar e sustentar tanta gente. Se não fosse o caminho percorrido pelos arredores de Roma a fim de adquirir mais barato o alimento para os habitantes do Colégio, não sei o que seria. Conhecia moleiros, padeiros, leiteiros, agricultores e nessa altura tive de reforçar compras e fornecedores.»

A última confissão de Joaquim Carreira não deixa dúvidas sobre os sentimentos que ele tinha de vencer para poder fazer o que fazia: «Fui-me refugiar na Catacumba de S. Calisto e chorei naquela ansiedade. Chorei! Não sabia como atacar tanta urgência e arranjar paciência, caridade e mansidão contra a luta do inferno que estava a tentar-me contra a minha luta. Esse era o meu terror e o meu medo. Isso era o que mais me custava.» (…)


«Estou nas mãos de Deus»

A morte chegou na manhã de 7 de dezembro de 1981, provocada pelo coração que dedicara a tantos, ao longo da sua vida. Passara mês e meio desde que regressara a Roma e na véspera começara a escrever a Maria da Conceição, referindo o problema que tinha nos olhos e falando de preparar uma viagem da costureira a Roma. Na carta, dá conta de que a tensão arterial estava «um bocado» alta, obrigando-se a tomar medicação para a fazer baixar. «Estou nas mãos de Deus», acrescentava. E o comprimido que tomara não foi suficiente.

Sepultado em Roma, só vinte anos depois, a 23 de fevereiro de 2001, o sobrinho consegue finalmente concretizar um desejo que lhe ficara nessas duas décadas: trasladar para a Caranguejeira os restos mortais do seu tio. A urna embarca em Roma nesse dia e, no domingo, dia 25, uma cerimónia religiosa assinala a deposição dos restos mortais do antigo reitor na terra que o vira nascer.

Na ocasião, o vigário-geral da diocese de Leiria, padre Jorge Guarda, que presidiu à missa em representação do bispo, referiu o período da II Guerra Mundial: «Quando dirigia o Colégio Português, exerceu importante atividade de caráter social, sobretudo dando acolhimento a refugiados políticos (primeiro antifascistas e depois fascistas), durante o último conflito mundial.»

A ação do padre Carreira durante aqueles meses duros não era, no entanto, ainda conhecida com rigor nem em pormenor, nessa altura. Por isso, várias notícias de jornais exageraram muito naquilo que se passara durante o tempo da II Guerra, falando de «dezenas de judeus», de «centenas» ou mesmo de «milhares» de pessoas salvas pelo padre português.

A avaliar pelo relatório do padre Carreira, pelos testemunhos dos refugiados no Colégio e pelo depoimento e carta dirigida a Maria da Conceição Primitivo pode inferir-se que ele terá ajudado mais de uma centena, talvez perto de duas centenas de pessoas. Em todo o caso, para declarar Joaquim Carreira “Justo Entre as Nações” o Yad Vashem precisou apenas, como é norma da instituição, do testemunho de uma pessoa…

 Publicado em 05.07.2016

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 11/07/2016 da in PORTUGUÊS, Vocação e Missão con tag , .

  • 349.988 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 759 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: