COMBONIANUM – Formazione Permanente

UNO SGUARDO MISSIONARIO SUL MONDO E LA CHIESA Missionari Comboniani – Formazione Permanente – Comboni Missionaries – Ongoing Formation

NATAL do SENHOR

NATAL DO SENHOR.
“Quando Ele vier, encontrará fé na terra?”

Emmanuel 009a

A SENTINELA

Era uma vez uma pequena e antiga povoação, presidida por um castelo ainda mais velho, que estavam situados na fronteira de um país distante, ao lado de um grande deserto. Tanto o povo como o castelo eram muito tristes, porque raramente passava alguém perto deles. De vez em quando pernoitavam por ali estranhas caravanas ou viajantes solitários, mas, no fim de descansarem e de se alimentarem, partiam de novo, deixando os habitantes da povoaçãozita e do castelo com a sua tristeza.

E assim, até que um dia chegou um mensageiro do rei da nação e informou de que, na corte, se tinham recebido noticias de que Deus em pessoa vinha àquele País, se bem que, ainda não se soubessem que cidades e zonas visitaria. Mas era provável ou, pelo menos, possível que passasse pela nossa povoaçãozita. Por isso, o povo e o castelo deviam preparar-se para receber Deus tal como Ele merecia.

Isto encheu de entusiasmo as autoridades, que mandaram reparar as ruas, limpar as fachadas, construir arcos triunfais, encher de tapeçarias e colgaduras as varandas. E, sobretudo, nomearam como sentinela o habitante mais nobre da aldeia. Esta sentinela tinha como obrigação viver na torre mais alta do castelo e dali olhar constantemente o horizonte, para dar logo que possível a notícia da chegada de Deus.

A sentinela recebeu o encargo com orgulho: nunca em sua vida tinha feito algo tão importante. E dispôs-se a permanecer firme na torre com os olhos bem abertos. “Como será Deus”? perguntava a si mesmo. “E como virá? Talvez com um grande exército? Quem sabe se com uma corte de carros majestosos”? Nesse caso, dizia-se, será fácil adivinhar a sua chegada quando ainda estiver longe.

Durante as vinte e quatro horas do dia e da noite não pensava noutra coisa, permanecia em pé e com os olhos bem abertos. Mas, tendo passado alguns dias e noites, o sono começou a importuná-lo e pensou que não aconteceria nada se desse umas “cabeçadas” porque, como Deus viria precedido por som de trombetas, nesse caso, despertaria.

Passaram não só dias, mas também semanas e, as pessoas da pequena povoação regressaram à sua vida diária e começou a esquecer-se a vinda de Deus. A própria sentinela dormia já tranquila as noites inteiras e nem se dedicava a pensar só naquela espera porque pensava em todas as outras coisas.

Passaram não só as semanas, mas também os meses e inclusive os anos e ninguém na povoação ligava importância  àquele anúncio. Inclusive, num ano de muita fome, a povoação foi desfilando, uns atrás dos outros para terras mais prósperas. Ficou só a sentinela, ainda na torre, esperando com uma esperança muito débil. Passaram exércitos e caravanas que, por uns momentos, alumiavam os seus sonhos, mas nenhum era o exército ou as caravanas de Deus.

E a sentinela começou a pensar: “Para que vem Deus? Este povo nunca teve interesse nenhum e agora, sem quase ninguém, muito menos. Se viesse porque ficaria precisamente neste castelo tão insignificante? Mas, como lhe deram essa ordem e como essa ordem lhe tinha levantado a esperança, a sua decisão de permanecer era mais forte que as suas dúvidas.

Até que uma vez, deu-se conta de que, com o passar dos dias e dos anos, estava a envelhecer e as suas pernas resistiam a subir as escadas da torre. Sentia os seus olhos fecharem-se de cansaço, apenas via a morte a aproximar-se. E não pôde evitar que da sua garganta saísse uma espécie de grito: “Passei toda a vida esperando a visita de Deus e morro sem vê-lo”. Então, justamente nesse momento, ouviu uma voz muito terna por detrás de suas costas. Uma voz que dizia: “Mas não me conheces”? Então a sentinela, mesmo sem ver nada, saltou de alegria dizendo: “Oh, já está aqui! Porque me fizeste esperar tanto? E por onde vieste que não te vi”? Ainda com maior doçura a voz respondeu: “Sempre estive perto de ti, a teu lado, mais ainda: dentro de ti. Precisaste de muitos anos para dares conta disso. Mas agora já o sabes. Este é o meu segredo: estou sempre com os que me esperam e só os que me esperam podem ver-me”.

Então a alma da sentinela encheu-se de alegria. Velha e quase morta, como estava, voltou a abrir os olhos e ficou olhando, amorosamente, o horizonte.

Esta é a fábula de que lhes falei ao princípio. O texto que São Lucas escreveu no capítulo 18,8 de seu Evangelho que tanto me fez tremer ao ver a paganização do Natal, é este: “Mas, quando vier o Filho do Homem, encontrará fé na terra?” Porque pode acontecer que, quando voltar, já não haja ninguém na torre.

 J. LUIZ MARTIN DESCALZO, Razões da outra margem, Ed. Missões, 95; cf. Audio-Visual «A sentinela», Produção Telos Editora.

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione / Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione / Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione / Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione / Modifica )

Connessione a %s...

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 24/12/2016 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , , .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 1.360 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione Permanente on WordPress.com
dicembre: 2016
L M M G V S D
« Nov   Gen »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

  • 139,096 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Tag

Aborto Advent Advento Africa Afrique Alegria Ambiente America Amor Amore Amoris laetitia Anthony Bloom Arabia Saudita Arte Arte cristiana Arte sacra Asia Bibi Ateismo Avent Avvento Bellezza Benedetto XVI Bibbia Bible Biblia Boko Haram Book of Genesis Bruno Forte Capitalismo Cardinal Newman Carême Chiamate in attesa Chiesa China Chrétiens persécutés Church Cibo Cina Cinema Colombia Confessione Contemplazione Cristianesimo Cristiani perseguitati Cristianos perseguidos Cristãos perseguidos Cuaresma Cuba Cultura Curia romana Daesh Dialogo Dialogo Interreligioso Dialogue Dio Diritti umani Domenica del Tempo ordinario (A) Domenica del Tempo Ordinario (C) Domenica Tempo ordinario (C) Donna Ecologia Economia Ecumenismo Enciclica Enzo Bianchi Epifania Estados Unidos Eucaristia Europa Evangelizzazione Fame Famiglia Famille Family Família Fede Fondamentalismo France Gabrielle Bossis Genesi Gianfranco Ravasi Giovani Giovedì Santo Giubileo Gregory of Narek Guerra Guglielmo di Saint-Thierry Gênesis Henri Nouwen Iglesia India Iraq ISIS Islam Italia Jacob José Tolentino Mendonça Kenya La bisaccia del mendicante La Cuaresma con Maurice Zundel La Madonna nell’arte La preghiera giorno dopo giorno Laudato si' Le Carême avec Maurice Zundel Lectio Lectio della Domenica - A Lectio Divina Lent LENT with Gregory of Narek Le prediche di Spoleto Libia Libro del Génesis Libro dell'esodo Libro della Genesi Litany of Loreto Litany of Mary Livre de la Genèse Livro do Gênesis Madonna Magnificat Maria Martin Lutero martiri Matrimonio Maurice Zundel Medio Oriente Migranti Misericordia Mission Missione Morte México Natale Nigeria Noël October Oração Pace Padre nostro Padri del Deserto Paix Pakistan Papa Francesco Papa Francisco Pape François Paraguay Paul VI Paz Pedofilia Perdono Persecuted Christians Persecution of Christians Persecuzione anti-cristiani Persecuzione dei cristiani Pittura Pobres Pobreza Politica Pope Francis Poveri Povertà Prayers Preghiera Profughi Quaresima Quaresima con i Padri del Deserto Quaresma Quaresma com Henri Nouwen Raniero Cantalamessa Rifugiati Rosary Sacramento della Misericordia Santità Scienza Sconfinamenti della Missione Settimana del Tempo Ordinario Silvano Fausti Simone Weil Sinodo Siria Solidarietà Spiritualità Stati Uniti Sud Sudan Synod Terrorismo Terrorismo islamico Testimoni Testimonianza Thomas Merton Tolentino Mendonça Turchia Uganda Vatican Vaticano Venerdì Santo Viaggio apostolico Violenza Virgin Mary Von Balthasar
%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: