COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

Jonas: Espelho das nossas fugas

O Mestre está cá, e chama-te. Bíblia e Vocação
Manuel João Pereira Correia

Vocação de Jonas
Espelho das nossas fugas

Há momentos particulares em que se torna urgente reprojectar a nossa vida e a nossa missão. Por exemplo, no início dum novo ano. A figura de Jonas poderia oferecer um bom ponto de partida… Parecerá algo estranho apresentar este profeta como ‘modelo’, dada a sua relutância a partir em obediência à Palavra de Deus. Mas não será precisamente Jonas o espelho das nossas resistências e das nossas fugas? (Jonas, capítulos 1-4).

profeta giona.jpg

“Para tudo há um tempo, para cada coisa há um momento debaixo dos céus: tempo para nascer, e tempo para morrer; tempo para plantar, e tempo para arrancar o que foi plantado” (Eclesiastes 3,1). Se bem que haja um tempo para tudo, o tempo de recomeçar, de relançar a vida é de importância capital.

Como, por exemplo, o mês de Outubro quando regressamos às nossas tarefas e responsabilidades, depois do período das férias e do Verão. Com o Outono a vida reparte. Iniciamos um novo ano escolar, pastoral ou profissional… É tempo de partir de novo, de reprojectar o caminho da nossa vida e da nossa missão. A existência implica um contínuo recomeçar, não porque sejamos condenados a repetir o passado mas porque somos agraciados com uma nova oportunidade para o futuro.

Que sentimentos nos animam no princípio dum novo ano?

Outubro é também o mês da Missão, com a celebração do Dia Mundial das Missões no penúltimo domingo do mês. É uma boa ocasião para reflectir sobre a nossa vocação missionária de enviados. Um convite a partir!…

Nestas circunstâncias, proponho meditar sobre a figura de Jonas, um profeta que é convidado a levantar-se para iniciar uma longa viagem. Pode parecer algo estranho apresentar este profeta como exemplo, dada a sua relutância e resistência a partir em obediência à Palavra de Deus. Mas não será precisamente Jonas o espelho de nós próprios?

Partir para fugir

A vocação de Jonas aparece-nos no livrinho que tem o seu nome, um dos 12 profetas menores. Um livro singular, de carácter narrativo, um midrash, ou seja, uma história exemplar. A sua mensagem constitui um dos ápices do primeiro testamento, um prenúncio da mensagem de Jesus, do Pai misericordioso que a todos quer salvar.

A história é conhecida. O profeta Jonas (cujo nome significa «pomba»!) recebe de Deus uma ordem de missão: «Levanta-te, vai à grande cidade de Nínive, e clama contra ela, porque a sua malícia subiu até à minha presença.» Diz o texto bíblico que Jonas se pôs a caminho, mas na direcção contrária, para fugir do Senhor. Desceu a Jope, onde encontrou um navio que partia para Társis; pagou a passagem e embarcou. Uma vez embarcado, refugiou-se nos porões do barco e aí adormeceu profundamente.

Em vez de partir para oriente, em direcção a Nínive, capital da Assíria e inimiga histórica do seu povo, Israel, foge para bem longe. A «pomba» recusa-se a levar a mensagem. Com efeito, Társis fica algures para ocidente, talvez em Itália (há até quem diga que se trate de Gibraltar!), ou seja, nas antípodas de onde deveria ir. Longe de Nínive e da sua gente, longe de Deus e da sua incómoda missão.

Quantas vezes não fugimos também nós à nossa responsabilidade, optando por uma vida que se furta ao sacrifício e à cruz, refugiando-nos numa vida cómoda e tranquila, longe do empenho e da luta?!

Jonas, um missionário em fuga, é o espelho de tantas nossas falsas partidas, que são fugas ao nosso dever, à nossa missão. Onde estou andando eu? Em direcção a Nínive ou a Társis?

Sem «responsabilidade» (ou seja, disponibilidade a responder) não crescemos, ficamos eternamente infantis. É este talvez um dos grandes males que afligem a sociedade de hoje!…

Afastar-se ou aproximar-se

A mentalidade religiosa de Jonas é a de… manter as distâncias! Afasta-se de Nínive, porque os seus habitantes são pagãos e inimigos, são «distantes» e tais devem ficar. Jonas afasta-se também de Deus porque não partilha a sua atitude de compaixão, de «proximidade» para com Nínive. Jonas parte mas para Afastar-se, para reafirmar a sua distância!

No dia 10 de Outubro, celebra-se São Daniel Comboni, apóstolo da África. A festa de Comboni oferece-nos um exemplo de uma «boa partida». Convencido de ser enviado à África, luta para superar todos os obstáculos que se levantam para o impedir de partir. Perante o fracasso da primeira viagem que leva tantos a desistir da empresa, ele não desespera e volta à carga: «Se o Papa, a Congregação da Propagação da Fé e todos os bispos do mundo estiverem contra mim, inclinarei a cabeça por um ano e, em seguida, apresentarei um novo plano, mas desistir de pensar na África, nunca, nunca!» A sua é uma espiritualidade missionária da proximidade! Deixa a sua terra, a sua família, os seres e realidades mais próximas para se tornar «próximo» dos que estão longe. Parte em viagem em direcção à periferia do mundo, para terras e populações distantes e desconhecidas, para aproximar-se dos longínquos. E desta maneira aproxima-se do Coração de Deus.

E a minha, é uma espiritualidade missionária da proximidade ou uma religiosidade de alienação que escava distâncias ou fossas entre mim e os outros, entre o meu coração e o Coração de Deus?

O Deus das mil armadilhas!

Em resposta à «ordem de missão», Jonas cala-se e foge. Deus cala-se também, mas lança-se na sua perseguição. O Senhor é «o Deus das mil emboscadas», diz um teólogo italiano (ver Amós 5,18-19). Ele precede-nos até nos caminhos que nos afastam dele, para tecer-nos uma «armadilha», de maneira que Lhe caiamos nos braços.

Deus envia um seu primeiro mensageiro: o vento, que levanta tal tempestade que a embarcação ameaça despedaçar-se. Este mensageiro converte os passageiros, que se põem todos a rezar. Todos, excepto Jonas. É o próprio capitão que o encontra, refugiado na escuridão do porão do barco, profundamente adormecido, alienado da angústia, azáfama e esforço de todos os demais à sua volta. Desperta-o violentamente: «Dorminhoco! Que estás fazendo aqui? Levanta-te e invoca o teu Deus!…»

Estranho sono letárgico de Jonas, que denuncia a tentativa de calar a voz da consciência!… Não é certamente o sono tranquilo de Jesus, dormindo à proa do barco de Pedro, ameaçado pela tormenta no lago da Galileia. Uma letargia que não nos é desconhecida! Acho que poderíamos dizer que cada um de nós tem também o seu refúgio, onde procura distrair-se e fechar os olhos à realidade dolorosa, na vã tentativa de ignorar a chamada à «responsabilidade».

Um subterfúgio que, aliás, vem de muito longe, dos tempos de Adão e Eva, quando estes se esconderam do olhar de Deus depois da desobediência. Mas nenhum lugar conseguirá esconder-nos da face de Deus. Como bem diz o salmo 139: «Para onde ir, longe do teu espírito? Para onde fugir, longe da tua presença? Se subo aos céus, tu lá estás; se fizer no inferno a minha cama, aí te encontro. Se tomo as asas da alvorada para habitar nos limites do mar, mesmo lá é a tua mão que me conduz, e a tua mão direita me sustenta. Se eu dissesse: “Ao menos a treva me cubra, e a noite seja um cinto ao meu redor” – mesmo a treva não é treva para ti, tanto a noite como o dia iluminam.»

Os passageiros do barco entregue à tempestade decidem «investigar» de quem é a culpa, através da tiragem à sorte. E a sorte cai sobre Jonas! É o segundo mensageiro, através do qual o longo braço de Deus alcança o seu apóstolo para o chamar à responsabilidade. Jonas, apanhado em flagrante, assume a sua culpa e diz aos seus companheiros de viagem que o atirem ao mar. Não sabemos se se trata de um acto supremo de abandono nos braços de Deus. Tudo indica, porém, que seja um último e desesperado gesto ditado pelo remorso.

«Deus não quer a morte do pecador mas que se converta e viva», diz o profeta Ezequiel 33,11. Deus envia um terceiro mensageiro para resgatar o seu profeta: «um grande peixe». Jonas permanece três dias e três noites no seu ventre. É uma experiencia pascal, que converte o coração de Jonas e o faz rezar, finalmente! Do fundo das entranhas do peixe, Jonas ergue a Deus uma sentida e profunda prece. «Então o Senhor ordena ao peixe, e este vomita Jonas na praia»!…

A imaginação popular crê que se tratava de uma baleia. Uma tradição judaica diz que os dois olhos da baleia eram como duas janelas através das quais Jonas contemplava a realidade externa. Ora a baleia tem os olhos lateralmente, pelo que cada olho tem uma visão diversa, um à esquerda e o outro à direita. Desses dois ângulos visuais, Jonas é obrigado a considerar uma dupla perspectiva da realidade: a sua, virada a ocidente, a Társis; e a de Deus, virada a oriente, a Nínive. E a visão de Deus acaba por prevalecer.

Quantas vezes não terá acontecido também a nós, de sermos obrigados a «entrar em nós mesmos», a enfrentar a nossa realidade, e de rezarmos precisamente no momento de aflição, quando nos encontrámos nas entranhas da baleia?!

O Profeta sobre a colina

Jonas é enviado pela segunda vez: «Vai a Nínive, a grande cidade, e faz-lhe conhecer a mensagem que te ordenei.» Jonas desta vez obedece, de bom ou mau grado. Começa a calcorrear a cidade (eram precisos três dias para a percorrer!), pregando: «Daqui a quarenta dias, Nínive será destruída.»

Terminada a sua missão, a «pomba», Jonas refugia-se numa colina afastada da cidade para ver o que aconteceria. Aqui vemos que a sua «proximidade» a este povo é apenas física e momentânea, não atinge o coração. Apenas pode, foge da cidade, afasta-se. Torna-se um simples espectador. Não se solidariza com esta gente. Não são o «seu» povo!

Não é esta a atitude de Comboni. Solidário com o «seu» povo, faz «causa comum» com os Africanos. Contempla-os da colina do Calvário, com o olhar do Coração trespassado de Cristo Bom Pastor. Disposto a dar a sua vida por eles. É esse o seu lugar privilegiado de observação, à sombra da Cruz.

De qual colina contemplamos nós o mundo? Desde a colina encastelada do nosso egoísmo (e Deus não queira que com um olhar de abutre!), ou da colina da solidariedade onde foi plantada a cruz de Cristo, com o olhar de mansidão da pomba que daí voa para ir anunciar a paz?

Cidade e profeta a salvar!

A pregação de Jonas, porém, obtém um êxito inesperado. O rei decreta um jejum de penitência e conversão. E Deus perdoa. Com efeito a ameaça da sua Justiça era apenas uma «arma» ao serviço da Misericórdia.

Há muita alegria no céu e regozijo em Nínive. Mas não no coração de Jonas. O êxito que ele esperava era outro: que o fogo descesse do céu, como acontecera com Elias. Jonas fica tão indignado com isso e irritado com Deus que invoca a morte. No fundo, ele é o filho maior da parábola do filho pródigo, que recusa partilhar a alegria do Pai e acolher o irmão que se perdera.

Mas o Pai, que salvara Nínive, quer salvar também o seu profeta. Jonas, no topo da colina, refugia-se do sol debaixo de uns ramos. Deus então faz crescer um arbusto para fazer sombra à sua cabeça e curá-lo de seu mau humor. Jonas alegra-se com isso.

No dia seguinte, porém, o Senhor envia um pequeno mensageiro, um simples verme, que rói a raiz do arbusto. E em seguida envia o fogo do sol a golpear a cabeça do pobre profeta que, irritado e desfalecido, invoca de novo a morte.

O livro termina com uma pergunta, dirigida ao profeta mas também a nós, que tantas vezes nos desesperamos por pequenas coisas que nos acontecem, sem nos preocuparmos com a sorte dos demais:

«Tiveste compaixão de um arbusto, pelo qual nada fizeste… E então, não hei-de ter compaixão da grande cidade de Nínive, onde há mais de cento e vinte mil seres humanos, que não sabem discernir entre a sua mão direita e a sua mão esquerda, e uma inumerável multidão de animais?»

Qual será a minha resposta?


Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 24/02/2017 da in PORTUGUÊS, Vocação e Missão con tag , .

  • 318.776 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 722 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: