COMBONIANUM – Formazione Permanente

UNO SGUARDO MISSIONARIO SUL MONDO E LA CHIESA Missionari Comboniani – Formazione Permanente – Comboni Missionaries – Ongoing Formation

Êxodo (5) A lealdade abre até o céu

As parteiras do Egito/5
Reflexão de Luigino Bruni sobre o livro do Êxodo.

5 hard-labour

A lealdade abre até o céu:
  A lógica do bastão e a lógica do trabalho lado a lado.

“Se, de verdade, sois os enviados do Senhor, então ele será juiz entre nós e o faraó. … Sois vós os responsáveis pelo fedor que por todo o lado exala dos cadáveres dos hebreus, usados como tijolos onde não produziram a quota exigida. Somos como a pobre ovelha que o lobo roubou: o pastor persegue o ladrão, agarra-a e tenta arrancar-lhe das fauces a desgraçada presa que acaba feita em pedaços por ambos”. (L. Ginzberg, Le leggende degli ebrei)

A cultura dos incentivos está a transformar-se em nova ideologia do nosso tempo; surgiu nas grandes empresas capitalistas e está a emigrar para os setores da saúde, da cultura, da escola. O principal limite e perigo desta cultura do trabalho é uma visão empobrecida do ser humano, pensado e descrito como indivíduo que no trabalho é motivado exclusivamente por recompensas extrínsecas e monetárias, de quem se poderá obter praticamente tudo e em todos os âmbitos da vida, desde que adequadamente pago.

Graças a Deus, os homens e as mulheres são muito mais ricos e belos do que esta caricatura. Podemos fazer coisas mesmo grandes, mas queremos muito mais que dinheiro; as ‘moedas’ mais preciosas são o reconhecimento, a estima, a gratidão. Somos capazes de dar o melhor de nós mesmos se e quando nos sentimos estimados e reconhecidos, se somos ‘vistos’ e nos agradecem. A grande e verdadeira questão no centro da cultura do incentivo é, portanto, a da liberdade.

São preguiçosos”. Foram as palavras que o rei do Egito dirigiu aos seus funcionários depois do encontro com Moisés e Aarão que lhe tinham pedido, em nome do SENHOR, para libertar o povo, para que pudesse celebrar três dias no deserto: “São uns perguiçosos,e por isso gritam ‘queremos ir oferecer sacrifícios ao nosso Deus’. Sobrecarreguem essa gente com mais trabalho, mantenham-nos ocupados para que não dêem ouvidos às mentiras que lhes vêm contar” (5,8-9). É típico dos impérios considerar os súbditos perguiçosos e mandriões e obrigá-los a trabalhar mais, para evitar que nos intervalos do trabalho possa insinuar-se o desejo de liberdade, o desejo de um Deus diverso do faraó. Para os imperadores, os trabalhadores-súbditos só trabalham quando sentem nas costas o aguilhão dos ‘capatazes’.

Hoje em dia, em muitas regiões do mundo (não em todas) já não há imperadores; mas é muito frequente ver dirigentes que multiplicam tarefas para os trabalhadores e os obrigam a espalhar-se ‘por todo o Egito’ (5,12) à procura de ‘palha’ que não tinham. Provocam stress e mal-estar nos lugares de trabalho, e continuam a pensar que não se trabalha bastante nos campos e que os incentivos não foram bem concebidos. Os mandriões existem, mas são muito menos do que se pensa; existe uma invencível e cientificamente demonstrada tendência para sobreavaliar a preguiça dos outros e subestimar a própria.

Inserido neste episódio do Êxodo encontra-se também o primeiro protesto dos ‘dirigentes’ de que fala a Bíblia, o protesto dos ‘capatazes’. Trata-se de um dos protestos mais belos e importantes de toda a Escritura; contém mensagens preciosas para todos os responsáveis de empresa, instituição ou comunidade, de ontem, hoje e amanhã.

Havia duas categorias de dirigentes nos campos de trabalho: os ‘inspetores’ e os ‘capatazes’. As diferentes reações de cada uma destas categorias perante a ordem do faraó de endurecer as condições de trabalho do povo oprimido – reações opostas, mesmo – ilustram duas diferentes e opostas culturas da responsabilidade e direção. As novas condições de trabalho e produção impostas pelo faraó (fabricar a mesma quantidade de tijolos de antes, mas sem ter à disposição a palha) não podiam ser satisfeitas por trabalhadores já submetidos a condições extremas (1,14).

Foi isso mesmo que aconteceu (5,14). Os inspetores – egípcios às ordens do faraó – reegiram ao não cumprimento dos objetivos de produção descarregando nos capatazes dos campos de trabalho – hebreus, irmãos dos trabalhadores: “Chegaram a chicotear os capatazes dos israelitas nomeados pelos inspetores do faraó, dizendo-lhes: ‘Porque não completaram, nem ontem nem hoje, a quantidade de tijolos que faziam antes?’” (5,14). Por seu lado, os capatazes não bateram nos trabalhadores das suas equipas. Como as parteiras do Egito, também estes responsáveis de trabalhadores – por opção livre e custosa – escolheram ficar do lado do povo e da verdade, e não obedeceram às ordens do faraó. Escolheram ser irmãos dos oprimidos e assim partilharam a sua sorte. Então, em vez de se enfurecerem com os companheiros, foram protestar com o faraó: “Porque procedes assim com os teus servos? Já não nos fornecem palha e, no entanto, exigem-nos que fabriquemos os mesmos tijolos e chicoteiam estes teus servos. A culpa é do teu povo!’” (5,15-16).

Tal como sucede ainda demasiado frequentemente, perante este protesto leal dos capatazes, o faraó limitou-se a associá-los à mandriice dos trabalhadores: “Vocês são uns preguiçosos! Sim, uns preguiçosos! Por isso é que andam a dizer: ‘Queremos ir oferecer sacrifícios ao SENHOR’. Vão mas é trabalhar!” (5,17-18). Então, “os capatazes reconheceram que estavam numa situação difícil” (5,19). É a ‘situação difícil’ em que muitas vezes se encontra quem rejeita ordens dos poderosos por lealdade para com os fracos; e é por aqueles acusado de também ele ser incompetente e preguiçoso. Quem não estiver disposto a correr o risco de ser associado ao vício que os chefes atribuem às pessoas que representa e defende não pode ser mediador; um dirigente nunca será bom ‘capataz’, se não estiver disposto a correr o risco de ser ‘espancado’ com e como a sua equipe de trabalho. Fora desta lógica solidária e responsável, fica o mercenário; ao contrário do ‘bom pastor’, não dá a vida pelo rebanho, não partilha a sua sorte. Além do mais, tomar sobre si as ‘pauladas’ sem as descarregar em quem lhe está confiado, é também uma grande e bela imagem de qualquer verdadeira vocação de paternidade, natural ou espiritual.

Nem o insucesso do protesto ao faraó fez alterar a atitude dos capatazes. Continuaram a exercitar a sua lealdade para com os trabalhadores, enfrentando diretamente Moisés e Aarão. Dirigiram-lhes palavras fortes: “Vocês é que têm a culpa de o faraó e os seus funcionários nos verem com maus olhos. Puseram nas suas mãos a espada com que eles nos vão matar” (5,21). Moisés tomou muito a sério o grito duro e leal dos capatazes e enfrentou a primeira crise da sua missão no Egito. Depois de escutar esse grito teve um novo encontro com a voz que o tinha chamado. A lealdade custosa e fraterna dos chefes de equipe produziu uma nova teofania, um novo encontro com o seu Deus, uma nova vocação: “Moisés dirigiu-se a Deus e disse: ‘Ó meu SENHOR, porque tratas mal este povo? Porque me enviaste?” (5,22). E Deus falou-lhe, chamou-o novamente: “‘Eu sou o SENHOR. …Levar-vos-ei ao país que prometi a Abraão, Isaac e Jacob e dar-vos-ei essa terra para ser vossa. Eu sou o SENHOR” (6,1-8).

Não se pode imaginar a vastidão do alcance de um ato de lealdade verdadeira, que poderá acontecer quando nos ‘campos’ onde trabalhamos somos capazes de não obedecer a ordens erradas de faraós e nos mantemos fieis à verdade e à dignidade de quem connosco trabalha. Por vezes esta fidelidade pode escancarar o teto do escritório ou da nave industrial onde trabalhamos; pode fazer de novo despontar no céu o arco-íris de Noé. Esta lealdade permite que entre dirigentes e trabalhadores se gere uma relação por alguns chamada fraternidade; quando nasce de uma lealdade silenciosa e custosa não tem qualquer laivo moralista e retórico. Tornamo-nos verdadeiramente irmãos e irmãs de quem depende de nós quando oferecemos as costas e nos entrepomos entre eles e as ordens erradas dos faraós.

Se os capatazes não tivessem levado até ao fim o processo de protesto leal, se – por medo ou respeito – tivessem parado um passo só antes de encararem Moisés e Aarão, não teriam reaberto o céu e o SENHOR não teria renovado a promessa. Muitos atos de verdadeira lealdade não chegam a produzir todos os frutos porque o processo não é levado até ao fim.

O desafio mais difícil de ultrapassar por quem responde a uma vocação e aceita desempenhar uma tarefa de libertação é continuar a acreditar na verdade da vocação, da tarefa que recebeu, da promessa e da voz, quando vê que aumenta o sofrimento dos que era suposto amar e libertar; quando o povo a tirar dos trabalhos forçados piora a sua condição e a dor inocente cresce. Só é possível sair destas provas – sempre muito dolorosas e que surgem (embora não exclusivamente) nas primeiras fases do processo de libertação – e retomar o caminho se de novo acontecer o primeiro milagre do monte Horeb, se uma vez mais nos ouvirmos chamar pelo nome. Um milagre que nos pode ser doado pela lealdade de alguém; pelo seu amor ou pelo seu protesto que frequentemente coincidem.

Nas empresas e organizações continuam a coexistir lado a lado ‘inspetores’ e ‘capatazes’. Dirigentes que ‘batem’ em quem está abaixo deles, prontos a tudo para corresponder a qualquer exigência dos patrões, e responsáveis que preferem ‘apanhar’ para não quebrar a lealdade para com os companheiros. Muitos começam como capatazes e transformam-se depois (por desilusão ou por infelicidade, talvez) em inspetores; mas não é raro que se dê também o processo inverso. Todos nós assistimos a isso, todos os dias. Mas não esqueçamos que muitos trabalhadores não morrem sob o peso de uma produção impossível de tijolos porque entre nós há muitos herdeiros dos leais capatazes do Egito: são certamente mais de quantos somos capazes de reconhecer à nossa volta.

Escrito por Luigino Bruni

publicado em Avvenire em 7/09/2014

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione / Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione / Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione / Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione / Modifica )

Connessione a %s...

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 1.336 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione Permanente on WordPress.com

  • 127,247 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Tag

Aborto Advent Advento Africa Alegria Ambiente America Amor Amore Amoris laetitia Anthony Bloom Arabia Saudita Arte Arte cristiana Arte sacra Asia Bibi Ateismo Avent Avvento Bellezza Benedetto XVI Bibbia Bible Biblia Boko Haram Book of Genesis Bruno Forte Capitalismo Cardinal Newman Carême Chiamate in attesa Chiesa China Chrétiens persécutés Church Cibo Cina Cinema Confessione Contemplazione Cristianesimo Cristiani perseguitati Cristianos perseguidos Cristãos perseguidos Cuaresma Cuba Cultura Curia romana Daesh Dialogo Dialogo Interreligioso Dialogue Dio Diritti umani Domenica del Tempo ordinario (A) Domenica del Tempo Ordinario (C) Domenica Tempo ordinario (C) Donna Ecologia Economia Ecumenismo Enciclica Enzo Bianchi Epifania Estados Unidos Eucaristia Europa Evangelizzazione Fame Famiglia Famille Family Família Fede Fondamentalismo France Gabrielle Bossis Genesi Gianfranco Ravasi Giovani Giovedì Santo Giubileo Gregory of Narek Guerra Guglielmo di Saint-Thierry Gênesis Henri Nouwen Iglesia India Iraq ISIS Islam Jacob José Tolentino Mendonça Kenya La bisaccia del mendicante La Cuaresma con Maurice Zundel La Madonna nell’arte La preghiera giorno dopo giorno Laudato si' Le Carême avec Maurice Zundel Lectio Lectio della Domenica - A Lectio Divina Lent LENT with Gregory of Narek Le prediche di Spoleto Libia Libro del Génesis Libro della Genesi Litany of Loreto Litany of Mary Livre de la Genèse Livro do Gênesis Madonna Magnificat Maria Martin Lutero martiri Matrimonio Maurice Zundel Medio Oriente Migranti Misericordia Mission Missione Morte México Natale Navidad Nigeria Noël October Oración Oração Pace Padre Cantalamessa Padre nostro Padri del Deserto Paix Pakistan Papa Francesco Papa Francisco Pape François Paraguay Paul VI Paz Pedofilia Perdono Persecuted Christians Persecution of Christians Persecuzione anti-cristiani Persecuzione dei cristiani Pittura Pobres Pobreza Politica Pope Francis Poveri Povertà Prayers Preghiera Profughi Quaresima Quaresima con i Padri del Deserto Quaresma Quaresma com Henri Nouwen Raniero Cantalamessa Rifugiati Rosary Sacramento della Misericordia Santità Scienza Sconfinamenti della Missione Settimana del Tempo Ordinario Silvano Fausti Simone Weil Sinodo Siria Solidarietà Spiritualità Stati Uniti Sud Sudan Synod Terrorismo Terrorismo islamico Testimoni Testimonianza Thomas Merton Tolentino Mendonça Turchia Uganda Vatican Vaticano Venerdì Santo Viaggio apostolico Violenza Virgin Mary Von Balthasar Zundel
%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: