COMBONIANUM – Formazione Permanente

UNO SGUARDO MISSIONARIO SUL MONDO E LA CHIESA Missionari Comboniani – Formazione Permanente – Comboni Missionaries – Ongoing Formation

Somos criaturas de desejos

Primeira Semana do Advento
Laurence Freeman OSB

advent01.png

Somos criaturas de desejos

Temos estado a maior parte do ano à espera do Advento (a Palavra fez-se carne a 25 de Março, na Festa da Anunciação). Mas, como uma semente que cresce silenciosamente no solo, de dia e de noite, o seu silêncio começa a ser audível nas quatro semanas do Advento. Se conseguirmos ouvir o volume crescente do silêncio da Encarnação, durante esta época de expectativa elevada, estaremos melhor preparados para celebrar o Natal como ele espera ser celebrado.

A natividade no nosso mundo de sentido do humano divino e de Deus humano é infinitamente misteriosa – e, por isso, perde-se facilmente no espalhafato natalício. Ela revela e esconde, simultaneamente. No Advento, começamos a sentir como Deus deve ser, ao mesmo tempo, muito atrevido e muito tímido.

Como o Advento está dobrado em quatro, vamos fazer a experiência de espera em igual número de estágios. O primeiro é a aborrecida percepção de que há alguma coisa por que esperar. Isto é mais sentido do que pensado. Porém, o sentimento de espera aguça a consciência e desperta-nos para nós mesmos. É engraçado que sejamos acordados primeiro pela ânsia, pela dor de não termos aquilo por que ansiamos e que nem sequer conseguimos nomear devidamente. Mas o Homo Sapiens é, naturalmente, descontente e tem sempre fome de mais. As nossas satisfações são maravilhosas, mas não duram muito. Satisfazer um desejo em breve nos mostra que isso não conclui o sentido de incompletude que possuem os nossos sempre mutáveis eus. Antes da rebentação duma onda de sucesso atingir a praia, já outra se está formar por trás dela. Somos criaturas de desejo. Por isso, instintiva e fatalmente, interpretamos cada momento como doloroso ou agradável.
*

Ao vermos isto, amadurecemos e tornamo-nos melhores na educação dos jovens. Torna-nos carinhosos e compassivos para com eles. Somos tocados e divertimo-nos com a sua felicidade transbordante quando as suas esperanças intensas, mas ainda simples, são satisfeitas. Mas isso também nos torna conscientes, tanto de como devíamos ajudar a moldar os seus desejos, como também de que temos que cumprir as nossas promessas.

Por meio desta consciência criada pelo crescimento, aprendemos a estar centrados-no-outro (uma parte do tempo). Reconhecemos a sabedoria provocadora de pôr a felicidade dos outros no mesmo plano da nossa. As crianças exemplificam-nos isso.

Assim, não é surpreendente que quando a sabedoria de Deus vem numa embalagem humana, Ele vem como criança. Temos que tomar conta d’Ele. Debruçarmo-nos sobre Ele. Cuidar d’Ele, mudar-Lhe as fraldas, confortá-Lo quando chora.

O dom pelo qual temos estado à espera satisfaz o nosso desejo até a um grau em que desvia a nossa atenção de nós mesmos.

Tenho visto muitos adultos autocentrados e angustiados, atormentados pelos desapontamentos da sua longa espera, ficarem transformados por um filho recém-nascido, elevados a um tipo de felicidade que nunca poderiam atingir satisfazendo os seus desejos.

A Humanidade também tem estado à espera, desde que foi despertada pela primeira vez pela sua escravidão face ao desejo. Temos estado à espera que Deus irrompa por entre as nossas imagens e desejos projectados sobre os nossos deuses autocriados. Deus apanha-nos de surpresa. Ele chega como um bebé indefeso que temos que aconchegar e proteger, de modo a que possa sobreviver e crescer. Cuidamos de Deus como pais. Mas o crescimento que se segue torna-se maravilhoso como o foi para Maria e José. A nossa chamada “viagem espiritual”.

Quanto a Maria, ela guardava como um tesouro todas estas coisas e as ponderava em seu coração.

Na contemplação, Deus nasce em nós; como, não sabemos, mas, a certa altura, sentimos as dores de parto e o cada vez maior maravilhamento substitui o ciclo do desejo.

O Advento faz sentido porque o crescimento significa a vida a revelar-se e a desabrochar em novos níveis de experiência e de significado. Os assuntos quotidianos, lidar com as coisas, planear para contingências, fazer intervalos para fugir do trabalho pesado, tudo faz parte de um só nível. É o nível literal em que o sucesso e o fracasso são o que parecem porque são assim etiquetados pelos outros. Mas um outro nível manifesta-se onde todos estes julgamentos e actividades aparecem também como simbólicos, reflectindo outra dimensão da realidade, expressando uma nova forma de ser, uma fresca autoconsciência que nos impulsiona de um mundo torturado de julgamento e insatisfação para um reino cheio da maravilha da troca de dons e da real, não sentimental, inocência.
*

O processo de crescimento para isto é a paciência, a arte contemplativa da espera. Perdemos esta arte de sabedoria prática no mundo moderno, mas a meditação restaura-a. Um Advento contemplativo irá reencantar o Natal para nós, poupando-nos ao tédio do seu grosseiro consumismo.

Tornamo-nos pacientemente conscientes daquilo por que esperamos, à medida que se dirige velozmente em direcção a nós, através dos espaços interestelares, apontado a nós, ávido de nós, desejando-nos, transformando o que e como desejamos, à medida que nos tornamos mais agudamente conscientes dele.

Emily Dickinson questionava-se:

Como se devem sentir as Notícias enquanto viajam
Se é que as Notícias têm Coração
Iluminando a Habitação
Adentrando como um Dardo

Somos humildes criaturas de desejo. Por isso, meramente repetimos o ciclo de dor e de prazer, até compreendermos que somos também desejados. Aquilo por que verdadeiramente ansiamos, o amor que nos cria, já nos alvejou. Por isso é que ansiamos por ele. É o que ansiamos porque Deus anseia por nós.

http://www.meditacaocrista.com/advento-2016

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

w

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 03/12/2017 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 1.562 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione Permanente on WordPress.com
dicembre: 2017
L M M G V S D
« Nov   Gen »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

  • 200,037 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Tag

1-2 Samuele Africa Afrique Ambiente Amore Anthony Bloom Arabia Saudita Arte sacra Bibbia Bible Biblia Boko Haram Book of Genesis Cardinal Newman Carême Chiamate in attesa Chiesa China Chrétiens persécutés Cibo Cina Contemplazione Cristianos perseguidos Cuaresma Curia romana Dal rigattiere di parole Dialogo Diritti umani Economia Enzo Bianchi Eucaristia Europa Famiglia Família Fede France Gabrielle Bossis Genesi Gianfranco Ravasi Giovani Giubileo Gregory of Narek Guerra Guglielmo di Saint-Thierry Gênesis Henri Nouwen Iglesia India Iraq ISIS Islam Jacob José Tolentino Mendonça Kenya La bisaccia del mendicante La Cuaresma con Maurice Zundel La preghiera giorno dopo giorno Laudato si' Le Carême avec Maurice Zundel Lectio Lent LENT with Gregory of Narek Libro del Génesis Magnificat Martin Lutero martiri Matrimonio Maurice Zundel Migranti Misericordia Mission Missione Natale Natale (C) Nigeria P. Cantalamessa Pace Padri del Deserto Pakistan Paolo VI Papa Francesco Papa Francisco Pape François Pedofilia Perdono Persecuted Christians Persecution of Christians Persecuzione dei cristiani Pittura Politica Pope Francis Poveri Povertà Prayers Profughi Quaresima (C) Quaresima con i Padri del Deserto Quaresma Quaresma com Henri Nouwen Raniero Cantalamessa RDC Regola di Vita Rifugiati Sconfinamenti della Missione Silvano Fausti Simone Weil Sinodo Siria Sud Sudan Terrorismo Terrorismo islamico Testimonianza Thomas Merton Tolentino Mendonça Turchia Uganda Vatican Vaticano Venerdì Santo Virgin Mary

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: