COMBONIANUM – Formazione Permanente

UNO SGUARDO MISSIONARIO SUL MONDO E LA CHIESA Missionari Comboniani – Formazione Permanente – Comboni Missionaries – Ongoing Formation

O Pão do IV Domingo de Advento (B)

O anjo anuncia: a Vida virá até ti
Comentário ao Evangelho do 4.º Domingo do Advento
Lucas 1, 26-38

Avvento (1)Tendo entrado onde ela estava, disse o Anjo: «Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo».

A incarnação do Verbo é como uma semente lançada ao sulco do solo. A semente cai e leva para dentro da terra uma energia de vida. A terra à sua volta envolve-a e alimenta-a, cede-lhe os seus elementos químicos inertes, e a semente transforma-se numa dimensão superior: do frio escuro da terra extrai cor, perfume e sabor, que se manifestam na mais pequena flor ou na árvore secular (G. Vannucci).

A nossa fé começa por uma anunciação: um anjo afirma que o Omnipotente se faz criança, frémito no ventre de Maria, desejo de leite e carícias.

A anunciação é o ponto de êxtase da história humana, a fresta por onde entra a água de uma outra fonte, a abertura através da qual o divino se enxerta, como um ramo de oliveira no velho tronco, que reaprende a florir. Esse anúncio é uma fenda de luz pela qual a nossa história respira, abre as asas, levanta voo.

A primeira palavra do anjo a Maria, “chaire”, não é uma simples saudação; dentro dela vibra aquela coisa boa e rara que todos nós, todos os dias, procuramos: a alegria – “sê feliz”. Não exige: “reza, ajoelha-te, faz isto ou aquilo”. Mas simplesmente: abre-te à alegria, como uma porta se abre ao sol. Deus aproxima-se e cinge-te num abraço, Ele vem e traz uma promessa de felicidade.

A segunda palavra revela o porquê da alegria: és cheia de graça. Uma palavra nova, nunca antes soletrada na Bíblia ou nas sinagogas, literalmente inaudita, que faz tremer Maria: Deus inclinou-se sobre ti, enamorou-se de ti, deu-se a ti, e tu transbordas de Deus. O teu nome é: amada para sempre. Ternamente, livremente, sem arrependimentos, amada.

E anuncia que Deus escolhe um ventre de mulher, que entra na nossa corrente de santos e pecadores, nesta corrente grávida de lama e ouro; que se espalha por todas as veias do mundo, até aos últimos ramos da criação. Percebe-se que Maria fique sem palavras e que responda primeiro com o silêncio, e depois com uma pergunta: como é possível?

A vocação de Maria é a nossa própria vocação: todos somos chamados a ser mães de Jesus, a torná-lo vivo, presente, importante neste caminho, nesta casa, nas nossas relações.

O anjo Gabriel é novamente enviado a cada casa para anunciar a cada um: «Sê feliz, também tu és amado para sempre, a Vida virá até ti». Eu acredito num anjo que tem a semente de Deus na voz; acredito num Menino, do ventre de uma mulher, que é a história da ternura de Deus, imagem alta e pura do rosto do ser humano.

Ermes Ronchi, In “Avvenire” Trad. / edição: Rui Jorge Martins http://www.snpcultura.org 20.12.2014   


Deixar o céu falar… e adorar

D. António Couto

  1. Este Domingo IV do Advento deixa-nos à beirinha do Natal do Senhor. O Evangelho neste dia proclamado (L” 1,26-38) é um tecido sublime, que as Igrejas do Ocidente conhecem por «Anunciação», e as do Oriente por «Evangelização». Do céu chega a Alegria incandescente a casa de Maria: «Alegra-te, Maria» [= «Chaîre Maria»; «Ave Maria»], «o Senhor está contigo» (Lc 1, 28), não tenhas medo» (Lc 1,30), diz a Maria o anjo enviado por Deus. Alguns anos mais tarde, as mulheres que vão ao túmulo de Jesus ouvirão também a mesma música divina: «Alegrai-vos» (Mt 28,9), «não tenhais medo» (Mt 28,5). E nós, Assembleia Santa que hoje se reúne para celebrar os mistérios do seu Senhor e também de Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, estamos também permanentemente a ouvir esta divina melodia. Portanto, irmãos amados em Cristo, Alegrai-vos, não tenhais medo, o Senhor está no meio de nós!
  2. O centro da cena é de Maria, que podemos ver em alta sintonia com a Palavra de Alegria que lhe chega de Deus. Ao contrário da nossa muito ocidental maneira de ver e de sentir, note-se bem que Maria não esboça qualquer reação à presença do anjo, que tão-pouco é narrada. Ela fica perturbada é com a Palavra que lhe cai nos ouvidos e no coração (Lc 1,29). «Conceberá no ventre» o Filho de Deus (Lc 1,31-33). «Conceber no ventre» é um pleonasmo intencional só dito de Maria por duas vezes (Lc 1,31 e 2,21), claramente para a pôr em pura sintonia com o Deus do «ventre das misericórdias» (Lc 1,78). Note-se como, na sequência do texto, de Isabel só se diz que «concebeu» (Lc 1,36). Surge então a esperada objeção de Maria: «Como será isso, se não conheço homem?» (Lc 1,34). O anjo explica que essa conceção terá a ver com a intervenção de Deus, pois se trata do Filho de Deus (Lc 1,35). Já atrás Maria tinha sido apresentada como «virgem casada» (“parthénos emnêsteuménê”) (Lc 1,27). Não se trata de uma subtileza, mas de um estatuto jurídico em que as pessoas consagravam a Deus a sua virgindade e se dedicavam completamente a Deus. Casavam-se, não em ordem à procriação, mas à proteção mútua. Este estatuto jurídico, não sendo usual no mundo judaico do seu tempo, está, porém, solidamente documentado nos últimos séculos antes de Cristo e depois de Cristo.
  3. Ultrapassada a objeção, Maria responde: «Eis a serva do Senhor; faça-se em mim segundo a tua Palavra» (Lc 1,38). Na Bíblia, apenas os grandes chamados (Moisés, Josué, David) são denominados «Servos do Senhor», sendo Maria a única mulher assim denominada. Deus chama, mas não impõe. A Maria, e a cada um de nós. Podemos sempre aceitar Deus ou esconder-nos de Deus. Deixar Deus entrar ou fechar-lhe a porta. Maria aceitou, e, por isso, todas as gerações a proclamarão bem-aventurada. É o que estamos hoje e aqui a fazer: Feliz és tu, Maria, pioneira de um mundo novo, porque acreditaste em tudo quanto te foi dito da parte do Senhor! Feliz também aquele que ouve a Palavra de Deus e a põe em prática!
  4. Memorial desta beleza incandescente é a Basílica da Anunciação, em Nazaré. Esta grandiosa basílica, em três planos, foi inaugurada a 25 de março de 1969 e foi visitada, ainda as obras estavam em curso, em 1964, pelo Papa Paulo VI. Escavações feitas antes desta grandiosa construção puseram a descoberto, e podem ver-se ainda hoje, os majestosos pilares de uma catedral levantada em 1099 pelo príncipe cruzado Tancredo, bem como o pavimento em mosaico de uma igreja bizantina, que pode ser datada do ano 450. Mas, descendo mais fundo, até às entranhas da atual basílica, acede-se à Gruta da Anunciação, sob cujo altar se lê a inscrição “Verbum caro hic factum est” [«Aqui o Verbo se fez carne»], e a outros lugares de culto antigos, talvez já do século II. Numa grafite antiga foi encontrada a gravação XE MAPIA, abreviação de Chaîre Maria, a primeira Ave-Maria da história.
  5. Em consonância com a música do Evangelho, o Segundo Livro de Samuel documenta, no extrato lido hoje (7,1-16), o desejo de Deus vir habitar no meio de nós. Não num Templo de pedra, mas num Templo de tempo, podendo assim caminhar connosco sempre, como já fez com David, e quer continuar a fazer connosco. É usual, de resto, dizer-se que nós construímos o espaço, enquanto os judeus construíram o tempo!
  6. Aí está também São Paulo a expor-nos, no final da Carta aos Romanos (16,23-25) a grande teologia bíblica do Mistério (“mystêrion”) do Amor de Deus, Mistério escondido eternamente em Deus (Rm 16,25; Ef 3,9; Cl 1,26), mas já presente e atuante na história dos homens desde a Criação (Jo 1,3; Cl 1,16) e agora dado a conhecer (“gnôrízô”) em Cristo (Rm 16,25-26; Ef 1,9; 3,3.10; Cl 1,27), tornando-se, portanto, Mistério conhecido (!), Revelação divina gratuita, doação do Dom e dicção do Dito, totalmente entregue aos homens, para a viverem totalmente. Este «para nós» do Mistério do Amor de Deus é o Propósito (“próthesis”) eterno divino (Rm 8,28; Ef 1,11), a Vontade (“thélêma”) eterna divina (Gl 1,4; Ef 1,5.9.11) – em Deus, pensamento, expressão, comunicação, efeito, Alfa e Ómega, são simultâneos e coeternos – de elevar a nossa humanidade a viver por graça ao nível da sua divindade (2Pd 1,4; 1Jo 3,2). Ao contrário do significado usual que damos à palavra «mistério», na Bíblia, como se vê, «mistério» não é o que não se sabe, mas o que Deus, por graça, nos dá a saber. E é tanto e adorável, e, visto apenas do nosso pequeno patamar, impensável!
  7. É por isso que a hora é de cantar. O tema é, claro está, a bondade e a graça de Deus, que desceu até nós numa história que também foi e vai tecendo por amor. O Salmo 89 insinua-se-nos nas cordas do coração e não nos deixa parar de cantar!

António Couto, bispo de Lamego


IV Advento (B)

O Natal que se aproxima seja Santo e Verdadeiro na vida de todos nós.

Reflexões de Dom Alberto Taveira

Aprendemos no Catecismo que Deus é todo poderoso – onipotente, sabe tudo – onisciente – e está em toda parte – onipresente. No entanto, falamos com frequência de casa de Deus, referindo-nos aos templos, reconhecendo que o Senhor, por pura bondade, escolhe lugares que se tornam sinais de sua presença e de sua graça. Assim as nossas Paróquias, Santuários, ou outros templos e espaços sagrados, inclusive dedicados com os ritos previstos pela Igreja, tornam-se convite ao louvor de Deus, ao recolhimento, à celebração dos Santos Mistérios e à vida em comunidade.

O Rei Davi tinha no coração, pela devoção e gratidão amadurecidas no correr dos anos, com as muitas aventuras de graça e de pecado, o desejo de edificar para Deus um Templo. A resposta veio pelo profeta Natan: “Vou preparar um lugar para o meu povo, Israel: eu o implantarei, de modo que possa morar lá sem jamais ser inquietado. Os homens violentos não tornarão a oprimi-lo como outrora, no tempo em que eu estabelecia juízes sobre o meu povo, Israel. Concedo-te uma vida tranquila, livrando-te de todos os teus inimigos. E o Senhor te anuncia que te fará uma casa” (2 Sm 7, 1-16). Deus se antecipa e seu amor paterno e infinito é que prepara uma casa para seu povo. Casa aqui é família, a dinastia nascida de Davi e a certeza do cumprimento das promessas feitas por Deus.

Antes o Senhor se antecipara, pensando o mundo como casa para a humanidade, na criação do universo. O conceito original de ecologia remete a esta ideia de casa, com o necessário equilíbrio de todos os elementos que contribuem para a felicidade das pessoas. Quando nos distanciamos da certeza da criação, com a qual sabemos que o Senhor acompanha a vida humana e não se afasta da obra a nós confiada, surgem os extremismos tão característicos de nosso tempo. De um lado, a casa da humanidade pode ser mal cuidada, e as agressões à natureza pululam por toda parte, com as consequências de todos conhecidas. Nos últimos meses, muitos atribuíram a São Pedro a seca que assolou regiões antes abundantes de chuvas, esquecendo-se de que já estamos pagando caro pelo nosso pouco cuidado com a casa da humanidade. Outro desequilíbrio acontece com uma verdadeira divinização da natureza e de suas forças. É que acreditar em Deus Criador e Providente, que tem um plano de amor e um projeto de felicidade para a humanidade, acaba incomodando. É mais fácil fazer de Deus apenas uma energia difusa!

Entretanto, a casa edificada por Deus Criador foi confiada à humanidade, quando a narrativa do Livro do Gênesis (Gn 1-2) mostra a responsabilidade do cuidado da vida entregue aos nossos primeiros pais e a toda a sua descendência, na qual estamos incluídos. E da grande casa comum podemos chegar às casas das pessoas, chamem-se assim ou ganhem outros títulos, dos barracos, taperas, casebres ou choupanas, passando pelas edificações dos projetos habitacionais, ou pela casa construída ou adquirida com tanto esforço pelas famílias, para se tornarem lares acolhedores. Daí se pode chegar a mansões ou palácios. A casa atrai por ser ambiente de intimidade, convivência feita de liberdade, espaço de encontro.

O Anjo Gabriel encontrou a Virgem Maria em sua casa, (Cf. Lc 1, 26-38), certamente um lugar muito simples, pois tudo indica que sua família era gente dos pobres de Javé, um resto que não perdera a esperança no cumprimento das promessas de Deus. Na intimidade de um recinto feito sagrado pela vida da família, entra o emissário do Céu! Casa e templo se confundem de uma forma magnífica, pois ali Deus realizava o que anunciara séculos antes a Davi. E agora, maior do que as expectativas humanas poderiam imaginar, o ventre daquela mocinha de Nazaré se torna o verdadeiro Templo onde Deus habita. Deus não só envia o Messias, mas este é o próprio Filho de Deus que se faz carne! Todas as distâncias entre o Céu e a terra são superadas. A responsabilidade da resposta ao plano de Deus foi confiada a uma adolescente! Cada dia a Igreja recorda este mistério, rezando ao som das badaladas dos sinos do “Angelus”: “O Anjo do Senhor anunciou a Maria, e ela concebeu do Espírito Santo… Eis a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra… E o Verbo se fez Carne e habitou entre nós”.

De Nazaré o mistério se espalha! Para o nascimento do Menino Jesus, a casa foi um estábulo e o berço uma manjedoura. Pastores e Magos encontram numa cena bucólica aparentemente irrisória de mãe com filho nos braços, a resposta aguardada por séculos, mesmo por aqueles que não tinham dado nome à esperança. Mais tarde durante sua vida pública, o Filho do homem, que não tem onde reclinar a cabeça (Cf. Mt 8, 18-20), entra na casa e na vida das pessoas, especialmente os pobres pecadores, restaura a alegria, consola os sofredores, cura os enfermos, perdoa, salva! Um dia, é na casa de um homem que preparou “uma sala no andar de cima” (Cf.  Lc 22, 9-12), no calor amigo de uma refeição pascal, que ele assegura  sua presença eucarística! Até que ele venha, a Igreja se reúne para fazer casa aos seus filhos, na força da Palavra e da Eucaristia! De novo aquela sala, feita Cenáculo, foi lugar da oração fervorosa pela vinda do Espírito Santo. Daquela casa saíram às ruas e praças, para levar aos confins da terra o anúncio da salvação.

Não nos é difícil retornar à casa de nossas famílias ou à casa do mundo. Para aguardar e apressar a vinda do dia de Deus (Cf. 2 Pd 3, 11-14), deixemos que o alegre anúncio do Anjo Gabriel a Maria seja dirigido a cada fiel. Ao dar a resposta pessoal, certamente desproporcional à que ofereceu a Virgem Mãe, nasça em nós, no Natal que estamos para celebrar, o compromisso de preparar a casa do coração para que Deus edifique sua morada em nós. Brote um renovado espírito de solidariedade, que nos leve a colaborar para que mais pessoas tenham a casa do teto e do afeto, especialmente os que sofrem mais. Do Presépio de Belém “Casa do Pão” venha a graça da responsabilidade da partilha, para edificarmos o mundo segundo o plano de Deus. O Natal que se aproxima seja Santo e Verdadeiro na vida de todos nós. Para tanto, seja nosso coração casa onde Deus habita!

 

 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

w

Connessione a %s...

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 21/12/2017 da in Fé e Espiritualidade, O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag , , .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 1.563 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione Permanente on WordPress.com
dicembre: 2017
L M M G V S D
« Nov   Gen »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

  • 181,415 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Tag

Advento Africa Amore Anthony Bloom Arabia Saudita Arte Arte cristiana Arte sacra Bibbia Bible Biblia Boko Haram Book of Genesis Cardinal Newman Carême Chiamate in attesa Chiesa China Chrétiens persécutés Cibo Cina Contemplazione Cristiani perseguitati Cristianos perseguidos Cuaresma Curia romana Dialogo Economia Enzo Bianchi Eucaristia Europa Famiglia Family Família Fede France Gabrielle Bossis Gianfranco Ravasi Giovani Giubileo Gregory of Narek Guerra Guglielmo di Saint-Thierry Gênesis Henri Nouwen Iglesia India Iraq ISIS Islam Jacob José Tolentino Mendonça Kenya La bisaccia del mendicante La Cuaresma con Maurice Zundel La Madonna nell’arte La preghiera giorno dopo giorno Laudato si' Le Carême avec Maurice Zundel Lectio Lectio Divina Lent LENT with Gregory of Narek Libro del Génesis Madonna Magnificat Martin Lutero martiri Matrimonio Maurice Zundel Migranti Misericordia Missione Natal Natale Natale (C) Nigeria Noël P. Cantalamessa Pace Padri del Deserto Pakistan Paolo VI Papa Francesco Papa Francisco Pape François Paz Perdono Persecuted Christians Persecution of Christians Persecuzione dei cristiani Pittura Pope Francis Poveri Povertà Prayers Profughi Quaresima (C) Quaresima con i Padri del Deserto Quaresma Quaresma com Henri Nouwen Raniero Cantalamessa Rifugiati Rosary Sconfinamenti della Missione Silvano Fausti Simone Weil Sinodo Siria Sud Sudan Terrorismo Terrorismo islamico Testimonianza Thomas Merton Tolentino Mendonça Turchia Uganda Vatican Vaticano Venerdì Santo

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: