COMBONIANUM – Formazione Permanente

UNO SGUARDO MISSIONARIO SUL MONDO E LA CHIESA Missionari Comboniani – Formazione Permanente – Comboni Missionaries – Ongoing Formation

Batismo de Jesus (B)

Batismo de Jesus: Morrer para si e viver do Espírito
Enzo Bianchi

30.JPG

Com a festa do batismo de Jesus (Marcos 1, 7-11) conclui-se o tempo litúrgico das manifestações, epifanias, do Senhor. Dado à luz por Maria em Belém, Jesus foi manifestado aos pastores como o Salvador e Senhor, foi manifestado no templo aos pobres de Israel que esperavam o Messias, e por fim foi manifestado aos gentios da Terra, representados pelos magos, como Rei dos Judeus. Agora, mergulhado nas águas do Jordão, manifesta-se como o Filho amado de Deus, que faz ressoar sobre Ele a sua palavra reveladora.

O Evangelho segundo Marcos inicia-se precisamente com o anúncio, da parte de João Batista, da entrada em cena de Jesus: «Vem atrás de mim um que é mais forte que eu». O anúncio é surpreendente e escandaloso: entre aqueles que seguem o Batista como discípulos, há um que na realidade é mais forte que ele, o mestre, o profeta. Entre João e este que vem há mesmo uma relação que não pode sequer ser comparada à existente entre um servo e o senhor a quem aquele desata as sandálias. O Batista reconhece e anuncia sobretudo uma diferença nas respetivas missões: ele imerge na água quantos confessam os próprios pecados, mostrando-se dispostos à conversão; Jesus, por sua vez, mergulhará no Espírito Santo, na própria força de Deus, inaugurando assim os tempos da salvação definitiva, realizada através da efusão do Espírito sobre toda a humanidade.

Eis que aparece o Messias, “ungido” com o Espírito Santo, não com uma unção humana: Jesus, de Nazaré da Galileia. Mas como aparece, como vem? Sendo Cristo, o Filho de Deus, esperaríamos uma vinda repleta de glória, uma manifestação que se impusesse. E em vez disso estamos na presença de uma cena na qual não se evidencia nada de divino. Na longa fila de homens e mulheres que se confessam pecadores e necessitados de purificação e perdão da de Deus, está também Jesus. Ele que é «sem pecado» faz-se solidário com quantos estão em contradição com Deus e com a sua vontade, não se distingue deles gabando como diferença a própria santidade. Não, sem exibições, sem protagonismo, pede a João para ser imergido nas águas do Jordão como os outros penitentes. Mas para Jesus o batismo recebido não coincide com a purificação dos pecados, mas com o início de uma missão precisa de comunhão com os últimos, com os pecadores públicos.

Jesus, cujo nome significa “o Senhor salva”, é conotado através da sua proveniência de Nazaré, povoação da sua família e da sua infância, lugar desconhecido em todo o Antigo Testamento. Por isso será chamado “nazareno”, “aquele de Nazaré”, “o profeta de Nazaré”. Sim, Jesus de Nazaré é um nome humano, humaníssimo, e é talvez por isso que no último século, no interior da espiritualidade cristã e não só, goza de uma sorte privilegiada em relação a outros títulos ou designações: isto não é um desconhecimento da sua divindade, mas responde à necessidade de afirmar a sua humanidade, que é antes de tudo solidariedade connosco, homens e mulheres.

E eis que aquele do qual é anunciado que batiza, é agora batizado, mergulhado por João. Seja dito com clareza: João imerge Jesus no Jordão, mergulha-o nas águas, e assim Jesus é como que imergido na morte, afogado e depois erguido, arrancado ao vórtice que submerge. É assim que Jesus desce, alcança o mais baixo do que é baixo, o último lugar que nunca lhe será tirado.

Não podemos esquecer que esta primeira manifestação pública de Jesus surgiu como escandalosa para os primeiros cristãos, que, aclamando-o na fé como Kýrios, Senhor, temiam que neste acontecimento fosse percecionado como inferior ao Batista. Deste modo, progressivamente, deixar-se-á de recordar o facto de que foi João a imergir Jesus (como se Ele se tivesse autoimerso). Não é por acaso que, no Evangelho segundo Mateus, Jesus é apresentado como aquele que tem de convencer o Batista a mergulhá-lo, vencendo a sua hesitação: «Deixa fazer por agora, porque convém que cumpramos toda a justiça».

É precisamente nesta condição “baixa” que acontece para Jesus uma manifestação de Deus, uma teofania. Enquanto sobe da água, vê os céus rasgados e o Espírito descer sobre Ele como uma pomba. Vê o que os outros não veem, recebe uma revelação que aos outros permanece oculta. Os céus rasgaram-se sobre Ele, Jesus tem plena comunhão com Deus, a Terra e o Céu estão em comunicação. É restabelecida a comunhão entre Deus e a humanidade depois que, segundo a tradição judaica, os céus se tinham fechado com o fim da profecia pós-exílica (século V). E precisamente nesses céus abertos Jesus vê o Espírito de Deus – o Espírito que muitas vezes tinha descido sobre os profetas, o Espírito que constituía a unção do Servo-Profeta anunciado por Isaías – descer sobre Ele como uma pomba.

A invocação tantas vezes elevada a Deus pelos crentes de Israel – «se Tu rasgasses os céus e descesses» – é finalmente respondida, e aqui essa resposta é-nos narrada em primeiro lugar através da imagem do voo doce e pacífico de uma pomba. E nas mesmas páginas de Isaías lê-se: «Onde está aquele que tirou das ondas o pastor do seu reba­nho? Onde está aquele que pôs no meio deles o seu santo espírito?». É por isso que Jesus recebe o Espírito no momento de sair das águas. O Espírito que desce sobre Ele é o mesmo Sopro que pairava sobre as águas da primeira criação, e desce agora sobre Jesus, que se torna a Morada, a “Shekinah” de Deus.

A ação de Deus, mediante a imagem da pomba, é acompanhada pela palavra pronunciada pela voz que chega do céu: «Tu és o Filho meu, o amado; em ti pus o meu comprazimento». Depois de ter visto, Jesus escuta uma voz que lhe diz antes de tudo: «Tu és o Filho meu, o amado». É a palavra que revela Jesus na sua identidade mais profunda, palavra que Jesus deverá interiorizar na sua vida humana para responder plenamente à sua vocação, à sua missão, mas antes de tudo à sua verdade. Nesta declaração de Deus, que chega a Jesus através do Espírito Santo, ecoam numerosas declarações de Deus atestadas nas Escrituras de Israel: «Tu és o Filho meu, hoje te gerei»; «Eu serei para Ele pai e ele será para mim filho».

Esta voz implica a paternidade de Deus sobre Jesus e especifica que Ele é o único Filho, o Filho amado, como era Isaac para o seu pai Abraão. Um Filho que, diferentemente de Isaac, não será poupado ao sacrifício porque – como dirá Jesus – os vinhateiros pérfidos, ao verem o Filho amado, não o pouparão, como desejava o Pai, mas matá-lo-ão e lançá-lo-ão para fora da vinha. Eis portanto o Filho amado de quem o Pai se compraz, porque é como o Servo no qual Ele pôs o seu Espírito, o Servo eleito, escolhido, e no entanto rejeitado…

Esta primeira cena da vida de Jesus no Evangelho segundo Marcos está situada significativamente em ligação com o batismo último e definitivo, que Jesus conhecerá como cumprimento da sua missão. Não é por acaso que Ele interrogará os discípulos Tiago e João, perguntando-lhes: «Podereis ser imergidos nas imersões nas quais Eu estou imerso?». A imersão nas águas da morte, da rejeição e da traição, Jesus vivê-la-á na sua paixão, que será a sua epifania sobre a cruz: Jesus crucificado entre dois pecadores, em plena solidariedade connosco, humanos, tal como começou o seu ministério. Então, quando os céus parecem fechados, ao seu expirar rasga-se o véu do templo, porque o Santo dos santos, o lugar da presença na Terra, do diálogo definitivo entre Terra e Céu, é precisamente Ele, Jesus. O véu rasgado é o sinal de que todo o ser humano poder ter comunhão com Deus através do corpo de Jesus, corpo dador de Espírito e de vida.

Nesta festa do batismo nós, discípulos e discípulas de Jesus, somos conduzidos a considerar o nosso Batismo não só como acontecimento que marca o início da vida cristã, mas como dinâmica quotidiana que nos pede, no seguimento de Jesus, que morramos para nós próprios e vivamos do seu Espírito. Desde já cada um de nós, graças ao Espírito Santo efundido nos nossos corações, Espírito com o qual fomos “ungidos” e tornados cristãos, isto é, “messiânicos”, pode dirigir-se a Deus balbuciando: «“Abba”, Pai» e sentir-se por Ele amado. E Deus tem uma só e única palavra em resposta aos nossos gemidos e à nossa invocação: «Tu és amado, amada». É esta palavra que nos sustém e nos faz andar com esperança para a imersão da morte.

Enzo Bianchi
In Monastero di Bose
Trad.: SNPC 
Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

w

Connessione a %s...

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 05/01/2018 da in Fé e Espiritualidade, O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 1.563 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione Permanente on WordPress.com
gennaio: 2018
L M M G V S D
« Dic   Feb »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

  • 181,063 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Tag

Advento Africa Amore Anthony Bloom Arabia Saudita Arte Arte cristiana Arte sacra Bibbia Bible Biblia Boko Haram Book of Genesis Cardinal Newman Carême Chiamate in attesa Chiesa China Chrétiens persécutés Cibo Cina Contemplazione Cristiani perseguitati Cristianos perseguidos Cuaresma Curia romana Dialogo Economia Enzo Bianchi Eucaristia Europa Famiglia Family Família Fede France Gabrielle Bossis Gianfranco Ravasi Giovani Giubileo Gregory of Narek Guerra Guglielmo di Saint-Thierry Gênesis Henri Nouwen Iglesia India Iraq ISIS Islam Jacob José Tolentino Mendonça Kenya La bisaccia del mendicante La Cuaresma con Maurice Zundel La Madonna nell’arte La preghiera giorno dopo giorno Laudato si' Le Carême avec Maurice Zundel Lectio Lectio Divina Lent LENT with Gregory of Narek Libro del Génesis Madonna Magnificat Martin Lutero martiri Matrimonio Maurice Zundel Migranti Misericordia Missione Natal Natale Natale (C) Nigeria Noël P. Cantalamessa Pace Padri del Deserto Pakistan Paolo VI Papa Francesco Papa Francisco Pape François Paz Perdono Persecuted Christians Persecution of Christians Persecuzione dei cristiani Pittura Pope Francis Poveri Povertà Prayers Profughi Quaresima (C) Quaresima con i Padri del Deserto Quaresma Quaresma com Henri Nouwen Raniero Cantalamessa Rifugiati Rosary Sconfinamenti della Missione Silvano Fausti Simone Weil Sinodo Siria Sud Sudan Terrorismo Terrorismo islamico Testimonianza Thomas Merton Tolentino Mendonça Turchia Uganda Vatican Vaticano Venerdì Santo

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: