COMBONIANUM – Formazione e Missione

— Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA — Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa — Blog of MISSIONARY ONGOING FORMATION — A missionary look on the life of the world and the church

Livro do Êxodo (4) Onde começa a verdadeira liberdade

Uma proposta para este tempo de Quaresma: refletir sobre o livro do Exodo!
Como e com Jesus, deixemo-nos conduzir pelo Espirito ao deserto:
“Eu a atrairei, conduzi-la-ei ao deserto e falar-lhe-ei ao coração.” (Oseías 2,16)

As parteiras do Egito/4
Reflexão de Luigino Bruni sobre o livro do Êxodo

4 la-grande-piramide-di-giza

ONDE COMEÇA A VERDADEIRA LIBERDADE
O céu de Deus e dos homens é sempre mais alto que as pirâmides

“Durante a vida toda, devo confessar, fui impelido por duas forças que agiam conjuntamente. Antes de mais, a cólera, a impossibilidade de aceitar o mundo tal como ele é. … A outra força é a luz. Hoje falaria de transparência. Poderia dizer: é a fé”  (Paolo Dall’Oglio, Collera e luce).

Os impérios sempre tentaram usar o trabalho para que na alma dos trabalhadores se apagassem os sonhos de liberdade, de gratuidade, de festa. Precisamente porque é o principal amigo do homem, o trabalho presta-se a ser manipulado e usado contra os trabalhadores, torna-se com facilidade ‘fogo amigo’. Ter trabalho foi e é via de libertação para muitos, e o não poder trabalhar continua a ser uma das principais faltas de liberdade, uma violência de massa do nosso tempo. Mas ao lado do trabalho que liberta e nobilita sempre existiu, e continua a existir, um trabalho que os faraós usam como meio de oprimir os pobres.

O trabalho é o pórtico da constituição republicana italiana, mas isso acontecia também com os campos de ‘trabalho’ nazis: para compreender e amar o trabalho é preciso considerar estes dois ‘portões de entrada’. Continuamos hoje a viver do trabalho e continuamos a não florir e a apagar-nos porque falta trabalho; mas não terminou ainda o tempo em que se morre e se é humilhado por excesso de trabalho e por trabalho errado, quando novos faraós obrigam a trabalhar o dia inteiro e todos os dias, não permitindo que se pense, reze e faça festa, reproduzindo assim as fábricas de tijolos do Egito.

Após ter escutado a Voz junto do silvado, Moisés desceu o monte e teve logo um encontro misterioso. Como Jacob que foi atacado por Deus no Jaboc quando regressava com a família à terra dos pais, também Moisés é enfrentado por Deus na viagem para o Egito com a mulher e os filhos. Aquele Deus que acabara de lhe revelar o seu nome (o SENHOR), enfrenta-o e combate-o agora: “Durante a viagem, no lugar onde Moisés e a família passaram a noite, o SENHOR foi ao encontro de Moisés e quis dar-lhe a morte” (4,24). Deus, que confia uma tarefa ao profeta e depois combate com ele, é um tema que atravessa toda a Bíblia, até ao Filho que enviou para realizar a maior das tarefas, que vem a encontrar-se crucificado num madeiro, abandonado por Elohim (Mc. 15,34). A voz que chama e indica o caminho de salvação a percorrer, ela mesma detém e combate aquele a quem falou, ao longo do caminho que abriu. A vocação e a fé-confiança são dom; mas são também luta, combate que se desenrola na fronteira entre a vida e a morte; conhece e ama esse combate apenas quem escutou uma voz e a seguiu de verdade. Diversamente do episódio do Jaboc que o Génesis descreve com abundância de símbolos e pormenores, aqui o texto não se detém na luta entre Moisés e Deus, mas descreve apenas as ações de Séfora, a mulher de Moisés. Durante o ataque, Séfora circuncidou o filho, e ao sangue do filho está misteriosamente ligada a salvação de Moisés (4,25-26). Depois das parteiras do Egito, da sua mãe e da irmã, da filha do faraó, Moisés é de novo salvo pelas mulheres, pela sua especial vocação à vida, humildes mediadoras entre o divino e a nossa carne.

Moisés continua sozinho o caminho para o Egito. O seu povo acredita de imediato nas palavras de Aarão, a ‘boca’ de Moisés (4,27), e todos “inclinaram-se em adoração” (4,30-31). Muito mais complicado e fracassado, pelo contrário, é o diálogo com o faraó: “Moisés e Aarão foram dizer ao faraó: ‘Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: ‘Deixa ir o meu povo ao deserto, para lá fazerem uma festa em minha honra’. O faraó respondeu: ‘Quem é esse SENHOR para que eu seja obrigado a obedecer às suas ordens e a deixar ir os israelitas? Não conheço o SENHOR nem tampouco quero deixar sair os israelitas’” (5,1-3). O faraó mandou chamar imediatamente os inspetores e capatazes dos hebreus e endureceu as suas condições de trabalho: “Não forneçam mais palha para os israelitas fazerem os tijolos, como têm fornecido até agora. Eles que vão procurar a palha. Mas exijam-lhes a mesma quantidade de tijolos que têm feito até aqui. Nem um tijolo a menos!” (5,7-8).

A reação do faraó perante o pedido de Moisés oferece-nos uma poderosa descrição do que acontece ao trabalho nos impérios de ontem e de hoje. A primeira resposta do faraó refere-se diretamente a Deus: “Quem é esse SENHOR?”, como quem diz: ‘Quem é que o conhece’? A opressão dos povos e dos trabalhadores começa com não admitir qualquer outro deus para além do ‘faraó’, com não reconhecer que existe um céu mais alto que o que tocam as suas pirâmides. No Egito o faraó era uma divindade, o único mediador entre o divino e os homens. Reconhecer o SENHOR e atender ao seu pedido, teria significado que o faraó punha em causa a sua natureza divina e admitia que existiam outros mediadores (Moisés e Aarão). Os impérios não são ateus, são sempre idólatras: não negam Deus, simplesmente transformam em deus pessoas e coisas (dinheiro, poder), as ideias; produzem deuses à sua imagem, e dão-se muito bem com eles.

Há neste episódio uma passagem especialmente significativa para o trabalho. Moisés e Aarão não pediram a libertação definitiva do povo. No primeiro encontro com o Faraó pediram-lhe apenas para “ir ao deserto, a uma distância de três dias de caminho” (5,3), para oferecer sacrifícios ao seu Deus, para rezar, para fazer uma festa. O faraó rejeita o pedido sem apelo; se os deixasse sair dos campos de trabalho mesmo por um só dia de festa e de culto estaria a reconhecer a sua natureza de povo e não já de escravos. É possível rezar em todo o lado e as orações dirigidas ao céu dos campos de prisão são as mais belas e verdadeiras. Mas sair dos campos de trabalho para ir rezar e fazer festa juntos não é uma oração, apenas; é um ato político que, algumas vezes, provocou já a queda de impérios maiores. Se o faraó tivesse permitido ao povo que celebrasse no deserto, estaria a reconhecer não apenas uma religião diversa, mas um direito a fazer festa, à gratuidade e ao não trabalho, um direito que só o homem livre tem, não o escravo (é também por causa da recordação desta escravidão do Egito que a Lei de Israel estenderá o shabbat a todos os seres vivos).

Ao dizer não ao pedido do SENHOR, o faraó, então, simplesmente reafirmou que os filhos de Israel não passavam de escravos em trabalhos forçados. O primeiro e mais natural ato com que os imperadores afirmam que se trata apenas de trabalhadores forçados é negando tempo para o não-trabalho, para o culto, para a gratuidade, para a festa. Os povos deram início à sua libertação rezando, cantando, fazendo festa juntos. Os imperadores têm mais receio das festas que das manifestações de protesto porque contêm a força infinita da gratuidade. Quando sentem ‘ar de festa’ o que fazem é endurecer os trabalhos forçados.

Sempre que um empresário faz com que uma mulher pré-assine a declaração ‘voluntária’ de demissão para o caso de existir uma maternidade, ou quando este capitalismo nega o repouso dominical e o tempo para a festa, regressa-se à lógica do antigo faraó e de todos os impérios. Quando a empresa pede que se trabalhe a todas as horas e todos os dias para atringir os objetivos, ou quando impõe as suas festas e nega as festas de todos, essa empresa torna-se muito semelhante à fábrica de tijolos do Egito; e os seus trabalhadores voltam a assemelhar-se demasiado aos antigos escravos, mesmo se assinaram livremente um contrato e são bem pagos.

Em todos os impérios se morre por falta de trabalho, mas morre-se também por demasiado e mau trabalho; o trabalhador-pessoa apaga-se quando é apenas trabalhador. O trabalho sem não-trabalho é trabalho forçado de escravo; a liberdade de estabelecer um limite ao trabalho é que gera a separação antropológica entre nós e o mundo das coisas, entre o Manuel e o engenheiro Sousa, separação essa que é essencial para dar dignidade às coisas que se produzem e para salvar a excedência espiritual da vida nossa e dos outros. É bom não esquecê-lo exatamente no período de grave crise de trabalho em que estamos. Reaprenderemos hoje a trabalhar e a criar trabalho se formos capazes de pedir aos atuais faraós tempo para a gratuidade e para a festa, palavras que eles não apreciam porque demasiado subversivas e inúteis na produção dos seus tijolos.

A liberdade de culto, de gratuidade, de festa é a primeira forma de excedência antropológica e de dignidade ética de qualquer civilização porque diz aos faraós e seus herdeiros de hoje: ‘Vocês não são deus para mim, para nós, e não o são para ninguém, nem sequer para vocês mesmos. As vossas festas voltadas para o lucro não nos satisfazem; queremos outros altares para celebrar a nossa liberdade e as nossas libertações’.

Os três dias de caminho para um altar diverso teriam sido os primeiros passos em direção à terra prometida, o fim da escravidão. O faraó não queria nem podia permitir-lhos. Mas chegaram. Os dias de caminho livre para celebrar e fazer festa juntos continuam a acontecer ao longo da história, apesar dos imperadores. Porque as altíssimas pirâmides não chegam para satisfazer o nosso desejo de céu, que é sempre mais alto do que elas.

por Luigino Bruni
publicado em Avvenire em 31/08/2014


 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 614 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

  • 239.079 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: