COMBONIANUM – Formazione e Missione

— Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA — Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa — Blog of MISSIONARY ONGOING FORMATION — A missionary look on the life of the world and the church

A gramática do Amor

11

Queridos irmãs e irmãos,

Estes dias tenho estado a ler os textos de um filósofo, Hobbes. É ao mesmo tempo terrível e evidente a marca que ele deixa no pensamento moderno, no pensamento contemporâneo. A ideia que ele tem da natureza é que a natureza é uma guerra generalizada de todos contra todos. Na sua autobiografia ele diz esta coisa intensa: “Quando eu nasci a minha mãe teve dois filhos, nasci eu e nasceu o medo.” Porque, para ele, aquilo que pode estruturar a sociedade, aquilo que nos pode orientar é o medo. E por isso, os Estados têm de ser Estados fortes, consolidados, em que o poder de nenhuma maneira pode ser posto em causa porque é o medo que nos governa, é o medo que protege a paz social. E isto ele desenvolve no famoso livro Leviatã, em que trata desta conceção de Estado.

É muito interessante porque, de certa forma, afastando-nos agora das teses do Hobbes. Se calhar também nós podemos dizer “quando eu nasci a minha mãe teve dois filhos, teve-me a mim e teve o medo.” Porque, quando pensamos em nós, nas categorias profundas da nossa vida, o medo é se calhar das coisas mais antigas, mais fortes, mais ambíguas que cada um de nós transporta. E mesmo na nossa relação com Deus o medo, infelizmente, acaba por estar tão presente. Nós que estamos aqui, porque é que estamos aqui? Eu não digo: de nenhuma maneira é por medo (se calhar mesmo numa visão pacificada, positiva, confiada com Deus). O fantasma do medo está lá sempre presente. Nós temos medo que Deus nos castigue, nós temos medo que isto não seja suficiente, nós temos medo de não estar a fazer as coisas bem. Nós temos medo, nós temos medo. E é tão importante nós ouvirmos a palavra de Jesus que nos diz: Não é o medo, é o Amor. “Eu sou o Bom Pastor, Aquele que vem falar do Amor, Aquele que vem revelar o Amor, Aquele que vem dizer: quando eu nasci a minha mãe teve dois filhos, teve-me a Mim e teve o Amor.”

Mas para isso tem de acontecer uma transformação na nossa vida, que não é de um momento para o outro, é o nosso caminho de vida cristã. Em lugar do medo e de pensar a nossa relação com Deus, a nossa relação com os outros, a nossa relação em sociedade, a nossa relação connosco próprios, em chave de medo, como tantas vezes nós pensamos, pensá-la em chave de Amor. Esta é a grande transformação que Jesus nos vem trazer. Ele hoje fala-nos do Amor e apresenta-nos como o Pastor Amoroso, Aquele que nos vem revelar o Amor de Deus.

As leituras todas nos explicitam detalhes sobre esta gramática do Amor que Jesus vem introduzir em nós. O primeiro é o discurso de S. Pedro em Jerusalém, quando Pedro diz: “Este homem e todos os homens são curados pelo nome de Jesus. Então, como é que nós podemos conhecer o Amor de Jesus? Podemos conhecer o Amor de Jesus porque ele nos cura. Ele não se conforma com o irremediável na nossa vida, a dizer: tu tens este defeito, tu tens esta imperfeição, isto não tem remédio. Não, para Jesus é sempre reversível a nossa vida, há sempre um remédio. Ele cura-nos, Ele transforma-nos, Ele é capaz de mudar o nosso feitio, o nosso temperamento. Porque a vida cristã é uma dinâmica também de cura, também terapêutica. Nós vemos nos Evangelhos tantos milagres, não é por acaso, é porque é nesse processo de transformação interior, de sanação interior que nós percebemos quem é Jesus, que nós tateamos o Seu Rosto. É na medida em que nós cristãos podemos dizer: eu mulher/eu homem fui curado, sou curado pelo Amor que Ele me dá, o Seu Amor cura as minhas feridas, transforma a dureza e a violência do meu coração, ensina-me a mansidão, ensina-me a paz, ensina-me o perdão. Ele cura-me, Ele transforma-me, Ele ensina-me. É na medida em que nós podemos dizer isso e dizer isto de uma forma objetiva, concreta, real que nós conhecemos o Amor de Deus.

Querido João Pedro, tu hoje vais receber os Sacramentos de iniciação cristã. O mais importante é sentires que Deus te ama. Aquilo que Simone Weil dizia: “O mais importante não é termos fé em Deus mas é descobrirmos que Deus tem fé em nós.” E podemos dizer: o mais importante não é o amor que temos a Deus mas é descobrirmos com todas as forças da nossa vida o Amor que Deus tem por nós. Descobre o Amor que Deus tem por ti! Esse Amor incessante, esse Amor inconformado, esse Amor constante, esse Amor fiel, esse Amor permanente. Esse Amor que nunca diz: está derrotado, está acabado. Esse Amor que acende debaixo da cinza a possibilidade de fogo, a possibilidade de vida. Aconteça o que acontecer, sente na tua vida que és amado por Deus e faz disso a tua verdade, o teu ponto de partida, o teu caminho.

Depois, a Epístola de S. João abre-nos outro entendimento do Amor que Jesus nos vem revelar. Ele diz: “Jesus vem dizer-nos que somos filhos porque nos permite ver a Deus tal como Ele é.” Em Jesus nós vemos a Deus tal como Ele é. E de facto, nós, cristãos, nunca vimos Deus. O Evangelho de S. João e a Epístola de S. João há de lembrar a Deus nunca ninguém viu. Nós nunca vimos Deus, aquilo que nós vimos de Deus é o que nós contemplamos em Jesus. Aquilo que Jesus nos revela de Deus é a nossa sabedoria de Deus.

Por isso, coloquemos, e João Pedro coloca o teu olhar em Jesus. Faz Dele o Mestre da tua vida, o Mestre de todas as horas, Aquele que te revela ao Pai, Aquele que te conduz a cada momento ao Pai e te dá esta certeza de que não é o medo o companheiro da nossa vida mas é a confiança, mas é o Amor e que isso seja a alavanca necessária a cada momento para nos levantarmos do peso das coisas e vivermos como ressuscitados.

E depois, no Evangelho, nesta página extraordinária escrita por S. João. Jesus diz uma coisa curiosa, Jesus diz: “Eu sou o Bom Pastor.” Podemos traduzir assim. O adjetivo kalós. “Eu sou o Bom Pastor.” Mas, o primeiro sentido de kalós, não é o bom, é o belo. Eu sou o Belo Pastor. E nós estamos aqui porque Jesus sacia a nossa fome de bondade, é verdade; porque Jesus sacia a nossa fome de verdade, é certo. Mas também porque Jesus sacia a nossa fome e sede de beleza. Nele nós saciamos a nossa ânsia de beleza, de uma beleza que nos salve, de uma transparência, de uma consistência, de uma harmonia que tantas vezes nós não encontramos na vida e ficamos esfomeados dessa beleza, desse sentido. Que não seja só isto, que não seja só o que os nossos olhos veem mas seja essa outra coisa que nos ilumine, que nos fascine, que nos arrebate, que nos assombre, que seja também o nosso êxtase. Porque a vida tem de ser também êxtase. A vida tem de nos espantar, tem de nos fazer abrir a boca, tem de nos assombrar. A vida não é só o fazer as coisas certas. Claro que isso é bom e importante mas nós precisamos de um assombro. Como na tua vida, João Pedro, quando descobriste a Catarina com quem te vais casar. Foi um momento de assombro, de espanto. Porque, é alguma coisa que não estava em ti e de repente encontraste. Isso abriu a vida, deu um sentido novo à vida e estás disposto a mudar tudo por causa dessa beleza que descobriste.

E isso é assim no amor e é assim numa fome e numa sede fundamentais que nós humanos carregamos na nossa vida. Porque nós somos poeira mas poeira enamorada, precisamos de nos enamorar de alguma coisa, precisamos que a vida seja esse êxtase. E Jesus é o Pastor dessa fome do nosso coração porque Ele é o Belo Pastor. É Aquele que nos dá um espanto perante as coisas, perante a realidade. Esse espanto que é a nossa oração de cada dia, que nos dá um sentido de outra coisa que alimenta aquela fome, aquela inquietação indizível que o nosso coração transporta. Aquilo que Sto. Agostinho diz: “O meu coração andava inquieto, sem descanso enquanto não repousei em Ti.”

Querido João Pedro, tu também andavas inquieto e o teu coração também procurava em tantas perguntas até chegares a Jesus. Procura que seja Ele o Belo Pastor da tua vida e responda às questões mais amplas, mais decisivas, mais determinantes que o teu coração a cada momento fará. E que seja assim com todos nós.

Pe. José Tolentino Mendonça, Domingo IV da Páscoa
http://www.capeladorato.org/2018/06/19/a-gramatica-do-amor/

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 01/07/2018 da in Fé e Espiritualidade, O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 512 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com
luglio: 2018
L M M G V S D
« Giu   Ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

  • 215.266 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: