COMBONIANUM – Formazione e Missione

— Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA — Uno sguardo missionario sul mondo e sulla Chiesa — MISSIONARY ONGOING FORMATION — A missionary look on the world and the Church

O Pão do XVI Domingo do Tempo Comum (B)

XVI DOMINGO DO TEMPO COMUM (B)
Marcos  6,30-34

Koder.jpg

Como ovelhas sem pastor

De volta da missão a que o Senhor os enviara, os apóstolos estavam cansados. Jesus então convidou-os a irem para um lugar deserto, afastado da multidão. Mas esta, ao vê-los embarcar, correu a pé e chegou antes deles! Jesus, então, encheu-se de piedade daquela gente, “porque eram como ovelhas sem pastor”.

A reflexão é de Marcel Domergue (+1922-2015), sacerdote jesuíta francês, publicada no sítio Croire, comentando o evangelho do 16º Domingo do Tempo Comum, do Ciclo B (22 de julho de 2018), correspondente ao trecho de Marcos 6, 30-34. A tradução é de Francisco O. Lara, João Bosco Lara e José J. Lara.

«Para um lugar deserto»

Vamos encontrar esta mesma formulação, palavra por palavra, em Mateus 14; após ficar sabendo da morte de João Batista, Jesus deseja um pouco de solidão. Aqui, em Marcos, o esquema é idêntico, mesmo se o contexto é um pouco diferente: buscando fugir da multidão, foram sozinhos, de barco, «para um lugar deserto». Mas em vão! Eis que, ao desembarcarem, muita gente havia chegado antes deles, a pé: era uma multidão em estado de carência, privados de saúde e de certezas. Assim como em Mateus, também aqui Jesus é “tomado de compaixão”. Mas, que decepção: ao invés das curas e da multiplicação dos pães (Mateus), Jesus “começou a ensinar-lhes muitas coisas”. A menos que se considere curar, alimentar e ensinar como equivalentes. Por exemplo, quando lemos um bom livro, não dizemos : “isto nos alimenta”; ou então, “agora vejo mais claro” (os cegos curados); ou ainda, “isto faz bem”, “isto muda tudo”? Seriam simples metáforas? Talvez, mas nem sempre a verdade está ausente das metáforas. Pensemos nesta do bom pastor que cuida das suas ovelhas e as alimenta, e comparemos com o versículo 34 do evangelho. Há uma analogia entre este texto e Mateus 14. Não quero dizer que se possa reduzir a multiplicação dos pães a um ensinamento, mas sabemos que nem só de pão vive o homem, mas também da palavra que sai da boca de Deus. Palavra terapêutica e nutritiva: é o pão verdadeiro, de João 6. O pão das nossas mesas, se bem que necessário, é somente uma figura daquele Pão «que dá vida ao mundo»(João 6,33).

O pastor está aí: ouçamos sua voz

A figura do pastor remonta aos grandes pastores nômades do Gênesis; Abraão, Isaac, Jacó. Através deles, Deus é o pastor que conduz seu povo. Em João 10, esta figura encontra a sua realização, a sua última verdade. Guiar, alimentar, curar, é certo que sim; mas como? “Dando a vida por suas ovelhas”. Quando lemos “pastor”, devemos pensar imediatamente no gesto pascal. Em João 21, Pedro foi declarado pastor das ovelhas, ao mesmo tempo que convidado a seguir o Cristo até “aonde não queria ir”. Neste evangelho, as ovelhas estão sem pastor: ninguém ainda deu a vida por elas. Pastores é o que não falta, com certeza, mas não são “bons pastores”. A estes, Jeremias (1ª leitura) opõe o “germe justo” de Davi, antevendo o Cristo no futuro. E hoje? Neste caos de ideias e projetos em que vivemos, em meio a tantos ‘gurus’ e tantos ‘líderes’, onde estará o Cristo? Para muitos, Jesus de Nazaré e seu Evangelho já estão gastos, superados. O mundo já fez a experiência do “cristianismo” e não deu em nada: o mal e a desgraça estão sempre aí. Na realidade, da mesma forma que para Jeremias, o Cristo está sempre por vir. E nós estamos somente no início da evangelização, que, aliás, é sempre a ser refeita. Como ovelhas sempre errantes, não sabemos para onde ir! Nossos caminhos são privados de sentido. Ovelhas dispersas, temos necessidade de sermos reunidos. Pois o pastor está aí: saibamos ouvir a sua voz, que nos ensina muitas coisas.

Iguais ao mestre

Mas será que o Cristo se contenta tão somente com nos comunicar um saber? Lembremos, além disso, tudo o que está dito sobre a vinda do Reino, sobre o chamado à conversão, quer dizer, a inversão do curso em nossa vida, que nos faz passar da “sabedoria deste mundo” ao caminhar na via que o próprio Cristo é quem nos abre. É a escolha da nossa verdade, da verdade de nossas vidas, a escolha da “nossa justiça”, conforme diz Jeremias. As ovelhas errantes, perturbadas por “todo vento de doutrina” (Efésios 4,14), encontram uma estrada segura que é o próprio Cristo: o que Ele oferece em seu “ensinamento” é sua própria pessoa. Longa é a estrada que nos leva a fazermo-nos Um só com o Ele. Jesus é quem nos ensina, nos forma e nos transforma, fazendo isto longamente, durante todo o percurso. Este caminho abre para nós sem cessar sempre novas paisagens, conforme as diversas e imprevistas situações que temos de viver. Mas a palavra, “ensinamento”, diz também outra coisa: é uma palavra que se refere a algo que se propõe, que se mostra, mas que deixa o destinatário em sua plena liberdade. É a palavra que expressa uma ajuda para se ver claro; é como a luz, mas a decisão permanece sempre com quem a recebe. Ensinar é pôr o outro em condição de poder exercer a sua liberdade; é também elevar o discípulo ao nível do mestre. De fato, em Cristo, somos feitos Cristos, filhos no Filho, o que compreende que adotamos “a sabedoria da cruz” (1 Coríntios 1,18-25).

http://www.ihu.unisinos.br


 

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 20/07/2018 da in O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 481 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com
luglio: 2018
L M M G V S D
« Giu   Ago »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

  • 207.037 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: