COMBONIANUM – Formazione e Missione

— Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA — Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa — Blog of MISSIONARY ONGOING FORMATION — A missionary look on the life of the world and the church

O ícone da Dormição da Mãe de Deus: Arte e espiritualidade do Oriente

uspenie


A 15 de agosto, a Igreja bizantina celebra a festa da Dormição da Mãe de Deus. As narrativas da dormição fazem parte dos escritos apócrifos do Novo Testamento, que constituem uma literatura florescente nos primeiros séculos da Igreja. O desenvolvimento destes relatos sobre a morte da Mãe de Deus deve-se ao concílio de Éfeso (431), que fixou a atenção sobre a eminente dignidade da Virgem Maria, chamada “Théotokos”.

O relato geral sobre o destino final de Maria é frequentemente semelhante nos textos apócrifos, apesar de certas variações. Maria recebe o anúncio da sua morte, pelo arcanjo Gabriel, que lhe dá uma palma. Ela prepara então tudo o que é necessário e profere a sua última oração. Os apóstolos e discípulos são milagrosamente transportados pelas nuvens. Os doentes reúnem-se perto da casa de Maria em Jerusalém, onde muitas maravilhas se manifestam. Jesus aparece para acolher a sua mãe, acompanhada de tropas angélicas. Recebe então a alma de Maria. Os apóstolos depõem o corpo num féretro e transportam-no. Mas um judeu, chamado Jefonias em algumas narrativas, tenta profanar o corpo: então um anjo corta-lhe as mãos, que ficam suspensas no ar, perto da cama. Após uma invocação à Santíssima Virgem, recuperá-las-á. Os apóstolos depõem o corpo num novo sepulcro no Getsémani, local da agonia de Jesus antes de ser preso, condenado e morto.

Alguns textos apócrifos relatam a chegada tardia de Tomé, muito ocupado com o seu ministério apostólico na Índia. Elevado também ele numa nuvem em direção a Jerusalém, encontrou nas alturas a Mãe de Deus que subia corporalmente aos céus. Tomé pede-lhe para o abençoar, e ela oferece-lhe o cinto. Chegado a Jerusalém três dias depois, pede para ver o túmulo da Virgem Maria, que os apóstolos abrem, encontrando-o vazio. Tomé mostra então o cinturão que a Mãe de Deus lhe dera e narra como a viu subir ao céu.

O ícone confere destaque aos rostos: percebe-se a tristeza misturada com uma doce esperança em todos os personagens representados. Esta mistura de tristeza e certeza é um sinal distintivo dos crentes que vivem na expectativa da ressurreição

O ícone que apresentamos pertence à escola de Aleppo. Foi pintado por Girgis Al-Musawwer pela segunda metade do século XVIII. Conservado no arcebispado grego melquita católico Beirute, mede 70 cm de comprimento e 35,5 cm de largura. Uma longa inscrição árabe na parte inferior menciona os nomes dos doadores e refere que o ícone foi oferecido à catedral melquita do Profeta Elias – Beirute em 1883.

Diante de um fundo que ilustra os edifícios de Jerusalém, Maria aparece reclinada numa cama cerimonial no meio dos apóstolos. As mãos dela estão cruzadas sobre o peito e a cabeça com halo está pousada sobre uma pequena almofada. Há duas velas junto da cama. A alma da Virgem é representada na forma de uma figura infantil, que acaba de nascer no Reino. Envolta em panos brancos e coroadas por um halo, repousa sobre os braços de Cristo, ladeado por dois anjos. Como Maria levou ao colo Jesus envolto em faixas, Jesus transporta a alma da sua mãe. A sua morte é o seu nascimento no céu. Cristo está rodeado de uma mandorla luminosa (figura com formato semelhante ao de uma amêndoa que corresponde à intersecção de dois círculos com o mesmo raio), coroada por um serafim, flanqueado por dois anjos.

O apóstolo Pedro está inclinado sobre a cama, em atitude de lamentação; sendo o principal dos apóstolos, preside à cerimónia mortuária e agita o incensário. Aos pés de Maria, o apóstolo Paulo parece também estar a chorar e faz contraponto com Pedro. Quatro  bispos (Timóteo, primeiro bispo de Éfeso; Tiago, irmão do Senhor, primeiro bispo de Jerusalém; Dionísio, o aeropagita e Hieroteu, bispo de Atenas) participam igualmente no funeral da Mãe de Deus. Algumas mulheres que lamentam a morte aparecem na parte de trás da assembleia. Em frente à cama vê-se o incidente do judeu incrédulo, em pequenas dimensões. A parte superior do ícone ilustra duas cenas: a chegada dos apóstolos às nuvens, em dois grupos, e a do reencontro de Maria com Tomé.

«Vinde, todos os confins da Terra, cantemos o bem-aventurado trânsito da Mãe de Deus: entre as mãos do seu Filho ela entregou a sua alma sem pecado; pela sua santa Dormição o mundo é de novo vivificado»

O ícone confere destaque aos rostos: percebe-se a tristeza misturada com uma doce esperança em todos os personagens representados. Esta mistura de tristeza e certeza é um sinal distintivo dos crentes que vivem na expectativa da ressurreição.

O ofício litúrgico da Dormição está repleto de alegre esperança. Jesus, que tanto amava a sua mãe, veio do céu para a acompanhar, a fim de que interceda por nós. A liturgia da festa não se limita a assinalar a morte de Maria, ultrapassando essa dimensão ao celebrar a passagem de Maria ao céu em corpo e alma. Isso está claramente representado no ícone da Dormição. Maria pode ser considerada como o tipo acabado de uma morte santa, ela é o nosso modelo na prova da morte. A passagem de Maria, em corpo e alma, para o céu é uma antecipação da ressurreição geral. É a festa da natureza humana: todo o crente deve tomar Maria como modelo para alcançar a deificação.

«Vinde, todos os confins da Terra, cantemos o bem-aventurado trânsito da Mãe de Deus: entre as mãos do seu Filho ela entregou a sua alma sem pecado; pela sua santa Dormição o mundo é de novo vivificado, e é com salmos, hinos e cânticos espirituais que com os anjos e os apóstolos ele a celebra na alegria» (oração proferida aquando da procissão com o ícone da Dormição ao anoitecer de 14 de agosto nas Igrejas do Oriente).

dormicao.jpg

Ícone da Dormição da Santíssima Mãe de Deus | Girgis Al Musawwer | Aleppo, séc. XVIII | Publicado em A.M. de la Croix, “Icônes arabes art chrétien du Levant”, Paris, ed. Grégoriennes, 2003 | D.R.

Charbel Nassif
In Narthex
Trad.: Rui Jorge Martins
http://www.snpcultura.pt
Publicado em 10.08.2018

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 14/08/2018 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , , , .

San Daniele Comboni (1831-1881)

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 590 follower

Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

  • 229.751 visite

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d'autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all'immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: