COMBONIANUM – Formazione e Missione

— Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA — Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa — Blog of MISSIONARY ONGOING FORMATION — A missionary look on the life of the world and the church

5° Domingo do Tempo Comum (C)

O Pão do 5° Domingo do Tempo Comum (ciclo C)
Lucas 5,1-11


Pesca Milagrosa de Jesus

Quem irá por nós?
José Tolentino 

Queridos irmãs e irmãos,
(…) Papa Francisco na Evangelii Gaudium diz: “O sonho missionário de chegar a todos.” Deus quer chegar a todos, quer tocar o coração de cada pessoa, quer levar a Sua Palavra, a semente da Sua esperança a cada morada. Quer ser a âncora, quer ser a tenda, quer ser o caminho, quer ser a mesa aberta na vida de cada um.

Mas a palavra que Isaías escutou é a palavra que nós escutamos também, essa pergunta que Deus faz: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” Quem cumprirá o sonho missionário de chegar a todos? Quem será a presença de Jesus? Quem levará Deus ao horizonte humano? Quem, no concreto da vida, nos dias minúsculos da história poderá testemunhar a grandeza de Deus? Quem irá por nós? Quem falará em nosso nome?

E aqui, perante a grandeza do testemunho, cada um de nós se sente fraco, se sente pecador, se sente indigno, se sente impuro. A verdade é que este sentimento, muito real em cada um de nós, acaba por nos desmobilizar, acaba por ser um travão. Nesse sentido, é muito interessante o ritmo destas três leituras que nos apresentam situações vocacionais gerais do Povo de Deus.

Comecemos por Isaías. Isaías era um cortesão, era um funcionário real, vivia na corte. Ele não era profeta, nem ninguém nasce profeta como nenhum de nós nasce cristão. Nós não nascemos cristãos, nascemos homens e mulheres, depois tornamo-nos cristãos. Isso é uma grande diferença, porque a descoberta do chamamento de Deus, do apelo missionário para nos tornarmos um povo de testemunhas não nasce connosco, é uma descoberta. Muitas vezes a contra gosto, a contraciclo nas nossas vidas.

Isaías nunca pensou ser profeta, mas naquele dia ele assistiu à manifestação de Deus. Temos aqui uma maravilhosa linguagem poética e bíblica: “Viu os querubins, os serafins.” Viu a glória de Deus, testemunhou a glória de Deus. A verdade é que cada um de nós, na nossa vida, em tantos momentos, testemunha de uma forma vibrante, de uma forma real, de uma forma que mexe connosco. Testemunhamos em sobressalto a glória de Deus. E Isaías pensa: “Eu vou morrer porque eu vi a glória de Deus.” Mas quando ele pensa que vai morrer e que está tudo acabado acontece o contrário: vem um anjo com uma tenaz e purifica os lábios dele. Isto é, cura-o, transforma-o da sua fragilidade, do seu pecado e torna-o capaz de testemunhar.

A mesma coisa nós temos com S. Paulo. Paulo era um perseguidor, era um opositor radical da experiência cristã. Ele tinha ido pedir cartas às autoridades de Jerusalém para perseguir os cristãos até Damasco. Isto é, até ao fim do mundo ele havia de prender os cristãos. E precisamente naquele caminho, este homem que depois diz que é o último dos Apóstolos, que nasce como que de um aborto, este homem é tocado por Cristo, é transformado por Cristo. E aquele que era um perseguidor torna-se um apóstolo, torna-se um anunciador.

A mesma coisa nós temos com Pedro. A relação de Jesus com ele contada no Evangelho de Lucas, neste capítulo 5, é extraordinária porque se percebe como Deus vai entrando progressivamente na vida dele, como quem não quer, de uma forma discreta, com pezinhos de lã, como tantas vezes Deus faz na nossa vida. Primeiro nos pede uma coisa e depois nos pede outra, e depois outra e de repente nós percebemos que estamos dentro do Seu projeto, dentro da Sua palavra.

Primeiro Jesus pede a Pedro um barco, o barco está à mão para fazer dele um palco, um pódio para falar à multidão que está na margem do lago. Depois Jesus faz-lhe uma proposta completamente inesperada: “Faz-te ao largo e lança as redes.” E Pedro que é um pescador experiente e vem de uma faina fracassada diz: “Senhor, já labutamos toda a noite e não conseguimos nada, porque é que eu hei de confiar na tua palavra, tu nem pescador és, não sabes nada disto. Eu já experimentei o mar, já sei o que posso tirar e o que não posso, e hoje já arrumei as redes.” E o Senhor diz: “Confia na palavra.” E quando as redes se enchem de peixe, quando Pedro faz até ao fundo a experiência da confiança na Palavra de Jesus ele vem ter com Ele e diz: “Senhor, afasta-te de mim porque sou um homem pecador.”

Nós somos mulheres e homens pecadores os que estamos aqui. Mas o que é que nos afasta de Deus? Não é o pecado que nos afasta de Deus. Não é a nossa fraqueza que nos afasta de Deus. Não é a nossa fragilidade que nos afasta de Deus. O que nos afasta de Deus é sim a autossuficiência, é sim a crosta que nos impede de ver a nossa fragilidade, é sim aquele obstáculo de soberba, de convencimento que não nos deixa perceber o quão carentes estamos da misericórdia de Deus. Por isso, acontece mais vezes na nossa vida que é a virtude a afastar-nos de Deus do que o pecado a afastar-nos de Deus, por contraditório que isto possa parecer. Às vezes quando tudo corre bem, quando está no nosso controle, e nós somos pessoas tão boas e está tudo a rolar, tudo a acontecer, parece que Deus não é necessário na nossa vida. Não precisamos Dele, nós damos conta do recado, nós valemos por nós, nós resolvemos tudo, sabemos tudo. Por vezes quando estamos mergulhados na dor, no sofrimento, na lama, na miséria, quando sentimos a profunda pobreza interior então percebemos que sozinhos não nos salvamos. Precisamos da mão estendida de Deus que toque, que agarre, que transforme a nossa vida.

Por isso, nos Evangelhos nós temos este paradoxo: são os pecadores que melhor escutam a Palavra de Jesus. São aqueles desclassificados, os que estão distantes, que comem e bebem com Ele, e aceitam a Sua proposta e se mobilizam para a transformação interior que a sua Palavra é capaz de despertar. Os justos do tempo, os fariseus e os escribas andavam sempre com duas pedras na mão, sempre com cálculos, sempre a medir, sempre a julgar. É esta condição de mulher e homem pecador, é o assumir da nossa fragilidade com verdade diante de Deus que nos cura, que nos transforma, que abre na nossa vida uma brecha real para Deus atuar, para Deus transformar.

Quando Pedro se abeira de Jesus e diz “Senhor, afasta-te de mim porque sou um homem pecador”, Jesus diz “Pedro, a partir de hoje serás pescador de homens.” É esta condição, é esta palavra de Pedro que mostra que ele tinha as condições necessárias para ser um verdadeiro discípulo do Senhor, para ser enviado não em nome da sua certeza ou da sua virtude, ou das suas estratégias mas para ir cheio de Deus e ir em nome de Deus.

Queridos irmãs e irmãos, é tão importante não reduzirmos a nossa experiência cristã a uma espécie de moralismo onde nos julgamos uns aos outros, como um clube de bem-comportados. A fé e a Igreja não é isso, é outra coisa. São mulheres e homens com os pés assentes na terra, que não são melhores do que os outros, muitas vezes são até piores do que outros que não têm fé. E contudo, atiram a sua pobreza, a sua miséria para os pés do Senhor. E contudo, sabem que o Senhor é capaz de transformar até o nosso lixo em coisas preciosas, que o Senhor é capaz de tornar cada um de nós vaso da sua eleição, instrumento do Seu Evangelho, do Seu Reino, e por isso nos colocamos com confiança.

(…) Se calhar nós já somos cristãos há décadas mas nunca fizemos uma ação de evangelização, nunca falamos do Evangelho, nunca anunciamos o Evangelho. Achamos que anunciar o Evangelho é para os outros, para os outros evangélicos ou para as testemunhas de Jeová, e muitas vezes o nosso grande pecado é o pecado da omissão, é o pecado da abstenção. Nós vemos mas não dizemos, não falamos, não fazemos a proposta. Não é impor, é não fazemos a proposta. E muitas vezes o coração do outro é uma terra boa, é uma terra que está à espera daquela semente, mas ele não a recebe de nós. Por omissão, por vergonha, por respeito humano, porque também nós nos sentimos pecadores e dizemos: “Então sou eu que vou anunciar? Eu que ainda não vivo completamente, eu que, eu que, eu que…” E perdemo-nos, e o Evangelho não é o que podia ser, e não se multiplica. A vida não se multiplica porque nós ficamos presos a uma consciência de culpa, em vez de ficar presos ao dinamismo da confiança.

Queridos irmãs e irmãos, este sonho missionário de chegar a todos tem verdadeiramente de tocar-nos e de fazer-nos experimentar radicalmente a força da Palavra. É tão maravilhoso isto que acontece com Pedro. Imaginemos que ele estava ali, Jesus estava no barco dele mas estava a falar a outros, para outros e estava simplesmente a falar. Mas uma coisa é falar outra é experimentar, é sentir na sua própria história, na sua própria carne a transformação. Mas quando Jesus acaba de falar aos outros também fala com ele e diz: “Faz-te ao largo, lança as tuas redes.” E é preso a esta Palavra que a vida de Pedro se torna outra coisa. Para nós não é diferente, para nós não é de outra maneira, é quando nos amarramos com confiança à Palavra do Senhor que a vida se transforma, não é de outra maneira. É quando nos amarramos com confiança à Palavra que a nossa vida se transforma. É quando confiamos no risco da sua Palavra, quando depois de termos limpo as redes o Senhor ainda nos manda atirar outra vez, quando depois de noites fracassadas o Senhor ainda nos manda arriscar, quando nós não vemos como e o Senhor diz-nos uma palavra no sentido que a gente não quer ou não espera, mas avança, mas acredita, mas faz-se ao largo que a vida verdadeiramente se transforma.

Vamos rezar por cada um de nós, para que este sonho missionário de Deus possa contagiar o nosso coração, e sentirmos verdadeiramente que a religião não é uma medalha de bom comportamento, a religião é, com todas as ganas, com todas as vísceras, com todas as nossas entranhas nós confiarmos, nós acreditarmos, em todas as situações da nossa vida. É essa confiança, esse atirar-se na sua pobreza para os pés de Jesus.

Pe. José Tolentino Mendonça, Domingo V do Tempo Comum

http://www.capeladorato.org

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google+ photo

Stai commentando usando il tuo account Google+. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 07/02/2019 da in O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .
Follow COMBONIANUM – Formazione e Missione on WordPress.com

Categorie

Traduci – Translate

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: