COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

Pode encontrar-se Deus num buraco negro?


GTY 1136111087 A SPP SCI USA IN


Pode encontrar-se Deus num buraco negro? Graças à imagem divulgada pelo consórcio Event Horizon Telescope esta quarta-feira, 10 de abril, pela primeira vez temos uma prova direta de que um buraco negro é mais do que uma construção teórica. É uma “coisa”. Então, se Santo Inácio estava certo ao inspirar-nos a «encontrar Deus em todas as coisas», certamente que o buraco negro se qualifica.

Uma analogia espiritual mais fascinante, no entanto, pode ser reconhecer que um buraco negro é um exemplo perfeito de algo em que acreditamos, embora não possamos vê-lo ou tocá-lo. Mesmo a imagem divulgada não mostra o buraco negro em si. Mostra a sombra do buraco negro, onde a poderosa radiação eletromagnética, emitida pelo plasma quente que gira com cada vez maior energia em torno de algo grande e massivo no centro da galáxia M87, teve repentinamente essa radiação cortada para zero num limite distinto. E esse limite corresponde exatamente ao ponto em que a nossa teoria dos buracos negros sugeria que a luz nunca escaparia.

Essa fronteira, até agora teórica, foi apelidada de “horizonte de eventos” (daí o nome do “telescópio” – na verdade, uma série de radiotelescópios espalhados pelo globo), já que qualquer evento ocorrido dentro desse limite seria como que cortado da nossa visão, tal como o sol poente desaparece quando “desce” abaixo do nosso horizonte. A fonte desse horizonte de eventos, como o sol que se põe, está certamente lá; mas a sua luz está para sempre aprisionada pela sua gravidade. Nós não vemos o buraco negro, vemos a sua sombra.

Os buracos negros são reais. Exóticos, estranhos, inesperados, bem fora da nossa experiência mundana; e, no entanto, tão reais quanto o pó debaixo dos nossos pés, e fundamentais para saber como é que a nossa própria galáxia (e o nosso próprio sistema solar) se tornou possível.

Este é apenas a primeira do que se espera que sejam muitas imagens de muitos buracos negros. Já foram recolhidos dados para o buraco negro que conhecemos no centro da nossa galáxia, a Via Láctea. Os dados da M87 foram primeiro reduzidos, porque assim eram mais claros e fáceis de se trabalhar. Nas palavras de um dos cientistas do projeto, Heino Falcke, o buraco negro da galáxia M87 é grande e lento, como um urso em hibernação, enquanto que o buraco negro menor, mas mais próximo, da nossa própria galáxia é tão ativo quanto uma criança; tentar combinar imagens de muitos telescópios obtidas em algumas horas é mais desafiador.

Estas imagens dizem-nos, em primeiro lugar, que há realmente algo no centro dessas galáxias. O que temos atribuído a um buraco negro é, muito provavelmente, um buraco negro, não o artefacto de uma qualquer teoria da gravidade peculiar e desconhecida.

Além disso, a coisa de que vimos a sombra corresponde exatamente ao que prevê a teoria da relatividade geral que Albert Einstein divulgou em 1915. Muitos outros teóricos tentaram superar o cientista alemão com ideias exóticas, mas até agora nenhuma encaixou totalmente nas nossas observações sobre como o universo funciona como as de Einstein. De facto, a recente descoberta de eventos de ondas gravitacionais por outro novo feito tecnológico, a experiência LIGO, complementa perfeitamente este resultado do Event Horizon Telescope.

E outras observações mantêm a promessa de que em breve não apenas poderemos dizer que existe um buraco negro, mas até descrever as suas propriedades. A partir da imagem agora divulgada, ficámos a saber que o buraco negro M87 está a rodar no sentido horário, o modo como o nosso planeta Terra seria visto a rodar ao olhar para baixo para o Polo Sul; podemos dizer que é como se estivéssemos a olhar para o “Polo Sul” do buraco negro. Se o próximo buraco negro que virmos estiver orientado de forma diferente, de modo que possamos olhar para o seu equador, e não para o seu polo, então podemos tentar ver se a sua sombra está “achatada” ou protuberante no seu equador. Medir o tamanho dessa protuberância pode dizer-nos se a massa dentro do buraco negro está uniformemente distribuída ou concentrada num núcleo mais denso. O buraco negro não é apenas um misterioso ponto de massa, mas uma coisa com uma estrutura que podemos começar a deduzir.

Tudo isso é para o futuro. Por enquanto, é o suficiente para nos maravilharmos com aquela sombra no anel de fogo revelado pelo Event Horizon Telescope. Os buracos negros são reais. Exóticos, estranhos, inesperados, bem fora da nossa experiência mundana; e, no entanto, tão reais quanto o pó debaixo dos nossos pés, e fundamentais para saber como é que a nossa própria galáxia (e o nosso próprio sistema solar) se tornou possível.

Sim, julgo que Deus se pode encontrar aí.

Guy Consolmagno, SJ
Diretor do Observatório Astronómico do Vaticano
In America
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: Event Horizon Telescope | D.R.
Publicado em 12.04.2019

http://www.snpcultura.org

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 12/04/2019 da in Atualidade social, PORTUGUÊS con tag .

  • 330.090 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 737 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: