COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

Enzo Bianchi: Chamas e esperança


Interior-Picture-Of-Notre-Dame-de-Paris


O que é que ardeu com a catedral de Notre-Dame? Uma unidade incindível de muitas unidades: a incendiar-se e a soçobrar em fumo perante os olhos atónitos e chocados de todo o mundo foi um monumento da cidade de Paris, mas também de toda a nação francesa e da sua história, da “filha primogénita” da Igreja de Roma, mas também das raízes e das asas da Europa, da cultura humanista universal bem como da experiência de fé de milhões de cristãos através dos séculos.

Quem se sente pertencer ainda que só a uma destas identidades sentiu-se abalado no coração por aquele inferno de chamas e fumo. Mesmo quem não acredita nos símbolos e na sua força evocadora, mesmo quem evita a retórica e os estereótipos, durante doze intermináveis horas deu-se conta de uma verdade que muitos de nós pensavam que já não pertencesse à história e ao pensamento contemporâneo: o ser humano alimenta-se também – e talvez sobretudo – de princípios de valores que precisam de encontrar “um lugar e um nome” num ponto bem preciso da história e da geografia, num “monumento” que exprima a grandeza das pessoas que, aos poucos, o pensaram, quiseram, realizaram, protegeram, habitaram, tornaram vivo, um artefacto que possa narrar com a beleza a concretude daqueles ideais.

Notre-Dame conheceu na sua longa história pesadas renovações e brutais devastações, os sinos das suas torres proclamaram a coroação de Napoleão e a libertação da barbárie nazista, as suas naves ouviram ressoar as primícias da música polifónica, acolheram restauros e restaurações, contra-reformas e revoluções, ajustamentos litúrgicos e respirações conciliares… Tudo isto foi há poucas noites um leito de braços ardentes em forma de cruz: a planta da catedral avermelhava a noite como um tapete de velas votivas, imagem entre as mais eloquentes na expressão da dor e da esperança de uma cidade, uma Igreja, uma nação, um continente a exprimir os sentimentos de toda a humanidade. Não ardia só a catedral, mas uma parte da nossa história, alguma coisa da nossa humanidade, e nós ficámos verdadeiramente mais pobres.

Para mim, ver avermelhado primeiro e fumegante depois aquele espaço que deixou de se erguer para o céu significou também revisitar com a mente e o coração a minha assídua frequentação da catedral de Notre-Dame, encontro iniludível de cada minha permanência em Paris. Desde os longínquos anos dos meus estudos universitários, nunca “visitei” como um turista Notre-Dame: “vivi-a” sempre e apenas como espaço de deslumbramento, tempo de silêncio e de oração, de olhar pousado sobre a beleza e a harmonia.

Em anos recentes tive o dom, para mim inestimável, de nela poder pregar: em duas ocasiões para as conferências quaresmais de Norte-Dame, e uma terceira vez, sempre a convite do cardeal de Paris, para a iniciativa “As catedrais da Europa evangelizam”. A emoção que ali experimentei estava ligada à excecionalidade, para mim, do evento, mas ainda mais à clara perceção de encontrar-me naquele lugar precisamente para viver a realidade para a qual foi pensado desde a colocação da primeira pedra: um espaço para crer juntos, para escutar juntos, para celebrar juntos a esperança, e para viver juntos a aventura humana e cristã.

Na imediatez do trágico acontecimento, conhecendo bem a condição da fé cristã, a precariedade da comunidade católica e a incerteza de um futuro para a Igreja, também eu fui tentado a ler o incêndio e o desabamento daquela catedral como “o sinal premonitório do possível fim de uma cultura, de uma civilização, de uma religião, o fim da Europa, um fim de que todos somos responsáveis”. Por isso, permanecem as perguntas que exigem a nossa resposta: acreditamos ainda que a Europa tem um sentido e possa ser um bem para o nosso futuro? Sentimo-nos ainda cidadãos europeus?

Todavia, a circunstância de que este desastre colossal tenha ocorrido no início da Semana Santa para os cristãos do Ocidente, quando a liturgia faz ressoar as Lamentações do profeta Jeremias sobre a cidade de Jerusalém destruída e dada às chamas, só pode colocar simbolicamente a ferida profunda sofrida pela catedral de Norte-Dame na esperança de uma ressurreição, na renovação de uma cultura e daquele humanismo de que a Europa foi criadora. Este ano, o Aleluia pascal não ressoará nas suas paredes, no entanto estou convicto de que serão as suas notas a consolar o coração não só dos cristãos, mas também da solidária fileira de homens e mulheres de todos os lugares que, olhando para aquele impensável incêndio, se inquietaram e choraram, acomunados por uma pertença plena ao grande corpo da humanidade, e unidos por uma paixão por esses valores dos quais Notre-Dame é símbolo.

Enzo Bianchi
In Monastero di Bose
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: D.R.
Publicado em 17.04.2019
http://www.monasterodibose.it

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 17/04/2019 da in Atualidade social, PORTUGUÊS con tag , .

  • 441.335 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 860 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: