COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

Festa do Corpo de Deus (C)

Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo (ciclo C)
Lucas 9,11-17 


Corpo de Deus

Corpo de Deus:
A mesa do Senhor é sempre mesa para o faminto

Enzo Bianchi

Após a festa da Trindade de Deus, celebramos na quinta-feira outra festa “dogmática”, em defesa da doutrina, para recordar a verdade da Eucaristia desejada por Deus como memorial na vida da Igreja até à sua vinda gloriosa. Todos os domingos celebramos a Eucaristia, mas a Igreja pede-nos também para confessar e adorar este mistério inesgotável num dia particular, a quinta-feira da segunda semana após o Pentecostes, ou no segundo domingo a seguir à solenidade do Espírito Santo.

A denominada narração da “multiplicação dos pães” é atestada por seis vezes nos Evangelhos (duas em Marcos e em Mateus, uma em Lucas e em João), o que nos diz como esse acontecimento foi considerado de particular importância na vida de Jesus. O Evangelho segundo Lucas, proclamado na solenidade (9, 11b-17), é antecedido, no versículo 2, pelo envio dos discípulos, por parte de Jesus, a anunciar a vinda do reino de Deus e a curar os doentes, mostrando que a missão a Ele confiada por Deus com a descida do Espírito Santo, revelada na sinagoga de Nazaré, era por Ele estendida também à sua comunidade. Cumprida essa missão, os discípulos regressam a Jesus e descrevem-lhe a sua experiência, ou seja, o quanto fizeram e disseram em obediência à sua ordem.

Jesus toma-os então consigo, conduzindo-os à parte para um retiro, num lugar próximo da cidade de Betsaida. Mas as multidões, sabendo para onde Jesus se tinha retirado, seguem-no obstinadamente. E eis que Jesus as acolhe: tinha procurado um lugar de silêncio, solidão e repouso para os discípulos regressados da missão e para si, mas perante àquela gente que o procura, que vai até Ele e o segue, Jesus, com grande capacidade de misericórdia, acolhe-a. É o estilo de Jesus, estilo hospitaleiro, estilo que não afasta nem declara ninguém como estranho. Estas pessoas querem escutá-lo, sentem que Ele pode dar-lhes confiança e libertá-las, curá-las dos seus males e dos pesos que sobrecarregam as suas vidas, e Jesus, sem se poupar, anuncia-lhes o reino de Deus, e cura-as. Esta é a sua vida, a vida de um servo de Deus, de um anunciador de uma palavra confiada por Deus.

Na Igreja perdeu-se esta inteligência eucarística própria dos primeiros cristãos e dos padres da Igreja, houve um divórcio entre a missa como rito e a partilha do pão com os pobres

Chega, no entanto, a noite, o sol põe-se, a luz declina, e os doze discípulos entram em ansiedade. Dizem por isso a Jesus: «Despede a multidão para que vá para as povoações e campos em redor, para se alojarem e encontrarem alimento: aqui estamos numa região deserta!». O seu pedido é conduzido pela sabedoria humana, nasce de um olhar realístico, todavia Jesus não aprova essa possibilidade racional, mas pede-lhes: «Vós próprios dai-lhes de comer». Com esta ordem, exorta-os a entrar na dinâmica da fé, que é ter confiança, colocar em movimento aquela confiança que está presente em cada coração e que Jesus sabe reavivar. Mas os discípulos não compreendem, e insistem em pôr diante de Jesus a sua pobreza: só têm cinco pães e dois peixes, alimento suficiente só para eles.

Jesus toma então a iniciativa: manda que se faça sentar toda aquela gente no prado, em grupos de cinquenta, porque não se trata só de matar a fome, mas de viver um banquete, uma verdadeira ceia, na hora em que o sol se põe. Depois, diante de todos, toma os pães e os peixes, ergue os olhos ao céu, como ação de oração ao Pai, bendiz Deus e parte os pães, apresentando-os aos discípulos para que os sirvam, como à mesa, àquela gente. É um banquete, o alimento é abundante e é partilhado por todos. Aqueles que conheciam a profecia de Israel, recordam-se que ocorreu um prodígio que já o profeta Eliseu tinha realizado em tempo de carestia, nutrindo o povo esfomeado a partir da partilha de poucos pães (cf. 2 Reis 4, 42-44). O mesmo faz Jesus, e depois do seu gesto permanece uma quantidade de alimento ainda maior: doze cestas. No coração dos discípulos e de alguns dos presentes surge assim a convicção de que Jesus é profeta maior do que Elias e Eliseu, é mesmo maior do que Moisés, que no deserto tinha dado de comer maná ao povo saído do Egito.

Mas aqui surge espontaneamente a pergunta: o que significa este acontecimento? Normalmente fala-se da “multiplicação” dos pães, mas na narrativa o termo não existe. Devemos dizer que aconteceu a partilha do pão, aconteceu a fração do pão, e este gesto é fonte de alimento abundante para todos. Deste modo compreendemos como está aqui uma prefiguração daquilo que Jesus fará em Jerusalém na noite da última ceia: «Tomou o pão, deu graças, partiu-o e deu-lhes, dizendo: “Este é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim”». O mesmo gesto é repetido por Jesus ressuscitado no caminho para Emaús, diante dos dois discípulos. Também nesse caso, ao declinar do dia, convidado pelos dois a ficar com eles, «quando estava à mesa, tomou o pão, pronunciou a bênção, partiu-o e deu-lhes». Três episódios que trazem a mesma mensagem: as multidões, as gentes, o mundo tem fome do reino de Deus, e Jesus, que dele é o mensageiro e o incarna, sacia esta forme com a partilha do aluimento, com o partir o seu corpo, a sua vida, oferecida a todos.

Se no mundo há fome, se os pobres estão junto de nós e a Eucaristia não tem para eles consequências concretas, então a nossa eucaristia é só cena religiosa e – como diria Paulo – «o nosso há não é um comer a ceia do Senhor»

Eis o mistério eucarístico na sua essência: não nos deixemos encandear por muitas e diferentes doutrinas eucarísticas, mas acolhamos o mistério na sua simplicidade. Cristo dá-se a nós e é alimento abundante para todos; uma vez partido (na cruz), dá-se à Igreja, a nós, a todos aqueles que o procuram e tentam segui-lo, a todos aqueles que têm fome e sede da sua palavra e desejam partilhar a sua vida. Se é verdade que a dinâmica da fração do pão e do partilhá-lo encontra na celebração da ceia eucarística, na liturgia santíssima, um cumprimento, ela é, todavia, também paradigma de partilha do nosso alimento material, o pão de cada dia. A Eucaristia não é só banquete do céu, mesa do corpo e do sangue do Senhor, mas quer ser ensinamento para as nossas mesas do dia a dia, onde o alimento é abundante mas não é partilhado com quantos têm fome e de estão privados. Por isso, se na nossa eucaristia não participam os pobres, se não há partilha do alimento com quem não o tem, então também a celebração eucarística fica vazia, porque lhe falta o essencial. Já não é a ceia do Senhor, mas uma cena ritual que satisfaz as almas dos devotos, mas em profundidade é uma grave diminuição do sinal querido por Jesus para a sua Igreja. A mesa do corpo do Senhor deve ser sempre mesa da palavra do Senhor e, conjuntamente, mesa da partilha com os necessitados.

Com a partilha dos pães e dos peixes com a multidão, Jesus inaugura um novo espaço relacional entre os humanos: o da comunhão na diferença, porque as diferenças não são abolidas mas afirmadas sem que sofra a relação marcada pela fraternidade, solidariedade, partilha. Sim, devemos confessá-lo: na Igreja perdeu-se esta inteligência eucarística própria dos primeiros cristãos e dos padres da Igreja, houve um divórcio entre a missa como rito e a partilha do pão com os pobres. E se no mundo há fome, se os pobres estão junto de nós e a Eucaristia não tem para eles consequências concretas, então a nossa eucaristia é só cena religiosa e – como diria Paulo – «o nosso há não é um comer a ceia do Senhor».

Precisamente diante da Eucaristia, cantamos o hino que afirma “et antiquum documentum novo cedat ritui” («o hino antigo dê lugar à nova liturgia», mas na realidade permanecemos enclausurados nos ritos e não conseguimos celebrar o “rito cristão”, “o culto segundo a Palavra”, que é oferecido em sacrifício pelos nossos corpos a Deus através do serviço dos pobres e do amor fraterno vivido «até ao fim».

Enzo Bianchi
In Monastero di Bose
Trad.: Rui Jorge Martins
Publicado em 18.06.2019
http://www.snpcultura.org

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 18/06/2019 da in O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

  • 328.067 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 735 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: