COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

Enzo Bianchi, A compaixão perdida


migrant-mother-iconic-dorothea-lange-portrait


“O ser humano está se mostrando capaz de fechar-se em um egoísmo que o desumaniza, mas ele sempre pode se abrir para sofrer e se alegrar com o outro, para viver autenticamente: a compaixão morre onde nós a matamos dia após dia, mas a dignidade humana está viva, onde mesmo uma única pessoa reconhece seu semelhante no sofrimento, se inclina sobre ele, o abraça e, ao fazê-lo, o salva”, escreve Enzo Bianchi, monge italiano, fundador da Comunidade de Bose, em artigo publicado por La Repubblica, 10-07-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.
http://www.ihu.unisinos.br


O que estamos nos tornando? Um dos principais argumentos na complexa questão das migrações diz respeito à suposta ameaça à nossa identidade que o influxo de uma determinada tipologia – étnica, religiosa, de renda – de estrangeiros representaria para a sociedade italiana. Mas, atualmente, a preocupar mais não deveria ser uma hipotética futura “substituição” da italianidade – seja qual for o significado desse termo – com elementos estranhos à história e à cultura de país, mas sim uma já ocorrida mudança na maneira de pensar, de falar e de agir que até poucos anos atrás era um patrimônio amplamente compartilhado.

Durante anos tenho insistido preocupado com os pequenos passos cotidianos em direção à barbárie: ora estamos imersos, de modo que sentimentos e emoções dos quais no passado nos envergonhamos, pelo menos em público, agora são exibidos como troféus de guerra. Ao mesmo tempo, atitudes de solidariedade, compartilhamento, bondade, compaixão são desfiguradas e ridicularizadas. “A piedade morreu” se cantava durante a resistência ao nazi-fascismo, reivindicando o direito de repagar com a mesma moeda da crueldade que se manchava com crimes contra a humanidade. Agora que há mais de meio século nossas sociedades e as legislações dos Estados baniram este conceito de “justa vingança”, eis que vemos todos os dias afirmar-se uma proclamação tácita: “A compaixão morreu”.

Parece ter morrido aquele sentimento pelo qual, atingidos pelo sofrimento de um outro, assumimos a sua dor, a ponto de senti-la com ele como nossa: a dor do outro torna-se a minha dor. Ter compaixão é essencialmente “sofrer juntos”: uma qualidade muito humana que nunca foi fácil viver em profundidade, mas que hoje é ridicularizada como bobagem para boas almas. O contexto cultural, pelo menos da década de 1960, criou uma possibilidade de percepção do mal muito diferente do passado: basta pensar na remoção que nossas sociedades sabem fazer da morte e, simultaneamente, da espetacularização e da exposição do sofrimento, até do horror, do macabro ao vivo, através dos meios de comunicação. Por um lado, nos acostumamos com a visão do mal, mantendo-o de fato longe através da mediação do meio de comunicação; pelo outro, nos sufocamos, reduzindo a uma emoção mórbida, o que deveria ao contrário ser um chamado, uma pergunta a ser respondida.

A mídia realmente põe barreiras, muros entre nós e a dor alheia, e nos condena cada vez mais a um cotidiano de solidão e isolamento. Paradoxalmente, achamos difícil nos tornarmos próximos do outro: nos tornamos facilmente próximos virtualmente, e multiplicamos a nossa proximidade virtual com contatos “líquidos”, inversamente proporcionais às relações concretas, “sólidas”. E assim a morte da proximidade é experimentada como negação ou “morte do próximo”. Mas nos últimos anos, na Itália, como em muitos países ocidentais, a situação exacerbou-se ainda mais: orgulhamo-nos da crueldade para com os mais fracos, sejam eles os pobres “da nossa casa”, os imigrantes ou os membros de determinadas etnias.

A solidariedade, o histórico “socorro mútuo”, o apoio entre os seres humanos marcados pelo sofrimento, o “sofrimento juntos” se transformou – primeiro na linguagem e depois no comportamento – numa busca obsessiva por “sentir-se bem sozinho”, sem os outros, na verdade, contra eles. Se, no entanto, esse é tragicamente o quadro predominante, o que prevalece nos argumentos brandidos por uma certa política, bem como pelos meios de comunicação de massa, não devemos nos resignar a transformar essa tendência deletéria majoritária em um sentimento universal. Um esforço de resistência autêntica é necessário não apenas para defender pessoalmente a ética da compaixão, mas também para saber discernir, reconhecer, dar voz àqueles que a solidariedade com seus irmãos e irmãs na humanidade nunca parou de mostrá-la e continua a fazê-lo no silêncio de muito ou mesmo no escárnio de outros. O ser humano está se mostrando capaz de fechar-se em um egoísmo que o desumaniza, mas ele sempre pode se abrir para sofrer e se alegrar com o outro, para viver autenticamente: a compaixão morre onde nós a matamos dia após dia, mas a dignidade humana está viva, onde mesmo uma única pessoa reconhece seu semelhante no sofrimento, se inclina sobre ele, o abraça e, ao fazê-lo, o salva. Porque “quem salva uma vida, salva o mundo inteiro”.

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 17/07/2019 da in Atualidade social, PORTUGUÊS con tag , .

  • 327.387 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 734 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: