COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

A pastoral do olhar


O rosto como o espelho do coração; melhor, o coração faz o rosto, dado que o forma: «O coração do homem modela o seu rosto, no bem e no mal» (Sirácida 13, 25). No rosto mostra-se a beleza da alma e também o seu contrário.

Já deixaram de se contar as vezes em que o papa Francisco fala do «olhar» em contexto espiritual e pastoral: fê-lo, especialmente nos primeiros anos do pontificado, nas audiências das quartas-feiras e no “Angelus”. É um tema que ele desenvolve de muitas maneiras. Talvez a modulação mais articulada se encontre na longínqua meditação matutina proferida na capela da Casa de Santa Marta a 21 de setembro de 2013.

Nela, o papa Francisco sublinhou o poder dos olhares de Jesus, capazes de mudar para sempre a vida daqueles sobre os quais se pousam. Comentando o encontro de Jesus com Mateus, afirma: «Mal sentiu no seu coração aquele olhar, ele levantou-se e seguiu-o». E faz notar que «o olhar de Jesus levanta-nos sempre; leva-nos para cima», eleva-nos; nunca nos «deixa ali», onde estávamos antes de o encontrar, nem tira seja o que for àquele sobre o qual se pousa o seu olhar: «Nunca te abaixa, nunca te humilha, convida-te a ergueres-te». E conclui, recomendando que nos «deixemos olhar por Ele».

Noutra ocasião, o papa Francisco fala do olhar que é preciso fixar sobre Jesus. Assim, ele compõe um vaivém: do passivo “deixar-se olhar por Jesus” é preciso passar ao ativo “olhar Jesus”.

Assim, na meditação matutina de 3 de fevereiro de 2015, recomenda que se leia a cada dia uma página do Evangelho durante «dez, quinze minutos, e não mais», tendo «fixo o olhar sobre Jesus», para «nos imaginarmos na cena e falar com Ele, como nos vem do coração», e termina apontando: estas são as características da «oração de contemplação», verdadeira fonte de esperança para a nossa vida.

Evidentemente, nem todo o olhar é tão significativo; é-o sem dúvida aquele não superficial: «Quando ajudas os outros, olha-los nos olhos?», perguntou. Este é um olhar que compromete o rosto; no coração e no rosto, com efeito, há, no ser humano, uma forte ligação espiritual entre eles. O coração está oculto e o rosto está visível e exposto, e é precisamente por causa destas duas qualidades opostas que a sua ligação resulta necessária e intrigante. O olho e o coração referem-se mutuamente: são recíprocos e interdependentes.

A importância do olhar cordial

Na Escritura encontramos uma singular ligação entre coração e rosto (olho): é o fio claríssimo da simplicidade e o da beleza. O coração dá brilho e transparência ao olhar: torna-o subtil, agudo, penetrante, belo; intensifica a vista, aclara o horizonte, ilumina e faz ver como belo aquilo e quem é olhado.

Assim, emerge como decisiva a força purificadora, iluminadora, embelezadora do coração no olhar do ser humano: é o coração que faz rosto e olho; é o coração que transfere a sua beleza para o rosto e para o olho; para alguns, o rosto é o ser humano inteiro.

O verdadeiro diálogo nasce do ser olhado, e do olhar com a implicação do coração: «Quando os olhos e a mente são guiados e animados pelo coração, então o olhar faz-se luminoso e penetrante como uma lâmina de faca, e focaliza o objetivo de modo perfeito, com contornos nítidos e cores genuínas, sem perigo de alteração alguma».

É célebre a recomendação que a raposa faz ao principezinho para o recompensar pela amizade: «“Adeus”, disse a raposa. “Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos”. “O essencial é invisível aos olhos”; repete o principezinho, para o recordar. (…) “Os homens esqueceram esta verdade. Mas tu não a deves esquecer”».

O rosto como o espelho do coração; melhor, o coração faz o rosto, dado que o forma: «O coração do homem modela o seu rosto, no bem e no mal» (Sirácida 13, 25). No rosto mostra-se a beleza da alma e também o seu contrário.

Um olhar novo sobre o ser humano contemporâneo

Urge um olhar perspetivo. Do que se sabe das características do homem contemporâneo, as suas carências, os seus abandonos, as suas perdas, talvez seja o caso de fazer uma consideração sobre como ver e interpretar a difícil bagagem do nosso tempo.

Para olhar o homem contemporâneo que habita um tempo singular e complexo, é precisa a arte de dispor o olhar de um modo novo, acrescentando às dimensões planas (horizontal e vertical) uma terceira, a da “profundidade”. Esta adição constituiu a revolução que ocorreu na pintura de há mais de cinco séculos. «O advento da perspetiva – escreve o crítico de arte John Berger – é penetrar a terra, contemplá-la como o ser humano a vê, decide habitá-la merecidamente, mas em harmonia, poeticamente, com o olhar dos outros mortais.»

Não se trata de estudar o homem de hoje a partir da curiosidade de uma sabedoria antropológica. Trata-se de perguntar: que olhar posso, devo ter, sobre aquelas que chamamos doenças do século. O olhar em perspetiva não é um olhar maquilhado, com o qual, mediante posições artificiais, se vê o homem contemporâneo só a partir dos lados belos, superando defeitos e deformidades. O olhar em perspetiva não evita nem o discernimento severo nem a eventual necessária reprovação: é um olhar verdadeiro e confiável.

Olhar o homem do nosso tempo com olhos cristãos-marianos

Por isso, não basta descrever quem é e como está em más condições o homem contemporâneo, e a primeira coisa a fazer não é julgá-lo e condená-lo, mas, antes de tudo, continuar a falar do “olhar cristão” a dirigir para ele. Devemos estar advertidos de que nos arriscamos a estranhá-lo se esquecermos que esse ser humano é cada um de nós, e que o pós-moderno, em que ele vive, é o nosso tempo.

1) Não ter medo. É em referência ao próprio tempo que não é preciso ter medo, mas ser objetivos, críticos, prudentes, serenos, ternos. O medo não vencido não faz predizer a justa distância, a justa visão, as justas palavras, o justo juízo, e, por isso, cria agressividade. «Justificai a vossa esperança», diz S. Pedro na sua Primeira Carta («…prontos a responder a quem vos pergunte razões da esperança»). Trata-se de buscar incessantemente os motivos para acreditar e esperar, e mostrá-los testemunhalmente, recordando que o Evangelho é sempre maior do que os discípulos que o acolhem e difundem.

2) Praticar a mansidão (com doçura e respeito): requer-se a atenção ao outro, o respeito, a benevolência. O coração do cristianismo é descobrir a misericórdia de Deus, vivê-la e revivê-la. Eis outro exemplo de atitude cristã perante o homem contemporâneo: comunicar esperança, encorajar a viver.

Michele Giulio Masciarelli
In Settimana News
Publicado em 30.07.2019
http://www.snpcultura.org

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 11/08/2019 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 311.313 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 708 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: