COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

24° Domingo do Tempo Comum (C)

O Pão do 24° Domingo do Tempo Comum (ciclo C)
Lucas 15,1-32


XXIV-C (4)

Um Deus de misericórdia

Os pecadores não são mais aqueles que se perdem, mas aqueles que se deixam perder e não querem se alegrar com aqueles que são encontrados. O amor de Deus, que sabe encontrar aqueles que se perderam, deve agora encontrar o coração daqueles que não se acham perdidos.
A reflexão é de Raymond Gravel. A tradução é de André Langer.
http://www.ihu.unisinos.br


Nós continuamos no caminho para Jerusalém, e nas próximas três semanas o Jesus do Evangelho de Lucas faz os seus discípulos compreenderem o tipo de Igreja que ele quer: uma Igreja acolhedora dos pecadores, uma Igreja que sabe investir em valores duradouros e uma Igreja que deve se lembrar de que não pode estar do lado de Deus se se esquece dos pobres, dos abandonados e dos desgarrados da vida. É, portanto, a uma verdadeira revolução que Cristo nos convida hoje: se Deus vem para os pecadores não é para matá-los ou condená-los à exclusão, mas para tomá-los nos braços e levá-los até sua casa, lá onde os anjos se alegram com sua conversão. Jesus nos revelou, portanto, um Deus que nos oferece todas as chances, um Deus cheio de Amor e de misericórdia.

Lucas é, com frequência, chamado de evangelista da misericórdia. Ser misericordioso é abrir seu coração à miséria do outro, dos outros, para detê-la, aliviá-la e transformá-la. Todo o capítulo 15 de Lucas é um ensinamento sobre a misericórdia. Três parábolas se sucedem e seu encadeamento é, sem dúvida, obra de Lucas, que ensina a sua comunidade no final do século I. Semelhantes em muitos aspectos, essas parábolas também têm acentos diferentes. Além disso, as três se dirigem ao mesmo público: aos fariseus e aos escribas, isto é, aos hipócritas que se achavam perfeitos; àqueles que não compreendem que o Cristo do Evangelho possa dar lugares aos publicanos e aos pecadores, isto é, àqueles e àquelas que não valem nada, porque são incrédulos, ladrões, adúlteros, bêbados, prostitutas, homossexuais, etc. Essas três parábolas não são moralizantes; elas querem simplesmente mostrar a gratuidade do perdão, o benefício da misericórdia, a ternura de Deus, seu Amor incondicional e sua alegria quando a esperança é completa.

1. A parábola da ovelha perdida e reencontrada (Lc 15,3-7)

Nesta parábola em que o pastor tem cem ovelhas, como pode abandonar as 99 para procurar aquela que se perdeu? Transposto para o contexto da época de Jesus, os justos e os conformados são as 99 ovelhas que Jesus abandona para procurar a excluída, a ovelha que dizemos perdida. Isso significa que esta ovelha tem sua importância; ela vale as 99 outras. No fundo, a mensagem desta parábola evangélica quer dizer que nós somos salvos não porque somos perfeitos; somos salvos por gratuidade, porque nos deixamos converter por Jesus, e é isso que nos dá a alegria pascal: “Eu lhes declaro: assim, haverá no céu mais alegria por um só pecador que se converte, do que por noventa e nove justos que não precisam de conversão” (Lc 15,7). O que fez o exegeta francês Jean Debruynne dizer: “Nós não entramos no céu porque somos certinhos. Ser justo não dá nenhum direito, senão o direito de se converter. Justo ou não, nós nunca acabaremos de nos converter ao Amor, que será sempre gratuidade de Deus”.

2. Parábola da moeda perdida e reencontrada (Lc 15,8-10)

Esta parábola contém um sentido idêntico à primeira. Mas, como se trata de uma moeda, podemos ver nisso todo o valor da moeda perdida; ela vale tanto quanto as outras nove. Transposto para a época de Jesus, a prostituta ou o excluído valem tanto quanto o justo e o perfeito.

3. A parábola do pai e dos dois filhos (Lc 15,11-32)

Esta parábola contém duas sequências: a primeira descreve a atitude do pai para com o filho mais novo (Lc 15,11-24) e a segunda fala de seu comportamento diante do filho mais velho (Lc 15,25-32). Cada um dos filhos tem uma imagem falsa do pai. O mais jovem pensa que após os erros que cometeu seu pai não o reconheceria mais como seu filho e que deve se contentar com o fato de seu pai aceitá-lo com servo. O mais velho sempre se comportou como um servo e não como um filho. Ele mesmo declara ao seu pai: “Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua; e nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos” (Lc 15,29). Claramente, no plano da relação com seu pai, os dois filhos tinham a mesma importância. Na época de Jesus, o mais jovem representa o desgarrado da vida; o mais velho, o justo e o perfeito.

Ao contrário das duas parábolas precedentes, o pai não busca, em primeiro lugar, encontrar os seus filhos, ambos perdidos. Ele respeita as suas liberdades. Por outro lado, ele os espera, e quando o mais jovem retorna para ele, o pai corre ao seu encontro para acolhê-lo incondicionalmente, de tal maneira que quando o filho mais novo chega diante de seu pai e lhe quer reconhecer sua falta – “Pai, pequei contra o céu e contra ti. Já não mereço que me chamem teu filho” (Lc 15,21) –, o pai não o deixa nem mesmo terminar de falar. Seu perdão é tão grande e gratuito que o simples retorno do filho mais novo lhe restitui sua dignidade de filho e o faz entrar na alegria da festa: “Mas o pai disse aos empregados: ‘Depressa, tragam a melhor túnica para vestir meu filho. E coloquem um anel no seu dedo e sandálias nos pés. Peguem o novilho gordo e o matem. Vamos fazer um banquete. Porque este meu filho estava morto, e tornou a viver; estava perdido, e foi encontrado’. E começaram a festa” (Lc 15,22-24).

Mas há uma grande diferença em relação ao mais velho, o perfeito, o justo. Ao seu retorno dos campos, onde trabalhava como um servo, ele se recusa a entrar e participar da festa, mesmo que o seu pai lhe suplique. Ele se recusa a se converter: “Então o irmão ficou com raiva, e não queria entrar. O pai, saindo, insistia com ele. Mas ele respondeu ao pai: ‘Eu trabalho para ti há tantos anos, jamais desobedeci a qualquer ordem tua; e nunca me deste um cabrito para eu festejar com meus amigos. Quando chegou este teu filho, que devorou teus bens com prostitutas, matas para ele o novilho gordo!’” (Lc 15,28-30). O exegeta Alain Marchadour escreve: “Quando o pai se alegra com o retorno daquele que estava perdido, arrisca-se a perder o filho mais velho”. E é isso que acontece. Marchadour continua: “O filho mais velho perdeu algo que nunca encontrará, aquilo que foi dado ao seu irmão. Ele precisa, por sua vez, fazer a experiência da verdadeira paternidade, ele que diante do seu pai comporta-se como um empregado”.

Concluindo, que bela mensagem de perdão, de amor e de esperança para nós, hoje, que devemos nos situar em relação aos diferentes personagens ou atores dessas parábolas de Lucas. O francês Patrick Jacquemont resume o evangelho dizendo: “Cem ovelhas, dez moedas, dois filhos. A insistência vai se afunilando, mas o refrão permanece o mesmo: perdido e encontrado. É do amor de Deus, pastor, senhor da casa, pai de família, que Jesus quer falar àqueles que o cercam e que Lucas quer fazer ecoar às primeiras comunidades cristãs. Para os judeus é vital dizer que ninguém é excluído do Reino. Se uma ovelha se perde é prioritário deixar as outras, os fariseus, para encontrá-la. Para os novos convertidos, é importante compreender que se falta uma moeda, é urgente encontrá-la porque cada uma é preciosa e as nove outras não consolam tanto quanto a perdida. Para todos, é bom lembrar que se um filho quis partir para viver sua vida, não é possível esquecê-lo em detrimento do outro que fica. Todos e todas têm, sempre e em cada situação, o mesmo preço, único, aos olhos de Deus. Se julgamos este ou aquele perdido, é porque o nosso amor não é muito apaixonado, perspicaz e paciente para encontrá-lo. Trata-se de uma verdadeira mudança, de uma radical conversão a fazer. Os pecadores não são mais aqueles que se perdem, mas aqueles que se deixam perder e não querem se alegrar com aqueles que são encontrados. O amor de Deus, que sabe encontrar aqueles que se perderam, deve agora encontrar o coração daqueles que não se acham perdidos. Para encontrarem o Reino”

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 12/09/2019 da in O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

  • 328.681 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 735 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: