COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

27° Domingo do Tempo Comum (C)

27° Domingo do Tempo Comum (ciclo C)
Lucas 17,5-10


Lc 17

Se vocês tiverem fé do tamanho de uma semente de mostarda
Enzo Bianchi 

Durante a sua subida para JerusalémJesus é interrogado, às vezes invocado ou rezado, às vezes contestado pelo seu comportamento ou pelas suas palavras. Às vezes, Jesus se dirige aos discípulos que o seguem, às vezes a alguns fariseus e escribas, às vezes aos “apóstolos”, isto é, aquele grupo restrito de discípulos tornados por ele “os Doze” (Lc 6,13; 9,1) e enviados (esse é o sentido literal de apóstoloi) para anunciar o Evangelho, aqueles que também serão testemunhas qualificadas da sua ressurreição (cf. Lc 24,48; At 1,8.21-22).

Precisamente estes que escutaram as exigências “duras” proclamadas por Jesus como decisivas para o seu seguimento (cf. Lc 9,23-26; 14,26-27), conhecendo a sua própria fraqueza, pedem a Jesus, designado como Kýrios, Senhor da Igreja: “Aumenta a nossa fé!”.

É uma oração dirigida ao Senhor, àquele que, com a força do Espírito Santo, que sempre habita nele, pode agir sobre a fé, sobre a adesão do discípulo. Esse pedido, porém, corre o risco de não ser compreendido no seu porte real, por isso é bom refletir sobre a confiança-adesão absolutamente necessária para ser discípulo de Jesus.

A fé, que deve ser compreendida em primeiro lugar como adesão, só pode estar presente onde há uma relação pessoal e concreta com Jesus. A fé não é um conceito de ordem intelectual, não é posta acima de tudo em uma doutrina ou em uma verdade, muito menos em fórmulas, nos dogmas. A fé não é, sobretudo, um “crer que” (por exemplo, que Deus existe), mas é um ato de confiança no Senhor. Trata-se de aderir ao Senhor, de se ligar a ele, de confiar nele até se abandonar a ele em uma relação vital, personalíssima.

A fé é reconhecer que, da parte do ser humano, há fraqueza, portanto não é possível ter fé-confiança em si mesmos. Precisamente por isso, principalmente na boca de Jesus, é frequente o uso do verbo “crer” (pisteúo) e do substantivo “fé” (pístis) de modo absoluto, sem complementos ou especificações:

“Crê, não temas” (Lc 8,50; Mc 5,36).

“A tua fé te salvou” (Lc 7,50; 17,19; 18,42; Mc 5,34 e par.; 10,52).

“Vai, e faça-se segundo a tua fé” (Mt 8,13).

“Mulher, é grande a tua fé! Seja feito como tu queres” (Mt 15,28).

Crer sem complementos, ter fé sem especificações é para Jesus determinante na relação com Deus e com ele mesmo.

Certamente, a fé é um ato que se situa na fronteira entre fraqueza humana e força que vem de Deus, força que torna possível justamente o ato de fé. Trata-se de passar da incredulidade (apistía: Mc 6,6; 9,24; 16;14; Mt 13,58) para a fé, mas essa passagem, essa “conversão”, requer a invocação a Deus e, em resposta, o seu dom, a sua graça, que, na realidade, são sempre preventivos.

De fato, é difícil e fatigante para cada um de nós renunciar a contar consigo mesmo para se descentrar e colocar no centro a palavra do Senhor dirigida a nós. Não nos esqueçamos de que a incredulidade ou a pouca fé (oligopistía: Mt 17,20; oligópistos: Mt 6,30; 8,26; 14,31; 16,8; Lc 12,28) denunciadas por Jesus marcam a situação do discípulo (cf. Lc 24,11.41; Mc 9,19 e par.; 16,11.16), não daqueles que não encontram ou não escutam a Jesus. E como não nos surpreendermos diante do grito de Jesus: “A tua fé te salvou”, que emerge diante de doentes, pecadores, estrangeiros e pagãos que, ao encontrá-lo, pedem-lhe com fé para serem ajudados e salvos por ele?

Há um episódio, descrito com especial cuidado por Marcos (cf. Mc 9,14-29), mas presente também em Lucas (cf. Lc 9, 37-43) e Mateus (cf. Mt 17,14-18), que pode nos ajudar a compreender melhor o trecho que estamos comentando. Um pai tem um filho endemoninhado, e os discípulos de Jesus não conseguem curá-lo. Desencorajado, quando se encontra com Jesus, diz-lhe: “Se podes fazer alguma coisa, tem piedade de nós e ajuda-nos”. E Jesus, depois de repreender os discípulos, chamando-os de “geração incrédula” (como fez Moisés em Dt 9,6; 31,27; 32,5), responde: “Se podes!… Tudo é possível para quem crê”. Ou seja: “Se tu tens fé, tudo é possível através da fé que te salva”. É como se Jesus lhe dissesse: “Basta que creias, que tenhas confiança”, isto é, confiar que tudo é tornado possível por Deus para aquele que crê, porque “tudo é possível para Deus” (Mc 10,27; Gn 18,14).

Então o pai responde: “Eu creio, mas ajuda a minha incredulidade (apistía)”. Basta oferecer a Jesus a própria incredulidade, deixar que ele vença as nossas dúvidas, sempre presentes onde a fé está em ação. E assim Jesus cura não apenas o filho, mas também o pai, presa da desconfiança em relação à vida…

Portanto, justamente porque a fé é crer no poder de Jesus, o pedido dos apóstolos não faz sentido: “Aumenta a nossa fé”. De fato, continua Jesus no nosso trecho, basta ter fé, tanto quanto uma sementinha de mostarda, para arrancar uma amoreira e transplantá-lo no mar, para mover montanhas (cf. Mc 11,22-23; Mt 17,20; 21,21).

Os apóstolos estão cientes de que têm uma fé pequena; eles gostariam de ser gigantes da fé, mas Jesus os faz compreender que a fé, mesmo que pequena, se for uma adesão real a ele, é suficiente para nutrir a relação com ele e acolher a salvação.

É verdade, a nossa fé é sempre oligopistía, fé de fôlego curto, mas basta ter em nós a semente dessa adesão ao poder do amor de Deus operante em Jesus Cristo.

Por fim, crer significa seguir Jesus: e, quando o seguimos, caminhamos atrás dele, vacilando muitas vezes, mas acolhendo a ação com a qual ele nos levanta e nos sustenta, para que possamos estar sempre lá onde ele está.

Nós, cristãos, devemos olhar frequentemente para a pequena semente de mostarda, mantê-la na palma da mão, ter consciência de como ela é pequena; mas também devemos vê-la como uma semente semeada, morta no subsolo, germinada e crescida, até se tornar tão grande quanto um arbusto que dá abrigo aos pássaros do céu – imagem usada por Jesus para descrever o reino de Deus (cf. Mc 4,26.31-32) –, e, portanto, nos surpreender.

Assim é a nossa fé, talvez pequeníssima; mas não temamos, porque, se há fé, é suficiente, porque ela é mais forte do que qualquer outra atitude. A fé é a fé: sempre, mesmo que pequena, é adesão a uma relação, é obediência (hypakoé písteos: Rm 1,5); sempre, mesmo que fraca, é acompanhada pelo amor, e o amor sustenta a fé, compensa a falta de fé, renova a fé como adesão ao Senhor.

A resposta de Jesus aos apóstolos continua depois com uma parábola que lhes diz respeito particularmente, por serem enviados a trabalhar no campo, na vinha cujo dono é o Senhor. Jesus os adverte contra confiar em si mesmos, porque esse é o pecado que se opõe radicalmente à fé. É a atitude que Jesus condenará na parábola do fariseu e do publicano no templo (cf. Lc 18,10-14), dirigida a alguns que, como o fariseu, “confiavam em si mesmos porque eram justos” (prós tinas toùs pepoithótas eph’heautoîs hóti eisìn díkaioi: Lc 18,9).

Isso também poderia acontecer com os enviados que, conscientes de terem feito pontualmente a vontade do Senhor, gostariam de ser reconhecidos, premiados. Mas Jesus, com realismo, lhes pergunta: isso pode acontecer no mundo, na relação entre patrão e escravo? Quando o escravo volta do trabalho, o patrão talvez lhe dirá: “Vem e senta-te à mesa”? Pelo contrário, não vai lhe dizer: “Prepara-me o jantar, prepara-te para me servir, e depois tu comerás e beberás”? Deverá, talvez, lhe agradecer por ter feito a sua tarefa?

Não, isso não pode ocorrer, e assim os apóstolos, enviados para trabalhar na vinha do Senhor, quando terminaram o trabalho, devem dizer: “Somos servos inúteis, fizemos o que devíamos fazer”.

No seguimento de Jesus, não se reivindica nada, não se esperam reconhecimentos, nem prêmios, porque nem mesmo a tarefa realizada se torna garantia ou mérito. Essa gratuidade do serviço deve ser visível na vida da Igreja, porque “um apóstolo não é maior do que aquele que o enviou” (Jo 13,16). Ela é constitutiva da autoridade do apóstolo, de todo enviado que “olha para si mesmo”, não mede o próprio trabalho, mas apenas obedece à palavra do Senhor, movido pelo amor por ele, confiando a ele e à sua misericórdia o julgamento sobre a própria obra.

Para quem ama, basta amar, e não há expectativa de reconhecimento! Aquilo que se faz para o Senhor, deve-se fazer gratuitamente e bem, por amor e na liberdade, não para conquistar um mérito ou para receber um prêmio…

Infelizmente, hoje, na vida eclesial, os prêmios, os méritos são dados por si mesmos, para si mesmos, e não se espera nada de Deus, o Senhor!

http://www.ihu.unisinos.br
A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Annunci

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 04/10/2019 da in O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

  • 328.696 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 735 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: