COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

–– Sito di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA –– Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa A missionary look on the life of the world and the church –– VIDA y MISIÓN – VIE et MISSION – VIDA e MISSÃO ––

1° Domingo do Advento (A)

1° Domingo do Advento (ciclo A)
Mateus 24,37-44


Avvento 2


Nestes quatro domingos do Advento, a Igreja dirige o nosso olhar para um acontecimento que já está aí, muito próximo: Deus vai nos dar um Salvador! Mas, por ser a “vinda” do Messias, este é um acontecimento que deve ser preparado: “Vigiai”, diz Jesus.
A reflexão é de Marcel Domergue (+1922-2015), sacerdote jesuíta francês, publicada no sítio Croire, comentando as leituras do 1º Domingo do Advento, do Ciclo A. A tradução é de Francisco O. Lara, João Bosco Lara e José J. Lara.

Referências bíblicas

1ª leitura: O Senhor reunirá todas as nações na paz eterna do Reino de Deus (Isaías 2,1-5)
Salmo: Sl. 121(122) – R/ Que alegria quando me disseram: “vamos à casa do Senhor!”
2ª leitura: “Agora, a salvação está mais perto de nós do que quando abraçamos a fé” (Romanos 13,11-14)
Evangelho: Vigiai também vós e ficai preparados (Mateus 24,37-44)

A vinda do Filho do Homem será como no tempo de Noé. Porque, nos dias antes do dilúvio todos comiam e bebiam, casavam-se e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca. E eles nada perceberam, até que veio o dilúvio, e arrastou a todos. Assim acontecerá também na vinda do Filho do Homem. Dois homens estarão trabalhando no campo: um será levado, e o outro será deixado. Duas mulheres estarão moendo no moinho: uma será levada, a outra será deixada. Portanto, fiquem vigiando! Porque vocês não sabem em que dia virá o Senhor de vocês. Compreendam bem isto: se o dono da casa soubesse a que horas viria o ladrão, certamente ficaria vigiando, e não deixaria que a sua casa fosse arrombada. Por isso, também vocês estejam preparados. Porque o Filho do Homem virá na hora em que vocês menos esperarem.

Ficai atentos!

O tempo do desejo

A fé no Cristo dá origem imediatamente a uma “religião” do desejo. De fato, ela faz com que nos voltemos para o futuro, para o que vem; para Aquele que vem. Diante de tudo o que se passa no mundo, há os que fogem da confusão, indo buscar uma situação de conforto, de privilégio, ao abrigo de golpes e choques; os discípulos de Cristo recusam esta evasão.

Outros se revoltam e recorrem à violência; os discípulos de Cristo sabem que isto só faz multiplicar o mal inicial. Poderíamos citar diversas outras maneiras de se esquivar, mas a fé cristã recusa todas. A nossa fé está situada nos antípodas da resignação e, seguidamente, faz o nosso olhar voltar-se para a Potência que nos faz existir.

Esperamos e desejamos a vinda da Vida. O Livro da Primeira Aliança está cheio desta esperança, que se exprime muitas vezes por lamentações, gritos de apelo, intimações vigorosas a este Deus que tarda demais. Tudo isto se resume na espera do Reino de Deus. Na Nova Aliança, a tomada do poder por Deus está expressa no tema da volta, ou melhor, da última vinda de Cristo.

Assim, pois, aqui estamos nós, voltados para o futuro, para Aquele que vem. À primeira vista, se põem muitas questões: como esperamos a “intervenção de Deus“, será que ainda temos alguma coisa a fazer? Não haverá aí, nesta espera, algo de mítico? Uma espécie de “deus ex machina“? Vamos buscar ver mais claro.

A vinda de Cristo no presente

Em primeiro lugar, é preciso conjugar o nosso texto com outras palavras de Jesus, quando nos diz, por exemplo, que o Reino de Deus já está aí, que ele está em nós, ou entre nós, ou no meio de nós (Mateus 5;12,28. Luc 17,20-21… ).

Assim como já somos filhos de Deus, mesmo que de modo ainda não manifesto, assim também o Reino está aí, desde que entre nós reine o mesmo amor tal como Cristo o viveu. É ilusório dizer, como tantas vezes se tem ouvido, que temos de fazer ou de construir o Reino de Deus.

A vinda do Cristo é um dom, e temos o poder de recebê-lo e transmiti-lo: o amor que nos vem de Deus, e que é Deus, pode nos atravessar para ir até aos outros. O Reino de Deus, portanto, que se confunde com a vinda do Cristo, já está em operação desde o começo e estará até o final, quando se revelará em plena luz. Então, poderemos reler a nossa vida em função do acolhimento dado ao Reino.

O “julgamento“, que pode nos fazer tremer ou nos deixar céticos, será portanto este: os nossos olhos é que se abrirão à luz. Felizmente, como nos diz Paulo, “tudo o que é condenável é manifesto pela luz, pois é luz tudo o que é manifesto” (Efésios 5,13-14).

O Cristo é, pois, aquele que veio, que vem e que virá. O tempo do Advento vem de novo nos dizer tudo isso para que permaneçamos conscientes do mistério que nos envolve, desta presença que se faz presente novamente, sem cessar, sempre nova e imprevisível.

A espera e o encontro permanentes de Deus

Se não devemos acreditar nestes que dizem “Está aqui; está ali“, é porque Ele está em toda parte, “do Oriente ao Ocidente“. Ele vem ao nosso encontro em nossas alegrias, em nossas tristezas, em nossos períodos de vazio. Cada vez que o acolhemos, entramos no Reino.

Será preciso repetir que é através dos outros que Ele vem até nós, e que, se este Reino está “entre nós“, é porque Ele reside na qualidade dos laços pelos quais nos atamos aos outros? A este respeito, podemos reler Mateus 25,31-46, interpretando o final inquietante deste texto à luz de Efésios 5,13-14, já citado.

Sabemos que o Novo Testamento veicula duas linhas, duas tradições contraditórias: uma, que anuncia o perdão para todos, inclusive para os carrascos (reler os relatos da Paixão) e, a outra, que reconduz às antigas maldições para os “injustos“.

A meu ver, é, contudo, a Páscoa que diz a última palavra: “Pai, perdoai-lhes, eles não sabem o que fazem.” De todo modo, o Evangelho nos prescreve uma espera e um desejo permanentes, a aspiração de ir mais além do que o que constitui a nossa vida até aqui, na certeza de que Deus vem seguidamente nos habitar.

Santo Agostinho explica que este desejo não tem necessidade de ser consciente, mas que pode e deve ser subjacente a todas as ocupações que a existência nos impõe. Como disse Jesus, felizes são estes a quem o Mestre, em sua volta, encontrar ocupados com a sua tarefa, uma tarefa que já deve ser recebida e vivida como um dom de Deus.

Marcel Domergue
http://www.ihu.unisinos.br

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 27/11/2019 da in O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

  • 352.191 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 763 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: