COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

As mulheres do papa Francisco


Papa Francesco


A mulher deve ser «plenamente associada aos processos de decisão», porque «quando as mulheres podem transmitir os seus dons, o mundo torna-se mais unido e mais em paz». Assim falava Francisco na missa de Santa Maria, Mãe de Deus, do passado primeiro de janeiro. Duas semanas depois, o papa realizou um gesto sem precedentes ao nomear a advogada italiana Francesca Di Giovanni como subsecretária para o Setor Multilateral da Secção para a Relação com os Estados, da Secretaria de Estado. Por outras palavras, a vice-ministra das Relações Internacionais (Negócios estrangeiros) da Santa Sé.

Esta nomeação feminina é talvez a de mais alto nível, tendo a nova subsecretária um papel cimeiro na Secretaria de Estado, o primeiro e mais importante dicastério (ministério) da Cúria romana com contacto direto com o pontífice, que implica inclusive uma posição de autoridade sobre bispos (em particular os núncios apostólicos (embaixadores da Santa Sé); todavia, não é a primeira nomeação “rosa” executada pelo papa. A lista ainda é exígua – fala-se de menos de uma dezena -, mas nestes sete anos de pontificado, durante os quais promoveu o ideal de uma Igreja de rosto mais feminino contra a cultura “machista” que ainda parece predominar nos organogramas eclesiais, Bergoglio confiou a várias mulheres, e ainda para mais leigas, papéis de responsabilidade em departamentos e dicastérios.

O nome que em primeiro lugar vem à mente é o de Barbara Jatta, a diretora dos Museus do Vaticano, primeira mulher a ocupar o cargo. Casada e mãe de três filhos, após quase uma década na Biblioteca Apostólica do Vaticano, Jatta foi nomeada por Francisco diretora dos “Museus do Papa” a 1 de janeiro de 2017. Desde então distinguiu-se por iniciativas interessantes, como a mostra dos Museus do Vaticano do passado verão na Cidade Proibida de Pequim, que, através da arte, criou uma ponte diplomática com a China.

No dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, Francisco quis que fossem duas mulheres a assumir cargos de decisão

Antes, Jorge Mario Bergoglio pediu expressamente e pessoalmente que fosse uma mulher a desempenhar o papel de vice-diretora da Sala de Imprensa da Santa Sé. A escolha recaiu, a 11 de julho de 2016, em Paloma Garcia Ovejero, brilhante jornalista espanhola da Rádio Cope, da Conferência episcopal Espanhola. Como diretor tinha sido nomeado o norte-americano Greg Burke. Ambos apresentaram a demissão a 31 de dezembro de 2017.

No lugar de Garcia Ovejero, após uma espera de quase oito meses, foi nomeada a jornalista brasileira Christiane Murray, mãe de dois filhos, voz histórica da redação portuguesa da Rádio Vaticano e desde 2018 colaboradora da Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos na preparação da assembleia sinodal para a região panamazónica. Foi fundamental o seu papel de “guia” durante as enchentes verificadas nas conferências de imprensa durante as três semanas de outubro passado em que o encontro se realizou, no Vaticano.

A propósito do sínodo, recorde-se a decisão do papa, a 24 de maio de 2019, de nomear quatro mulheres, três religiosas e uma leiga, como consultoras da Secretaria Geral do Sínodo dos Bispos. Uma escolha saudada por vários setores como uma reviravolta histórica. Uma das nomeadas, a Ir. Alessandra Smerilli, docente de Economia na Pontifícia Faculdade de Ciências de Educação Auxilium e membro do comité científico e organizativo das Semanas Sociais dos Católicos (Conferência Episcopal Italiana), descrita por muitos como figura de grande densidade e inteligência, tinha sido nomeada pelo papa, meses antes, conselheira de Estado da Cidade do Vaticano, cargo que prevê a tarefa de prestar assistência na elaboração de leis e noutras matérias de especial importância.

Em mais de uma ocasião Bergoglio aludiu ao desejo de querer, mais cedo ou mais tarde, uma mulher a dirigir um dicastério

No dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, Francisco quis que fossem duas mulheres a assumir cargos de decisão. No fim de 2017 nomeou duas investigadoras, leigas, como subsecretárias: Gabriela Gambino, casada, cinco filhos, docente de Bioética e Filosofia do Direito e professora do Instituto João Paulo II para o Matrimónio e a Família, e Linda Ghisoni, casada, dois filhos, antes juíza instrutora do tribunal de primeira instância para as causas de nulidade do matrimónio na Vigararia de Roma, e que foi relatora na cimeira sobre a proteção de menores realizada no Vaticano em fevereiro de 2019.

O ano passado, o papa incluiu no organograma da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada sete novos membros, todas mulheres. Entre elas, seis são as superioras-gerais de ordens religiosas feminina. Para a Congregação para as Causas dos Santos nomeou Stefania Nanni, professora de História Moderna na Universidade la Sapienza, de Roma, como consultora.

A lista das “mulheres de Francisco” termina aqui. Pelo menos por agora, porque é sabido que o papa argentino quer aumentar a presença feminina na Santa Sé e nas instituições a ela ligada. Em mais de uma ocasião Bergoglio aludiu ao desejo de querer, mais cedo ou mais tarde, uma mulher a dirigir um dicastério.

Alguns, como a União Internacional das Superioras-gerais, observam com criticismo que a máquina vaticana ainda tenha um pendor demasiado masculino, e que os poucos cargos femininos de direção sejam quase sempre subordinados a homens. Um dado que, segundo a Associação, não respeita o facto de que mais da metade dos 1,3 mil milhões de católicos do mundo são mulheres, e que a pertença às ordens religiosas femininas é cerca de três vezes maior do que das ordens masculinas.

Os dados publicados em março pelo departamento de pessoal da Santa Sé atestam, no entanto, uma mudança da tendência, com a duplicação de colaboradoras nos últimos dez anos. Basta pensar que só no Governatorato da Cidade do Vaticano, por exemplo, passaram de 195 a 371.

Salvatore Cernuzio
In Vatican Insider
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: D.R.
Publicado em 16.01.2020
http://www.snpcultura.org

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 16/01/2020 da in Donne nella chiesa, ITALIANO.

  • 408.977 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Segui assieme ad altri 834 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: