COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

Papa lamenta que pobres aumentem quando as 50 pessoas mais ricas podiam salvar milhões de vidas


Pobreza


«Queria começar com um dado factual: o mundo é rico e, no entanto, os pobres aumentam à nossa volta»: este foi o motivo condutor da intervenção que o papa dirigiu esta quarta-feira, no Vaticano, a líderes financeiros e especialistas em economia de vários pontos do globo.

Corrupção, paraísos fiscais, fuga aos impostos, lavagem de dinheiro, dívidas impagáveis, injustiça, indústria da guerra e influência desmesurada das multinacionais foram alguns dos temas abordados por Francisco, que, a par das denúncias, vincou que a «iniquidade universal» não é um determinismo irresolúvel.

O diagnóstico da miséria impressiona: «Centenas de milhões de pessoas ainda estão mergulhadas na pobreza extrema e carecem de alimentos, habitação, atenção médica, escola, eletricidade, água potável e serviços de saneamento».

«Calcula-se que aproximadamente cinco milhões de crianças menores de cinco anos morram este ano por causa da pobreza. Outros 260 milhões, de crianças, carecerão de educação devido à falta de recursos, devido às guerras e às migrações», recordou aos participantes no seminário “Novas formas de solidariedade. Para uma inclusão, integração e inovação fraternas”.

«Temos de escolher o quê e a quem dar prioridade: se propiciamos mecanismos socioeconómicos humanizantes para toda a sociedade, ou, pelo contrário, fomentamos um sistema que acaba por justificar determinadas práticas que a única coisa que conseguem é aumentar o nível de injustiça e de violência social»

A estas causas, só por si imorais num mundo de riqueza, estão na origem de mais males: «Tráfico e novas formas de escravidão, como o trabalho forçado, a prostituição e o tráfico de órgãos.»

«Estas realidades não devem ser motivo de desespero, não, mas de ação. São realidades que nos movem a que façamos algo», vincou Francisco, que mencionou «dados quase oficiais» para afirmar que as 50 pessoas mais ricas do mundo «poderiam salvar milhões de vida a cada ano».

Com efeito, prosseguiu o papa, «um mundo rico e uma economia vibrante podem e devem acabar com a pobreza», através de «dinâmicas capazes de incluir, alimentar, curar e vestir os últimos da sociedade, em vez de excluí-los».

«Temos de escolher o quê e a quem dar prioridade: se propiciamos mecanismos socioeconómicos humanizantes para toda a sociedade, ou, pelo contrário, fomentamos um sistema que acaba por justificar determinadas práticas que a única coisa que conseguem é aumentar o nível de injustiça e de violência social», apontou.

No discurso em que citou várias vezes o ensinamento social do papa S. João Paulo II, Francisco apontou o dedo às «estruturas do pecado», entre as quais os «repetidos cortes de impostos para as pessoas mais ricas», «paraísos fiscais para as receitas privadas e corporativas» e a «possibilidade de corrupção por parte de algumas das maiores empresas do mundo, não poucas vezes em sintonia com algum setor político governante».

«Assim como existe uma “co-irresponsabilidade”», também há «uma coresponsabilidade inspiradora e esperançosa para criar um clima de fraternidade»

«Anualmente, centenas de milhares de milhões de dólares, que deveriam pagar-se em impostos para financiar os cuidados médicos e a educação, acumulam-se em contas de paraísos fiscais, impedindo assim a possibilidade do desenvolvimento digno e sustentado de todos os atores sociais», notou.

Todavia, «a maior estrutura de pecado, ou a maior estrutura de injustiça, é a indústria da guerra, já que é dinheiro e tempo ao serviço da divisão e da morte», causando a cada ano perdas de «biliões de dólares em armamentos e violência, verbas que terminariam com a pobreza e o analfabetismo».

Em países sobre-endividados, as pessoas mais pobres «suportam cargas de impostos esmagadoras e cortes nos serviços sociais, à medida que os seus governos pagam dívidas contraídas insensível e insustentavelmente».

Francisco encorajou os participantes, e através deles os líderes mundiais, a desacomodarem-se neste ambiente de iniquidade: «Assim como existe uma “co-irresponsabilidade”», também há «uma coresponsabilidade inspiradora e esperançosa para criar um clima de fraternidade».

O início de 2020 pode ser aproveitado para «construir pontes, pontes que favoreçam o desenvolvimento de um olhar solidário a partir dos bancos, das finanças, dos governos e das decisões económicas»

Para o papa, «uma nova ética supõe estar-se consciente da necessidade de que todos se comprometam a trabalhar juntos para fechar os esconderijos fiscais, evitar as evasões e a lavagem de dinheiro», assim como manifestar firmeza na «importância de defender a justiça e o bem comum sobre os interesses das empresas e multinacionais mais poderosas, que acabam por asfixiar e impedir a produção local».

«Que inspirador é escutar Santo Ambrósio, que pensa com o Evangelho: “Tu [rico] não dás do que é teu ao pobre [quando fazes caridade], mas estás, antes, a entregar-lhe o que é dele. Pois, a propriedade comum dada em uso para todos, só tu é que estás a usá-la», observou.

O início de 2020 pode ser aproveitado para «construir pontes, pontes que favoreçam o desenvolvimento de um olhar solidário a partir dos bancos, das finanças, dos governos e das decisões económicas».

«Necessitamos de muitas vozes capazes de pensar, desde uma perspetiva poliédrica, as diversas dimensões de um problema global que afeta os nossos povos e as nossas democracias», assinalou.

As palavras de Francisco na iniciativa organizada pela Academia Pontifícia das Ciência Sociais terminaram com um agradecimento e um apelo: «Muito obrigado. E, por favor, vou fazer um pedido, não é um empréstimo: não se esqueçam de rezar por mim, porque este trabalho que me cabe fazer não é nada fácil».

Rui Jorge Martins
Fonte: Sala de Imprensa da Santa Sé
Imagem: /Bigstock.com
Publicado em 06.02.2020
http://www.snpcultura.org

 

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 06/02/2020 da in Atualidade social, PORTUGUÊS con tag .

  • 471.202 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 883 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: