COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

Enzo Bianchi – Sete ensinamentos de Jesus sobre a oração (II)


É preciso acreditar que somos escutados, porque tudo se torna possível àquele que tem fé; quem, ao contrário, na oração se mostra balanceado ente confiança e ceticismo, não reconhece que Deus, através de Jesus Cristo, possui o poder de realizar infinitamente mais do que quanto o ser humano possa pedir ou pensar.

«Tudo aquilo que pedirdes no meu nome, Eu o farei»

Orar é também pedir a Deus aquilo de que temos necessidade, mas pedi-lo no nome de Jesus. Isto, por um lado, significa unir a nossa oração à de Jesus, que «à direita de Deus intercede por nós»; mas, sobretudo, concordar a nossa oração com a sua, isto é, ter em nós os mesmos sentimentos e os mesmos pensamentos que existem nele.

Com efeito, o propósito da oração é que nós façamos a vontade do Pai, não que Deus faça a nossa; as nossas orações não transformam o desígnio de amor de Deus sobre nós, mas são os dons que Deus concede na oração a transformar-nos e a colocar-nos em sintonia com a sua vontade. É por isso que, se se ora no nome de Jesus – desconcertante, mas verdadeiro – já se é atendido, tendo colocado como primado sobre tudo a vontade de Deus que se cumpre em nós e em todas as criaturas do Céu e da Terra; este primado foi a sede de Jesus ao longo de toda a sua vida, foi o seu alimento diário.

É preciso acreditar que somos escutados, porque tudo se torna possível àquele que tem fé; quem, ao contrário, na oração se mostra balanceado ente confiança e ceticismo, não reconhece que Deus, através de Jesus Cristo, possui o poder de realizar infinitamente mais do que quanto o ser humano possa pedir ou pensar.

Orar com humildade, como o publicano

O orgulho, o desprezo dos outros, a sobrevalorização de si próprio, são tudo impedimentos à oração; ao contrário, afirmar com convicção, como o publicano da parábola, «ó Deus, tem piedade de mim, pecador», é a primeira palavra para se dirigir a Deus.

Nenhuma autoexaltação é possível perante o Deus três vezes Santo, mas só o conhecimento do próprio pecado. Quando isto acontece, eis que se cumpre o grande milagre: «Aquele que conhece o seu pecado é maior do que quem ressuscita os mortos» (Isaac de Nínive).

No Evangelho segundo Lucas, o modelo de tal disposição interior é o publicano, o pecador justificado porque se apresentou a Deus naquela humilhação que, só por si, pode introduzir a humildade. Significativamente, na “Regra” de S. Bento, ao monge é proposto como modelo de humildade o publicano do Evangelho, não o fariseu, tão cego na sua arrogância humana e espiritual. De resto, Pedro é o primeiro discípulo perdoado, logo desde o momento do seu chamamento, quando, ao discernir Jesus como Senhor, grita: «Afasta-te de mim, que sou um pecador».

A relação entre Deus e o ser humano na oração deve ser colocada na íntima verdade dos protagonistas desse encontro: o Criador e a criatura, o Pai pródigo de amor e o filho perdido e reencontrado, o Médico e o doente, o Santo e o pecador.

Orar juntos, concordes com os irmãos

Se é verdade que também a oração solitária deveria ser feita em comunhão com toda a humanidade, tal comunhão deve ser a nossa preocupação principal nomomento da oração comum.

Com efeito, Cristo assegurou a sua presença nessa situação: «Onde estão dois ou três reunidos no meu nome, Eu estou no meio deles». O acento específico da exortação de Jesus recai no fazer convergir as vozes, que tem como exigência o concordar-se, o fazer convergir os corações, ou seja, percorrer um caminho para uma comunhão profunda de sentimentos, a fim de serem apresentados conjuntamente diante de Deus. A oração “sinfónica” feita na Terra encontra a escuta nos Céus. É significativo o que se afirma da primeira comunidade cristã, nascida do Pentecostes: vivia da união fraterna, da prática conjunta da oração, tendendo a ser «um só coração e uma só alma».

Na oração, por isso, não se trata só de unir as vozes em pedido e ação de graças, mas fazê-lo unindo o coração de todos. Arte difícil a da concordância, mas não se pode orar juntos sem esta caminho árduo de reconhecimento do outro, da sua alteridade, da sua diferença, dos seus dons e do seu serviço na Igreja. Sem eliminar as diferenças e sem englobar com voracidade a oração do outro, trata-se de acolher o seu pedido na única busca do Reino que vem; assim se confere unanimidade à oração, não através do consenso, mas mediante a conversão dos próprios pensamentos nos de Cristo. Infelizmente, muitas vezes não tem suficientemente em conta a importância desta oração concorde, que é a primeira e elementar instância para viver a comunhão na comunidade e na Igreja.

Enzo Bianchi
In Perché pregare, come pregare, ed. San Paolo
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: DedMityay/Bigstock.com
Publicado em 31.01.2020
http://www.snpcultura.org

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 06/03/2020 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 472.208 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 884 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: