COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

Cinco objeções à oração (I)


giorno-memoria


«Alguns irmãos interrogaram o “abba” Agatone, dizendo: “Abba, que virtude entre aquelas que praticamos requer maior esforço?”. Responde: «Perdoai-me, mas penso que haja esforço tão grande como rezar a Deus. De cada vez, com efeito, que o homem quer orar, os inimigos procuram impedi-lo, porque sabem que nada lhes pode pôr mais obstáculos quanto o facto de ele orar a Deus. Qualquer obra que o homem empreenda, se persevera nela, encontra repouso, mas para a oração é preciso lutar até ao último respiro» (“Ditos dos Padres do Deserto”).

«O homem não reza facilmente. É fácil que ele experimente, na oração, um senso de aborrecimento, um embaraço, uma repugnância, até mesmo uma hostilidade. Qualquer outra coisa lhe parece mais atraente e mais importante. Diz que não tem tempo, que tem outros compromissos urgentes, mas mal deixa de rezar, ei-lo a meter-se a fazer as coisas mais inúteis. O homem deve parar de enganar a Deus e a si próprio. É muito melhor dizer abertamente: “Não quero rezar”, em vez de usar astúcias como aquelas» (Romano Guardini).

Estes dois textos provenientes de épocas e lugares muito diferentes exprimem bem, sem que seja preciso comentá-los, as dificuldades de rezar. Analisaremos agora algumas das objeções mais gerais que se colocam em relação à oração.

Oração e mal do mundo

Há uma pergunta que emergiu no século passado e que colocou em questão toda a oração: ainda é possível rezar após Auschwitz? Respondeu-se, justamente, que é possível orar depois de Auschwitz, porque em Auschwitz rezou-se; é possível porque judeus e cristãos foram mortos a recitar o “Shema’ Jisra’el” [“Escuta, Israel”] e invocando o “Pai nosso”; é possível porque no inferno dos campos de extermínio prosseguiu a história da santidade, de Edith Stein a Dietrich Bonhoeffer, aos muitos santos judeus e cristãos sem nome e sem rosto.

O cristão, aquele que confessa Senhor e Filho de Deus Jesus Cristo crucificado, naquela que parece uma situação de silêncio e de abandono da parte de Deus, funda a possibilidade da sua oração na invocação feita por Jesus na cruz. Nela, o Filho mantece a sua fidelidade ao Pai, continuando a invoca-lo como o seu Deus: «Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?». A oração de Cristo na situação de vergonha, na morte infamante, sobre o madeiro que o declara pecador público, maldito de Deus, excomungado da sociedade religiosa e banido do consórcio social, na situação “a-teia”, «sem Deus» da cruz: este é o fundamento da oração do cristão nos infernos da existência. Gritando na oração a sua adesão ao Deus que o abandona, Jesus concretiza aquela definitiva despossessão de si, que realiza nele a vontade de Deus: «Não a minha, mas a tua vontade seja feita». Nesse ponto, a comunhão de vontade é também plena comunhão na paixão, é plena compaixão.

Cada instante existe porque Deus está vivo, e «trabalha sempre», cada instante é um ato da sua criação. Esta operação de discernimento da presença de Deus nas realidades criadas e do seu agir na história é essencial para a oração

Certamente que a experiência do mal devastador, do sofrimento dos pequenos e dos inocentes, da fúria da violência que marcou tão tragicamente o século passado e que hoje entra nas casas de todas as famílias graças aos meios de comunicação social, provoca muitas vezes a reação de rejeição em relação a um Deus que parece consentir o mal, ou, até, mostrar um rosto malvado. Deus aparece como impotente perante a omnipotência do mal, ou aparece mudo, inerte; porque, por isso, rezar a Ele? Na verdade, a primeira pergunta que o homem responsável deveria colocar-se diante da degeneração causada pela violência humana é: não será talvez morta a humanidade do homem? E o crente poderia acrescentar: não serão talvez mortos os homens em relação à realidade de Deus? A pergunta a fazer, então, não é tanto «onde está Deus?», mas antes, «onde está o homem?»…

Uma vez alcançada essa consciência, o cristão ora também nas contradições, atestando assim que Deus, reconhecido na sua alteridade, é realmente o Senhor, e não a projeção sublimada e omnipotente do homem; o cristão reza porque só na árdua oração lhe é revelado «o mistério de Deus», revelado definitivamente em Cristo crucificado. É a revelação, na substância, da participação de Deus no sofrimento do homem.

Oração e secularização

Outra objeção radical ao fundamento da oração vem do processo de secularização que marcou toda a época moderna, caracterizada pela afirmação da autonomia plena das ciências e da tecnologia em relação ao plano religioso, e pelo acrescido sentido de responsabilidade do homem em relação à história e ao mundo. A secularização foi certamente positiva em muitos aspetos: ajudou a purificação da prática cristã de aspetos mágicos e ritualistas; colocou o acento na responsabilidade efetiva do homem na projeção das realidades terrenas; denunciou a imagem de um Deus demasiadas vezes reduzido a “tapa-buracos”, como se fosse remédio da deficiência humana, como um “deus ex machina” que chega e tem sucesso onde a natural limitação impede ao homem de chegar.

Na sequência deste fenómeno, a oração tornou-se, no entanto, cada vez mais suspeita de evasão da história e da responsabilidade humana; sobretudo, foi colocada em profunda crise, até ser considerada por muitos como superada, a oração de petição e, mais precisamente, o pedido de intervenção de Deus nas coisas temporais. A radical rotura da aliança entre homem e natureza e da imediatez da sua relação, assim como a ocupação, por parte do homem, de espaços e âmbitos que em tempos pertenciam ao exclusivo domínio da intervenção de Deus, produziram um clima cultural marcado por um cada vez maior afastamento e insignificância de Deus, aprofundando o fosso que separa a oração e a vida. E assim, «enquanto o homem de antigamente encontrava no ambiente à sua volta uma ajuda para fortificar a sua fé e a prática da oração, hoje o mundo que o rodeia é um obstáculo contra o qual tem de lutar quem quer salvaguardar a fé e a prática da oração» (Dumitru Staniloae).

Como esquecer que o crescimento da capacidade da parte do homem agir sobre a realidade foi ao mesmo tempo acompanhada pela capacidade de aniquilamento, e aconteceu também com o preço de uma exploração indiscriminada do ambiente natural

Para recuperar, neste contexto, a plenitude do sentido da oração e da fé é, antes de tudo, necessário compreender mais a fundo a unidade intrínseca entre criação e redenção. Nas Escrituras, a criação é apresentada como acontecimento de salvação, como evento pascal de passagem das trevas à luz, e do caos à harmonia, como passagem no não-ser à vida, e a salvação é descrita comouma re-criação; Cristo, primogénito de toda a criatura, no qual, por meio do qual, e em vista do qual todas as coisas foram criadas, é aquele que presidiu à criação como à redenção, é o único mediador dos dons de uma aliança já inscrita no plano da criação. Para a Escritura, então, a criação não é um ato realizado de uma vez para sempre, e, portanto, enclausurado no passado, mas é um processo contínuo. Cada instante existe porque Deus está vivo, e «trabalha sempre», cada instante é um ato da sua criação. Esta operação de discernimento da presença de Deus nas realidades criadas e do seu agir na história é essencial para a oração.

De acordo com a revelação de Deus na bíblia, além disso, o mundo criado é um mundo em que o homem é chamado a intervir. O homem recebe de Deus a vocação para cultuvar e proteger a Terra, para dominar e exercitar um domínio sobre a criação, uma vocação que lhe oferece a possibilidade de cocriação, juntamente com Deus. Há, por isso, uma positividade no desenvolvimento técnico-científico, ameaçada, contudo, por um progresso paralelo da capacidade de fazer o mal. O desenvolvimento técnico, como qualquer realidade depositada nas mãos do homem, é ambíguo, e pode tornar-se portador de maldição (exploração, opressão, morte). Como esquecer que o crescimento da capacidade da parte do homem agir sobre a realidade foi ao mesmo tempo acompanhada pela capacidade de aniquilamento, e aconteceu também com o preço de uma exploração indiscriminada do ambiente natural, que perturbou perigosamente os equilíbrios?

A oração coloca-se nesta fina linha: não em concorrência com a técnica, nem em vista de uma sua substituição, mas como memória do facto de que a técnica está ao serviço do homem e do desígnio de Deus, e não deve converter-se em instrumento de opressão sobre outros homens ou de prevaricação sobre a criação, nem ser absolutizada até tornar-se um novo deus, um ídolo. A oração compromete o crente a permanecer num espaço de obediência ao Pai e de plena responsabilidade em relação aos seus irmãos: só assim o seu agir no mundo pode ser via da bênção do Deus da aliança. Com a oração de petição, em particular, o crente aceita que Deus continue Deus, recusa ver em si mesmo a fonte da vida, e rejeita a tentação de se erguer a si próprio a Deus. O crente sabe que Deus lhe confiou radicalmente tudo, mas também sabe que deve dispor-se, diariamente, a receber novamente tudo, como dom, do próprio Deus, testemunhando-o assim como o Senhor da sua vida e de toda a realidade. Paulo escreve, num texto de importância capital para compreender a responsabilidade do crente em relação ao mundo e em relação a Deus: «O mundo, a vida, a morte, o presente, o futuro: tudo é vosso! Mas vós sois de Cristo, e Cristo é de Deus!» (1 Coríntios 3,22-23).

Enzo Bianchi
In Perché pregare, como pregare, ed. San Paolo
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: D.R.
Publicado em 07.02.2020
http://www.snpcultura.org

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 10/03/2020 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag , .

  • 471.248 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 883 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: