COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

A pandemia de Covid-19 vai acelerar a passagem do centro do mundo para a Ásia


Bangkok

Bangkok
18 Abril 2020
http://www.ihu.unisinos.br

“O estudo da McKinsey indica uma mudança geoeconômica do mundo e fica cada vez mais atual. Nas estimativas do FMI a China vai crescer 10,4% e os EUA vão diminuir -1,2% no agregado de 2020 e 2021. É a maior diferença entre os dois líderes globais em décadas. A China já é líder na Revolução 4.0 e está na frente na tecnologia 5G que vai ser fundamental no mundo pós-coronavírus. Enfim, uma consequência não antecipada da pandemia de covid-19 pode ser reforçar a tendência de deslocamento do centro de gravidade econômico global com maior velocidade para o Leste”, O artigo é escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia, publicado por EcoDebate, 17-04-2020.


O Mediterrâneo é o oceano do passado.
O Atlântico é o oceano do presente
e o Pacífico, o oceano do futuro”
John Hay, secretário de Estado dos EUA, em 1900

O futuro será da Ásia e do Pacífico. Esta frase, tantas vezes repetida, pode estar mais perto da realidade. A suma ironia atual é que a pandemia do novo coronavírus que surgiu e teve o epicentro original na China, pode, indiretamente, ajudar a Ásia a se fortalecer na correlação de forças internacionais e pode acelerar a passagem do centro econômico do mundo para o “continente amarelo”.

No dia 01 de março, a China respondia por 90,3% dos casos de covid-19, a Coreia do Sul por 4,2% e o Japão por 0,3%. Os três países – líderes tecnológicas da economia asiática – juntos respondiam por 94,8% dos casos e por 96,4% das mortes no início de março.

Mas o quadro mudou completamente com os dados de 15 de abril, quando a China respondia por somente 4% dos casos e 2,5% das mortes, a Coreia do Sul respondia por 0,5% dos casos e 0,2% das mortes globais e o Japão respondia por 0,4% dos casos e 0,1% das mortes. Os 3 juntos respondiam por 4,9% dos casos e 2,8% da mortes ocorridas no mundo.

No mesmo dia 15 de abril, os 5 maiores países ocidentais do G-7 (EUA, Alemanha, França, Reino Unido e Itália) mais a Espanha tinham, em conjunto 1,36 milhões de casos (representando 65,8% do total global) e 102,3 mil mortes (representando 76,4% do total das mortes globais).

Isto quer dizer que a pandemia de covid-19 impactou de maneira muito mais forte a Europa e a América do Norte e estes países ocidentais vão sofrer os maiores custos do surto do novo coronavírus e, pelo visto, vão demorar mais tempo para controlar a epidemia e para reativar a economia. Ou seja, quando a China e boa parte da Ásia começam a voltar à produção econômica, os países do Oeste ainda estão paralisados e em quarentena.

Uma primeira avaliação global sobre o impacto econômico da pandemia foi feita pelo FMI, que divulgou o relatório WEO em 14 de abril de 2020. A tabela abaixo resume o comportamento do PIB do mundo, regiões e alguns países. O FMI considera que a depressão de 2020 apresentará a maior contração anual da história do capitalismo. Mas o Fundo também considera que haverá uma rápida recuperação em 2021. Evidentemente, não existe nenhuma certeza sobre estes números e provavelmente a crise da pandemia de covid-19 será maior do que o FMI imagina.

Contudo, os dados apresentados no WEO são úteis para uma primeira avaliação da dinâmica internacional entre os países. A tabela abaixo mostra que o PIB mundial subiu 2,9% em 2019, vai cair 3% em 2020 e pode recuperar (na visão otimista do FMI) para a taxa de 5,8% em 2021. Assim, a média dos dois anos (2020 + 2021) ficaria em 2,8% que é próxima do valor de 2019.

Mas entre regiões e países a situação é diferenciada. Nas economias avançadas (países ricos e desenvolvidos) a soma do crescimento do PIB de 2020 e 2021 será de -1,6%, valor muito menor do que o valor de 1,7% de 2019. Esta situação se repete para os demais países ocidentais, como os EUA que deve ter uma queda do PIB de -1,2% na média de 2020+2021. A América Latina e Caribe (ALC) também vão ter péssimo desempenho, sendo que o Brasil e o México vão ficar no vermelho nos dois anos: -2,4% e -3,6% respectivamente.

A África Subsaariana deve manter um crescimento perto do valor de 2019 (mas tem que se considerar que um crescimento do PIB de 2,5% na África é pequeno, pois o crescimento populacional é muito alto).

Em contraste, a Ásia emergente deve manter um crescimento de 1% em 2020 e ter uma recuperação extraordinária em 2021 com 8,5%. China deve somar 10,4% e Índia 9,3% de crescimento do PIB, na soma de 2020 e 2021. Isto quer dizer que a distância de desempenho entre as economia avançadas e a Ásia emergente deve se alargar.

18-04-tabela-pib

Assim, a profunda crise que está ocorrendo nos países ocidentais, vai elevar o desemprego e a pobreza, além de aumentar o déficit púbico e a dívida pública, dificultando a retomada dos investimentos e a recuperação da economia. Enquanto o Ocidente vai conviver com suas mazelas, o Oriente – mesmo com todas as dificuldades – vai iniciar com antecedência uma recuperação econômica e poderá retomar altas taxas de crescimento do PIB na dianteira do resto do mundo

A consequência geopolítica destes números é que o centro de gravidade econômico do mundo vai se deslocar com mais força e intensidade em direção à Ásia e, em especial, em direção à Índia e ao triângulo estratégico formado por China, Índia e Rússia.

Como mostrei em outro artigo (Alves, 18/03/2019), no passado, o centro econômico do mundo ficava na Ásia Central, ao norte da Índia e a oeste da China, refletindo os avanços civilizacionais desfrutados no Oriente Médio e Extremo Oriente. Até 1820, a Ásia respondia por dois terços da riqueza mundial, mas foi superada rapidamente pelo Ocidente graças à Colonização da América e à Revolução Industrial e Energética que garantiu a riqueza e o poderio da Europa e dos Estados Unidos.

Em 1900, o centro econômico havia mudado para o norte da Europa, que deu um salto muito à frente do resto do mundo durante o século XIX. Na primeira metade do século XX até 1950, o centro mudou para o Atlântico Norte, refletindo a ascensão econômica e populacional dos Estados Unidos, como mostra o relatório “Urban world: Cities and the rise of the consuming class”, do McKinsey Global Institute (Junho de 2012).

Mas o relatório também mostra que a tendência de Ocidentalização do mundo deu um “cavalo de pau” em meados do século passado, voltou a se direcionar para o norte da Europa e agora essa tendência está se direcionando para o Oriente, em uma velocidade impressionante. O que levou séculos para se deslocar para o oeste, desde as Grandes Navegações iniciadas por Cristóvão Colombo em 1492, agora faz o caminho de volta para o leste em questão de décadas.

A McKinsey calculou onde o centro econômico ponderando o PIB nacional pelo centro geográfico de gravidade de cada país. O relatório liga a grande mudança na economia global à tendência de urbanização, observando que as economias em rápido crescimento sempre têm cidades em rápido desenvolvimento. Até 2025, prevê o relatório, dois terços do crescimento econômico mundial virão de um grupo de 600 cidades, sendo 440 delas em países em desenvolvimento. Por exemplo, o crescimento urbano da China está ocorrendo 10 vezes mais rápido do que a urbanização no Reino Unido, o primeiro país a se industrializar. A China está criando megacidades (população de 10 milhões ou mais) a uma taxa de uma por ano.

De acordo com o relatório da McKinsey, o centro de gravidade econômico vem mudando para leste na última década a uma taxa de 140 km por ano e, em 2025, terá retornado a um lugar na Ásia central, ao norte de onde foi no ano 1.000 DC. “Não é uma hipérbole dizer que estamos observando a mudança mais significativa no centro de gravidade econômico da Terra na história”, conclui o relatório.

Ou seja, o estudo da McKinsey indica uma mudança geoeconômica do mundo e fica cada vez mais atual. Nas estimativas do FMI a China vai crescer 10,4% e os EUA vão diminuir -1,2% no agregado de 2020 e 2021. É a maior diferença entre os dois líderes globais em décadas. A China já é líder na Revolução 4.0 e está na frente na tecnologia 5G que vai ser fundamental no mundo pós-coronavírus. Enfim, uma consequência não antecipada da pandemia de covid-19 pode ser reforçar a tendência de deslocamento do centro de gravidade econômico global com maior velocidade para o Leste.

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 22/04/2020 da in Atualidade social, PORTUGUÊS con tag , , .

  • 507.986 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 913 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: