COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

Ravasi, “As sete palavras de Maria”


Cristo crucificado


Se nos ativermos aos textos bíblicos, as frases de Maria são seis: duas na anunciação do arcanjo Gabriel, uma na visita a Isabel (o “Magnificat”), uma no reencontro do Filho no templo, entre os doutores, e duas nas bodas de Caná. Mas o autor acrescenta uma sétima: o silêncio assertivo da Virgem no calvário, quando Jesus a torna mãe da Igreja, naquele momento representada pelo discípulo João.

«Ó Senhor, eu mesma serei a tua música», diz um belo verso do poeta John Donne (1571-1631) mencionado pelo cardeal Gianfranco Ravasi no seu novo livro de reflexões bíblicas, “As sete palavras de Maria” (“La sette parole di Maria” (it.), 152 páginas, 11,40€, ed. EDB), pontuado, como sempre, por numerosas citações literárias, pictóricas e musicais.

A linguagem não é técnica, filológica e exegética, mas reflexiva. O presidente do Conselho Pontifício da Cultura nota com as palavras “Maria” são «marginais» nos textos evangélicos: 16 versículos com 154 palavras gregas (das quais 102 expressas no “Magnificat”), nas 19 404 do Evangelho de Lucas e nas 15 416 de João. Ravasi percorre-as “cronologicamente”, seguindo Maria no seu caminho de fé.

Se nos ativermos aos textos bíblicos, as frases de Maria são seis: duas na anunciação do arcanjo Gabriel, uma na visita a Isabel (o “Magnificat”), uma no reencontro do Filho no templo, entre os doutores, e duas nas bodas de Caná. Mas o autor acrescenta uma sétima: o silêncio assertivo da Virgem no calvário, quando Jesus a torna mãe da Igreja, naquele momento representada pelo discípulo João.

A primeira palavra (Lucas 1,34) é o pedido de clarificação da maneira como se vai realizar o plano de Deus dentro do projeto matrimonial de Maria. A expressão da plena disponibilidade da «serva do Senhor» encontra-se no versículo 38, como «servos de YHWH» tinham sito vários personagens do Antigo Testamento (maioritariamente homens), com grandes missões na história da salvação. Mas só aqui existe a expressão «a serva» de YHWH com o artigo, caso único na Bíblia.

À visitação, em que Maria é proclamada por Isabel como «a crente», segue a explosão do canto do “Magnificat”. À terceira palavra de Maria (Lucas 1,46-55) Ravasi dedica mais de 40 páginas, propondo uma análise literária geral, seguindo-se considerações versículo a versículo.

Ainda que se trate do fruto da piedade da comunidade primitiva, e entretecido por referências ao Antigo Testamento, o cântico condiz bem com Maria. Ela canta a graça imerecida de YHWH, a sua escolha paradoxal tendo em conta a pequenez da eleita, que, todavia, é uma constante na história da salvação, porque Deus escolhe instrumentos “frágeis” para realizar os seus planos.

Com o seu brusco «que coisa há entre mim e ti, ó mulher?», Jesus não se mostra distante em relação a Maria, mas com um fraseado tipicamente hebraico revela a diferente perspetiva de pontos de vista, e convida a mãe a ligar-se à sua

No “Magnificat” canta-se a subversão da mentalidade humana típica. Os sete aoristos, empregados como um martelo, indicam a precisão do agir divino, que constitui também a maneira habitual da ação de Deus em relação à humanidade.

A busca dolorosa e penosa (Lucas 2,48) empreendida por Maria e José por Jesus, empenhado nas coisas do seu Pai, mostra a sua dificuldade em compreender a pessoa e o caminho do Filho de Deus, que, no entanto, será sempre acompanhado pelo afeto e fé deles.

Em Caná de Galileia (João 2,1-11), Maria realiza não tanto uma função providencial de solução do drama dos dois jovens noivos que ficaram sem vinho durante a festa, mas a de favorecer a instauração da nova aliança da Igreja-esposa (nunca nomeada) com o verdadeiro Esposo na celebração da abundância das bodas messiânicas.

Maria é convidada por Jesus a sair do plano das relações familiares e da busca de sinais prodigiosos para o da atuação da história da salvação, que vê em Caná o lançamento daquela Hora, que encontrão seu ápice no Gólgota. Nesse momento ocorrerá pela segunda vez o termo «mulher». Com o seu brusco «que coisa há entre mim e ti, ó mulher?», Jesus não se mostra distante em relação a Maria, mas com um fraseado tipicamente hebraico revela a diferente perspetiva de pontos de vista, e convida a mãe a ligar-se à sua.

Por seu lado, Maria convida com a sua sexta palavra os «diáconos» a fazer tudo aquilo que Jesus eventualmente dirá (João 2,5). Com isto o evangelista alude à função providencial de José no Egito e à vontade de Israel de escutar e realizar as dez palavras que YHWH concederá no deserto do Sinai durante a estipulação da primeira Aliança.

Debaixo da cruz (João 19,26-27) acontece uma cena de revelação-vocação-missão que não tende tanto a recordar à maneira de crónica um testamento filial e o confiar-se de Maria à proteção humana do discípulo amado, mas a sublinhar a revelação do rosto da Igreja-mãe que, no momento do abandono/afastamento de Jesus moribundo, se torna sempre fecunda de novos filhos. A mulher torna-se mãe fecunda de maneira nova (Apocalipse 12).

É uma palavra silente a sétima de Maria, debaixo da cruz. Expressa-se no seu estar de pé de maneira contínua e estável. “Stabat Mater dolorosa”, honrarão com piedade os autores numa infinidade de obras musicais a mãe que contempla o Filho, na constância de quem não foge, mas recolhe o mandato do Filho de Deus.

Robert Mela | Com Cesare Cavalleri
Trad.: Rui Jorge Martins
Imagem: “Cristo na cruz entre Maria e S. João” (det.) | Albrecht Altdorfer | C. 1512
Publicado em 26.06.2020
http://www.snpcultura.org

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 29/06/2020 da in Fé e Espiritualidade, PORTUGUÊS con tag .

  • 456.634 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 873 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: