COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

Para compreender o papa Francisco, esqueça Roma, e aponte para Lampedusa


Lampedusa


Há lugares tão associados a acontecimentos particulares na história, que só a sua menção convoca uma multiplicidade de associações e emoções. Por exemplo, para nos referirmos à história de Portugal, Aljubarrota. No contexto global, muito recentemente, e crescentemente, introduza-se Lampedusa, no sétimo aniversário de uma das mais breves, e todavia mais paradigmáticas, viagens papais de todos os tempos.

Lampedusa é uma das três Ilhas Pelágias, designação que não constitui referência a Pelágio, monge herético do século IV para quem a salvação poderia ser alcançada exclusivamente à custa do esforço pessoal, sem a graça divina, mas à palavra grega que significa “mar aberto”.

Localizada na costa da Sicília, Lampedusa é o ponto mais a sul de Itália – está mais próxima da Tunísia, cerca de 135 km, do que da Sicília (220 km), e, geologicamente, faz parte do continente africano. É um destino turístico, e uma das suas praias for considerada a melhor do mundo, em 2013, pelo TripAdvisor.

Ao longo da história, Lampedusa fez parte de Espanha, Malta, Império Britânico, Reino de Nápoles, e, desde 1861, Itália, embora a lealdade a esses territórios tenha sido relativa (diz-se que em 1943, durante a segunda guerra mundial, o piloto de um caça britânico foi forçado a aterrar na ilha quando ficou sem combustível, e o comandante da guarnição italiana local logo se rendeu ao surpreendido aviador, que estava sozinho).

Nada disto, no entanto, é o que torna Lampedusa globalmente evocativo, mas sim o papel da ilha como ponto de entrada primário na Europa para vagas após vagas de migrantes e refugiados que fogem de África, Médio Oriente e Ásia.

Francisco condenou o que denominou de «globalização da indiferença» em relação ao destino das pessoas que fogem da violência e da pobreza, tendo passado algum do seu tempo a falar, abraçar e rezar com várias delas

Foi em 1998 que pela primeira vez se estabeleceu no centro de acolhimento e detenção em Lampedusa, como resposta ao número crescente de migrantes, refugiados e pessoas em busca de asilo que atravessavam o mar Mediterrâneo. Originalmente, a maioria eram africanos de nações como o Gana, Mali e Nigéria, forçados à travessia pela pobreza e violência.

Essas pequenas marés iniciais do final da década de 90 depressa se tornaram ondulações colossais nos anos 2000, especialmente após o início da guerra civil na Síria, em 2011, a par de convulsões na Tunísia e na Líbia.

A capacidade do centro, para 800 pessoas, foi ultrapassada, tendo muitas vezes abrigado dois mil ou mais migrantes. Outros dezenas de milhares foram alojados em espaços improvisados a campo aberto, nas proximidades. As condições eram notoriamente primárias – uma reportagem da RAI, televisão nacional da Itália, amplamente divulgada, chegou a comparar o centro de Lampedusa a um campo de concentração nazista e a Abu Ghraib.

O que elevou Lampedusa a estatuto icónico não foi apenas o drama humano, mas o facto de um elétrico novo papa a escolheu para a sua primeira viagem fora de Roma, a 8 de julho de 2013. A visita foi de apenas quatro horas e meia, mas raramente um mero meio-dia na vida de um papado foi tão repleto de simbolismo e substância.

À chegada, Francisco lançou uma coroa de flores ao mar, para assinalar os milhares de migrantes e refugiados que tinham morrido ao tentar fazer a travessia marítima em frágeis, sobrelotadas e inseguras barcas. Uma estimativa aponta para 20 mil pessoas afogadas no mar ao longo da última década.

Sete anos mais tarde, uma prova do impacto da viagem é o de uma coligação global de Organizações Não-Governamentais ter designado 8 de julho como o Dia Internacional do Mar Mediterrâneo

A missa ao ar livre a que presidiu foi junto do local onde os migrantes eram detidos e de um cemitério de embarcações. O altar foi formado por um dos destroços. Francisco condenou o que denominou de «globalização da indiferença» em relação ao destino das pessoas que fogem da violência e da pobreza, tendo passado algum do seu tempo a falar, abraçar e rezar com várias delas.

Na homilia, afirmou que ver as imagens daqueles migrantes e refugiados era como «um espinho no coração que faz doer», impelindo-o a ir.

Desde então, Francisco referenciou Lampedusa múltiplas vezes, de tal maneira que se tornou uma espécie de tropo para toda a sua agenda social e evangélica. A cada ano ele celebra uma missa para evocar a visita, tal como fez nesta quarta-feira, quando recordou o momento em que falou com um refugiado etíope e o seu intérprete deixou de lado alguns dos detalhes mais arrepiantes. Mais tarde, numa receção, uma mulher etíope disse-lhe que o que o intérprete tinha dito «não era nem um quarto da tortura e sofrimento que experimentaram»,

Sete anos mais tarde, uma prova do impacto da viagem é o de uma coligação global de Organizações Não-Governamentais ter designado 8 de julho como o Dia Internacional do Mar Mediterrâneo, num esforço para despertar a consciência para as condições precárias de migrantes e refugiados, bem como para os desafios ecológicos que afetam a região mediterrânica.

Diz-se, por vezes, que quando se quer compreender a identidade de Portugal se tem de ir a Aljubarrota. Da mesma maneira, não se pode compreender o pontificado de Francisco sem ir a Lampedusa – o único local no mapa global, mais do que qualquer outro, ainda mais do que a sua Argentina natal ou a sua adotada cidade de Roma, ao qual este papa e a sua visão para a Igreja e para a humanidade serão para sempre associados.

John L. Allen Jr.
In Crux
Trad. / adapt.: Rui Jorge Martins
Imagem: Papa Francisco | Lampedusa, 8.7.2013 | D.R.
Publicado em 10.07.2020
http://www.snpcultura.org

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 10/07/2020 da in Atualidade eclesial, PORTUGUÊS con tag , .

  • 471.231 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 883 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stata una pubblicazione interna nata tra gli studenti comboniani nel 1935. Ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e di patrimonio carismatico.
Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
Pereira Manuel João (MJ)
combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: