COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

I Domingo de Advento (B)

I Domingo do Advento (ano B)
Marcos 13,33-37

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Acautelai-vos e vigiai, porque não sabeis quando chegará o momento. Será como um homem que partiu de viagem: ao deixar a sua casa, deu plenos poderes aos seus servos, atribuindo a cada um a sua tarefa, e mandou ao porteiro que vigiasse. Vigiai, portanto, visto que não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se de manhãzinha; não se dê o caso que, vindo inesperadamente, vos encontre a dormir. O que vos digo a vós, digo-o a todos: Vigiai!». (Marcos 13, 33-37)

Advento1

No Advento, Deus faz-se mais próximo
Ermes Ronchi

«Oh, se rasgásseis os céus e descêsseis!» (Isaías 63, 19). O profeta abre o Advento como um mestre do desejo e da espera. Jesus preenche a espera de atenção.

São as mães que conhecem profundamente a espera, que a aprendem durante os meses em que o seu ventre cresce de vida nova. Esperar é o infinito do verbo amar.

Advento é um tempo de caminhantes: tudo se faz mais próximo, Deus de nós, nós dos outros, eu de mim próprio. Um tempo em que se abreviam distâncias, entre céu e terra, entre homem e homem, e se começam caminhos.

No Evangelho deste domingo o proprietário parte e deixa tudo nas mãos dos seus servos, a cada um a sua tarefa. Uma constante de muitas parábolas, onde Jesus narra o rosto de Deus que deixa o mundo nas nossas mãos, que confia as suas criaturas à inteligência fiel e à ternura combativa do homem.

Mas há um duplo risco que pende sobre nós. O primeiro, avisa Isaías, é o do coração endurecido: «Porque nos deixais desviar dos vossos caminhos?». A dureza do coração é a doença que Jesus mais teme, que combate nos fariseus, que quer curar com todo o seu ser. Máximo, o Confessor, dizia: «Quem tem o coração doce será perdoado».

O segundo risco é viver uma vida adormecida. O Evangelho entrega-nos uma vocação para o despertar, porque «sem despertar não se pode sonhar» (R. Benigni).

O risco diário é uma vida adormecida, incapaz de colher chegadas e inícios, amanheceres e nascentes, de ver a existência como uma mãe à espera, grávida de luz; uma vida distraída e sem atenção.

Viver com atenção. Mas a quê? Atentos às pessoas, às suas palavras, aos seus silêncios, às perguntas mudas, a cada oferta de ternura, à beleza de ser vida grávida de Deus.

Atentos ao mundo, nosso planeta bárbaro e magnífico, às suas criaturas mais pequenas e indispensáveis: a água, o ar, as plantas. Atentos ao que acontece no coração e no pequeno espaço em que me movo.

Somos argila nas tuas mãos. Tu és aquele que nos dá forma (cf. Isaías, primeira leitura de Domingo). O profeta convida a perceber o calor, o vigor, a carícia das mãos de Deus, que cada dia, numa criação imparável, nos plasma e dá forma, que nunca nos deita fora se o nosso vaso não sai bem, mas que nos coloca sempre de novo sobre o torno do oleiro.

Ermes Ronchi In “Avvenire” Trad. / edição: Rui Jorge Martins http://www.snpcultura.org

Vigiai!
José Tolentino Mendonça

Queridos irmãs e irmãos,
Nós começamos hoje a caminhada de Advento. É importante perguntarmo-nos o que é para nós o Natal. Como é que cada um de nós se relaciona com este acontecimento que é, por um lado, o mistério da Incarnação do Senhor mas, por outro lado, a expectativa da Sua vinda.

Porque, de facto, a nossa vida está colocada entre duas vindas: a primeira vinda do Messias, que aconteceu há 2000 anos atrás, mas nós somos o povo messiânico, nós continuamos à espera e por isso ouvimos na Carta aos Efésios o autor Paulino dizer: “Estai vigilantes, estai expectantes, até que Cristo venha ao vosso encontro.”

E neste capítulo 13 do Evangelho de Marcos que hoje lemos, a mesma coisa: “Estai preparados, não aconteça que a vida vos torne sonolentos, sonâmbulos, distraídos e quando vier o Senhor, não O reconheçais!”

Por isso o imperativo final desta passagem é: Vigiai, estai atentos!

O que é para nós o Natal? O que é que estamos dispostos a fazer neste tempo? O que é que um cristão é chamado a fazer neste tempo? É ir apenas reabrir as caixas para montar a pequena cena que nós colocamos num espaço da nossa sala? Apenas buscar uma árvore, um pinheiro, enchê-lo de fantasia? Sonhar com os presentes, ajudar as crianças nesse sonho e depois tudo acabar no final do dia 25?

Qual é o nosso papel, o que é que nós esperamos verdadeiramente?

Nós somos herdeiros de uma grande transformação cultural que foi no sentido de uma individualização, do reforço do papel do sujeito, e da sua subjetividade; isso foi um movimento muito importante, que de certa forma construiu o mundo moderno e que de certa forma também é reação ao mundo anterior, onde a dimensão do coletivo, da tribo, da nação, praticamente não deixava espaço para as trajetórias individuais, para a liberdade de cada um.

Hoje, pelo contrário, porventura caímos no perigo oposto, que é: cada um de nós se sente um fragmento, se sente a viver uma história que tem a ver com ele, que é ele que tem de resolver, que é ele que tem de organizar, e sentindo-nos assim a gerir um assunto apenas privado que é a nossa vida.

E também em relação ao mistério da fé, nós privatizamo-lo de tal forma que quando pensamos no Natal e no Advento pensamos:

“Eu tenho de ser melhor, eu tenho de fazer alguma coisa por mim, eu tenho talvez de ser mais caridoso, mais atento, mais paciente, mais generoso, tenho de ser mais espiritual, menos materialista…” Mas na lista de prioridades, de tarefas ou compromissos que nós colocamos para fazer no Advento em vista do Natal é tudo: “Eu, eu eu, eu, eu…”

E não está mal, seria pior se nós fizéssemos uma lista para o outro fazer – mas, de qualquer maneira, isso é um sintoma da forma como nós interpretamos o Natal e interpretamos o mistério da fé. De uma forma muito rude, nós vivemos como se Cristo já não voltasse mais, como se Ele já não voltasse, como se verdadeiramente a nossa espera fosse inútil, como se o que o cristianismo nos pedisse fosse um: “Volta-te para o passado, e tira do passado a força, tira do passado a inspiração.”

E é um pouco isso que nós fazemos, vamos ao passado buscar, vamos à cena do Presépio retomar a história, a narrativa, que nos pode tornar melhores, que pode hoje dar algum sentido à nossa vida…

Mas verdadeiramente não nos assumimos como povo messiânico, a viver uma tensão que não é apenas a afirmação do passado, não é apenas para dizer “o passado era verdadeiro”, mas é um compromisso com o futuro, é uma tensão que atravessa e transforma o próprio presente, porque Cristo está para vir, Ele está para chegar. Nós somos o povo que acredita nisso, e que se sente mobilizado por essa expectativa.

É interessante, por exemplo, revisitarmos os textos cristãos das origens sobre o Natal, o modo como S. Mateus conta o nascimento de Jesus. Ele conta aquela história em paralelo, numa relação de conflito, de hostilidade: de um lado, temos Maria, José e Jesus e, do outro lado, temos Herodes. E Herodes sente-se ameaçado pelo nascimento de Jesus: num ato tresloucado, manda matar as crianças todas que nasceram naquele ano, tenta seduzir os Magos para eles lhe trazerem informação privilegiada para ele anular, eliminar Jesus. Vêm estes pagãos do Oriente, estes Magos, vêm de longe trazendo presentes e adorar este Deus que nasce. Este gesto é um gesto político, porque Israel vive a afirmar a sua identidade, o Messias seria o Messias de Israel – e contudo vêm os pagãos, os gentios das outras nações, que atravessam e vêm perguntar exatamente ao Rei qual é o outro Rei que nasceu.

Então o tempo de Natal é também um tempo de conflito, é um tempo de combate, é um tempo de luta – porque de repente aparece um Rei que põe em causa os nossos reinados, põe em causa a forma como nós organizamos a vida. O Messias vem desativar a própria lei, desativar o mundo como nós o conhecíamos.

Os Evangelhos são escritos também como textos contra aquele modelo tipicamente judaico, nacionalista, de esgotar a religião – e então o cristianismo vem abrir, daquele nacionalismo estrito, vem abrir ao universalismo, é uma bomba… É uma bomba com estilhaços por todo o lado, e são textos também escritos contra Roma, contra o imperador romano – porque se vai dizer que o verdadeiro Messias, o verdadeiro Filho de Deus não é um imperador, como o Senado de Roma acreditava, mas o verdadeiro Filho de Deus é aquela criança que nasce naquele curral em Belém.

Este é um gesto que transforma completamente o mundo, e quando chega o Messias, a Lei que vigorava antes do Messias deixa de vigorar, porque o Messias traz uma nova Lei, traz uma nova Ordem, traz um novo modo de viver, traz um novo olhar à vida.

O que nós esperamos, queridos irmãos, não é apenas a recordação infantil, comovida, boa, genuína e ingénua, do que aconteceu há 2000 anos atrás. Nós, mulheres e homens estamos aqui neste ano de 2017, a assumir-nos como um povo messiânico, como um povo que diz: “A nossa vida não se resolve só por nós, a nossa vida resolve-se em diálogo, em relação com este Jesus que vem – e este Jesus que vem obriga-me a viver de certa maneira, obriga-me a trazer no coração um conjunto de convicções fundamentais, obriga-me a ser d’Ele, a viver na espera, a pertencer-lhe cada vez mais, porque Ele vem, e o meu tempo é de expectativa…

Por isso, talvez em vez de fazermos presépios no cantinho da nossa sala, devíamos abrir a janela, devíamos abrir a porta, abrir as mãos, abrir o coração, e dizer: “Vem, vem”, e dizer: “Eu estou à espera, eu quero que Tu venhas, eu estou aqui disponível para a Tua vinda, e eu quero ser uma testemunha desse futuro, um testemunha desse novo lugar, uma sentinela dessa fronteira que significa de facto a Tua vinda, Tu seres tudo em todos…”

É claro, sendo assim, o Natal é muito exigente, é um tempo exigente para nós, porque não é apenas buscar aquele conforto que se derrama suavemente nas nossas almas, é buscar o desconforto daqueles que se colocam de pé e fazem das suas poucas forças um lugar para se erguer e dizer: “Senhor, eu estou aqui, eu estou à espera, eu vivo à Tua espera!”

Será que nós vivemos à espera do Messias? Será que em nós se reconhece essa sede, essa incompletude, esse desejo, essa inquietação, esse desassossego, essa fome profunda? Será que somos devorados pela espera de Deus, pelo desejo de Deus – ou já nos aburguesamos em termos da nossa fé e já temos o suficiente, já vimos o suficiente, no fundo já não precisamos de uma segunda vinda?

Queridos Irmãos, vigiai, vigiai! É como vigias, como visionários, como gente que olha, como gente que transporta novas visões que o Advento nos coloca, é uma responsabilidade…

Que saibamos de facto sentir o chamamento a sermos um povo messiânico e a não metermos o messianismo na gaveta, praticando uma religião do autoconforto, da autoajuda, que tem tudo para nos manter no “quentinho” do nosso caminho, mas não cria aquela disrupção do homem para consigo mesmo, que diz: “Eu não sou a medida de todas as coisas, eu estou à espera daquele que me mede, da verdade que chega, da verdade de Deus”…

Pe. José Tolentino Mendonça, Domingo I do Advento

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 25/11/2020 da in O Pão do Domingo, PORTUGUÊS con tag .

  • 663.885 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 769 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stato una pubblicazione interna di condivisione sul carisma di Comboni. Assegnando questo nome al blog, ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e patrimonio carismatico.
Il sottotitolo Spiritualità e Missione vuole precisare l’obiettivo del blog: promuovere una spiritualità missionaria.

Combonianum was an internal publication of sharing on Comboni’s charism. By assigning this name to the blog, I wanted to revive this title, rich in history and charismatic heritage.
The subtitle
Spirituality and Mission wants to specify the goal of the blog: to promote a missionary spirituality.

Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
I miei interessi: tematiche missionarie, spiritualità (ho lavorato nella formazione) e temi biblici (ho fatto teologia biblica alla PUG di Roma)

I am a Comboni missionary with ALS. I opened and continue to curate this blog (through the eye pointer), animated by the desire to stay in touch with the life of the world and of the Church, and thus continue my small service to the mission.
My interests: missionary themes, spirituality (I was in charge of formation) and biblical themes (I studied biblical theology at the PUG in Rome)

Manuel João Pereira Correia combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

<span>%d</span> blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: