COMBONIANUM – Spiritualità e Missione

Blog di FORMAZIONE PERMANENTE MISSIONARIA – Uno sguardo missionario sulla Vita, il Mondo e la Chiesa MISSIONARY ONGOING FORMATION – A missionary look on the life of the world and the church

Moçambique: ex-bispo de Pemba ameaçado de morte pelo governo

Moçambique: “O governo ameaçou me matar”, diz bispo

O ex-bispo de Pemba, em Moçambique, admitiu que as ameaças de morte que recebeu e que obrigaram o papa a transferi-lo de volta para o Brasil, seu país natal, vieram do governo, e não de grupos extremistas que semearam o terror na região nos últimos três anos.

A reportagem é de Filipe Avillez, publicada por The Tablet, 28-04-2021. A tradução é de Moisés Sbardelotto.
http://www.ihu.unisinos.br

Em uma entrevista à The Tablet, o bispo Luiz Fernando Lisboa confirmou que havia sido transferido devido às ameaças de morte e deu a entender que algumas delas vieram do governo, embora ele tenha sido vago sobre o assunto.
Agora, porém, ele disse ao jornal italiano La Reppublica que o governo queria silenciar as suas críticas abertas ao modo como a crise em Cabo Delgado, Pemba, foi enfrentada.

“Foi o governo. Primeiro, recebi ameaças de expulsão, depois de apreensão dos meus documentos e, por fim, ameaças de morte.”

Questionado sobre a razão pela qual o governo queria mantê-lo calado, ele respondeu: “Maputo negou a guerra desde o início. Quando o conflito e o perigo ficaram evidentes, ele proibiu que se falasse sobre o assunto. Impediu que os jornalistas fizessem o seu trabalho”.

“Um repórter está desaparecido desde abril do ano passado. Ele trabalhava para uma rádio comunitária e cobria a guerra. Em sua última mensagem, ele disse que havia sido cercado pela polícia. A Igreja era a única instituição que falava sobre a situação. E isso não agradava ao governo.”

“Acima de tudo, ele não tolerava que saíssem notícias sobre o Estado. Por orgulho nacional, negócios. Quando, há um ano, a Conferência Episcopal condenou em um documento o que estava acontecendo, as autoridades reagiram mal, começando a sujar o meu nome.”

Antes da sua transferência de volta ao Brasil, para a Diocese de Cachoeiro de Itapemirim, o bispo visitou o Papa Francisco, que lhe ofereceu apoio. “Ele evidentemente tinha mais informações do que eu. Ele sabia que eu estava correndo riscos e me ofereceu a transferência para o Brasil.”

Uma insurgência islamista causou milhares de mortes e dezenas de milhares de refugiados em Cabo Delgado, ao norte de Moçambique. Depois de três anos, o problema começou a chamar mais atenção no cenário internacional, e muitos países ofereceram apoio e ajuda para combater os terroristas.

Moçambique. “Ameaças de morte por parte do governo. Há anos que lançamos apelos para Maputo. Sem sucesso”, denuncia ex-bispo de Pemba

Luiz Fernando Lisboa viveu em Moçambique durante vinte anos, dos quais 8 como bispo na região de Cabo Delgado, diocese de Pemba. Brasileiro, 65 anos e destemido. Foi preciso o Papa Francisco para convencê-lo a deixar Moçambique em fevereiro deste ano. As ameaças de morte estavam se tornando pesadas demais. Desde 2017, ano do primeiro grande ataque ao Norte dos extremistas moçambicanos, Lisboa nunca deixou de falar. Ele deu voz ao povo da sua diocese, mais pobre do que os já pobres moçambicanos, denunciando o início de uma guerra que, se não tivesse sido ouvida por Maputo, teria posto de joelhos toda uma região do país. Eles o chamam “a voz do povo”, e estava certo. O atentado contra a cidade de Palma em 24 de março, com dezenas de mortos, valas comuns, cabeças decapitadas e milhares de desaparecidos e deslocados, é uma prova disso.

A entrevista é de Raffaella Scuderi, publicada por La Repubblica, 11-04-2021. A tradução é de Luisa Rabolini.
http://www.ihu.unisinos.br
Eis a entrevista.
D. Luiz, quem o estava ameaçando? Os extremistas?

Não. O governo. Recebi primeiro ameaças de expulsão, depois de apreensão de documentos e no final de morte.

Como tem certeza de que foi o governo?

Maputo negou a guerra desde o início. Quando o conflito e o perigo se tornaram evidentes, ele proibiu que se falasse sobre o assunto. Impediu que os jornalistas fizessem seu trabalho. Um repórter está desaparecido desde abril do ano passado. Ele trabalhava para uma rádio comunitária e falava sobre a guerra. Em sua última mensagem, disse que havia sido cercado pela polícia. A Igreja era a única que falava sobre a situação. E isso não agradava ao governo. Acima de tudo, não tolerava que saíssem notícias sobre o estado. Orgulho nacional, negócios. Quando há um ano a Conferência Episcopal condenou o que estava acontecendo em um documento, as autoridades reagiram mal, começando a jogar lama sobre mim.

Por que Maputo está minimizando a presença do extremismo?

Eles não querem que se fale mal do país. Apelamos ao governo para que pedisse ajuda à comunidade internacional. Sozinho ele não pode fazer frente a isso. E nós estamos vendo isso. O nosso apelo chegou ao Parlamento Europeu e duas comissões pediram-me para expor a situação.

O que o Papa disse a você?

Depois da sua visita a Moçambique, o Papa Francisco sempre acompanhou a situação de Cabo Delgado. Em agosto do ano passado ele me ligou para dizer que estava muito perto de nós, que estava orando por nós e que queria nos dar sua bênção. Graças à sua intervenção, a guerra se internacionalizou. Depois de suas palavras, muitas pessoas começaram a se interessar pela guerra. Em dezembro doou 100 mil euros para a construção de hospitais e para os deslocados.

Conversou com ele de novo depois das ameaças de morte?

No dia 18 de dezembro encontrei-o no Vaticano. Ele queria saber como estava a situação. Ele evidentemente tinha mais informações do que eu. Ele sabia que eu estava correndo riscos e me ofereceu uma transferência para o Brasil.

O que está acontecendo em Cabo Delgado?

Recursos, multinacionais e guerras. Três coisas que você sempre encontra juntos. A situação está piorando rapidamente. Estou em contato com muitas pessoas da diocese de Pemba e Palma (local do ataque de 24 de março, ndr). Muitas pessoas ainda estão escondidas nos matos. Outros conseguiram chegar a outra cidade, Nangade. Há muitos idosos, crianças e pessoas que não sabem como sobreviver. Disseram-me que os helicópteros contratados lançaram bombas atingindo terroristas, mas também civis.

Você viveu muitos anos em Moçambique. De onde se origina essa violência extremista?

Moçambique é um dos 10 países mais pobres do mundo. E a região Norte é a mais pobre. No ano passado presenciei uma inversão da política pública, não mais preocupada com a população: saúde, educação. Gente pobre, sem trabalho, doentes e analfabeta. Os jovens não têm futuro porque não podem estudar: não há escola secundária. Uma província pobre e abandonada, embora rica. A situação ideal para a guerra: pobreza, muitos recursos e questões étnicas. Todos os elementos importantes para um conflito.

O que você fez?

Vários anos atrás, alertamos o governo local e central que havia grupos que desrespeitavam os líderes muçulmanos. O governo não prestou a devida atenção. E esses indivíduos cresceram e se tornaram cada vez mais fortes. Até a revolta de 2017.

Se eles são ou não patrocinados pelo ISIS permanece um mistério. Analistas afirmam que a reivindicação do califado é falsa. Qual é sua opinião?

Os extremistas usam o nome do estado islâmico. Mas esta não é uma guerra religiosa. Se fosse, eles teriam nos atacado. Mas eles atacam a todos e destroem tanto igrejas como mesquitas. Eles matam líderes cristãos e muçulmanos. Esta é uma guerra econômica pela apropriação dos recursos naturais: gás líquido, ouro, rubis, pedras semipreciosas. No momento, existem mais de 700 mil pessoas deslocadas e mais de 2 mil mortos.

Como vive a população? Há quem diga que não opuseram resistência ao ataque.

Há uma total falta de respeito pelos direitos humanos. Tanto dos terroristas quanto do governo. A população tem medo de ambos. Extremistas roubaram uniformes do exército, armas e alimentos. Eles se apresentam como militares. Para o povo, é uma situação terrível. Eles veem o exército e para eles são terroristas. As forças militares de alguma forma abusam das pessoas. Mas também os soldados são vítimas, porque estão numa guerra em que não querem estar.

Eles descobriram recentemente um campo de gás líquido. Bilhões de dólares foram investidos em Cabo Delgado. Estão ali os franceses, os estadunidenses e os italianos. O que isso acarreta?

A relação das multinacionais com a região não é boa. A maneira como essas grandes empresas atuam não é boa. Existem leis que orientam sobre como realizar os passos: consultas com a população, participação na discussão. Mas eles não fazem. E a população tem que deixar suas terras. Isso cria descontentamento.

Você nunca teve medo?

Não. Nunca deixei de falar. A Igreja é a voz dos que não têm voz. Como eu poderia ficar calado?

Você sente falta de Moçambique?

Eu teria ficado. Sinto muita falta. Todos os dias peço informações e falo com amigos e missionários. E mesmo daqui procuro sempre entender como ajudar aquele país. Pedi a todos os missionários e as missionárias da região que deixassem Palma imediatamente.

O que você carrega no coração desses 20 anos?

O mais bonito foi ver aquela gente tão pobre acolher outros pobres em suas casas. Eles acolhiam duas ou três famílias, não tendo quase nada, nem espaço, nem comida. Isso eu nunca vou esquecer. São um exemplo de compartilhamento humano.

Rispondi

Inserisci i tuoi dati qui sotto o clicca su un'icona per effettuare l'accesso:

Logo di WordPress.com

Stai commentando usando il tuo account WordPress.com. Chiudi sessione /  Modifica )

Google photo

Stai commentando usando il tuo account Google. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto Twitter

Stai commentando usando il tuo account Twitter. Chiudi sessione /  Modifica )

Foto di Facebook

Stai commentando usando il tuo account Facebook. Chiudi sessione /  Modifica )

Connessione a %s...

Questo sito utilizza Akismet per ridurre lo spam. Scopri come vengono elaborati i dati derivati dai commenti.

Informazione

Questa voce è stata pubblicata il 29/04/2021 da in Atualidade social, PORTUGUÊS con tag .

  • 681.561 visite
Follow COMBONIANUM – Spiritualità e Missione on WordPress.com

Inserisci il tuo indirizzo email per seguire questo blog e ricevere notifiche di nuovi messaggi via e-mail.

Unisciti ad altri 774 follower

San Daniele Comboni (1831-1881)

COMBONIANUM

Combonianum è stato una pubblicazione interna di condivisione sul carisma di Comboni. Assegnando questo nome al blog, ho voluto far rivivere questo titolo, ricco di storia e patrimonio carismatico.
Il sottotitolo Spiritualità e Missione vuole precisare l’obiettivo del blog: promuovere una spiritualità missionaria.

Combonianum was an internal publication of sharing on Comboni’s charism. By assigning this name to the blog, I wanted to revive this title, rich in history and charismatic heritage.
The subtitle
Spirituality and Mission wants to specify the goal of the blog: to promote a missionary spirituality.

Sono un comboniano affetto da Sla. Ho aperto e continuo a curare questo blog (tramite il puntatore oculare), animato dal desiderio di rimanere in contatto con la vita del mondo e della Chiesa, e di proseguire così il mio piccolo servizio alla missione.
I miei interessi: tematiche missionarie, spiritualità (ho lavorato nella formazione) e temi biblici (ho fatto teologia biblica alla PUG di Roma)

I am a Comboni missionary with ALS. I opened and continue to curate this blog (through the eye pointer), animated by the desire to stay in touch with the life of the world and of the Church, and thus continue my small service to the mission.
My interests: missionary themes, spirituality (I was in charge of formation) and biblical themes (I studied biblical theology at the PUG in Rome)

Manuel João Pereira Correia combonianum@gmail.com

Disclaimer

Questo blog non rappresenta una testata giornalistica. Immagini, foto e testi sono spesso scaricati da Internet, pertanto chi si ritenesse leso nel diritto d’autore potrà contattare il curatore del blog, che provvederà all’immediata rimozione del materiale oggetto di controversia. Grazie.

Categorie

%d blogger hanno fatto clic su Mi Piace per questo: